Criar abelhas em áreas urbanas está em alta na Alemanha

 

Preocupação com o sumiço desses insetos no campo despertou interesse da população das cidades. Cerca de 80% das plantas na Alemanha dependem da polinização das abelhas, afirmam pesquisadores.

A criação de abelhas está na moda. Nos quintais e varandas de grandes cidades, há cada vez mais pequenos apiários. Para pesquisadores, a atividade combina com o aumento da consciência ecológica no mundo.

Como polinizadores, esses insetos também dependem das plantas e usam o pólen e o néctar das flores como fonte de alimento. Mas essa vegetação está em falta: em zonas rurais, as abelhas convivem com áreas de plantio sem flores ou campos sem vegetação. Com a queda da população desses insetos registrada em estudos científicos, a criação urbana ganhou apelo. É por isso que as abelhas agora circulam cada vez mais pelas cidades.

O engenheiro aposentado e apicultor amador Jürgen Hiller cria há quase quatro anos duas colmeias no seu jardim. “Eu tive a sorte de ser orientado por um apicultor amador com muita experiência que, em casos de emergências, vem até aqui”. Hiller afirma ter lido muito sobre o assunto e conquistou, dessa maneira, o conhecimento necessário para essa prática.

Hiller não fez nenhum curso oferecido por associações de apicultores ou recomendado por especialistas. “Contudo, isso teria sido, com certeza, útil”, admite. No ano passado, uma de suas colmeias morreu. “Provavelmente de varroa”, acredita o apicultor amador. Varroa é um tipo de ácaro que ataca e dizima colônias de abelhas. Pesquisadores e apicultores profissionais estudam o problema – a luta contra esse parasita requer conhecimento técnico.

“O apicultor tem a função de proteger e cuidar da colmeia. Tudo precisa ser feito com base em um determinado plano e no tempo exato”, reforça Andreé Hamm, pesquisador sobre abelhas da Universidade de Bonn, na Alemanha.

Abelhas em alta

Para o diretor do Instituto de Apicultura da Universidade de Hohenheim, Peter Rosenkranz, a forte divulgação na mídia sobre a morte desses insetos os tornou populares. A razão para essa morte em massa tem uma natureza complexa. A agricultura intensiva e a urbanização fizeram com que as áreas com flores desaparecessem. Além disso, o aumento do uso de pesticidas nas lavouras também leva à morte desses insetos.

O projeto Fit Bee, coordenado pela equipe de Rosenkranz, procura conciliar a agricultura com a sobrevivência das abelhas. Devido à atual condição dos insetos, o especialista não se surpreende com o fato de muitas pessoas optarem pela criação de abelhas.

Mas o apicultor profissional Klaus Maresch é mais crítico. “Muitas colmeias morrem devido à falta de conhecimentos do apicultor. Eu não faço nada de bom para as abelhas só as criando”, afirma o especialista. Para ele, um apicultor precisa ser também uma espécie de veterinário e para isso é necessário um conhecimento que muitos amadores não possuem.

Maresch cita como exemplo a varroa. Segundo ele, nenhuma colmeia necessariamente morre ao ser atacada por esse parasita. O criador precisa aplicar o tratamento profilático correto. Maresch possui 180 colmeias, divididas em 12 locais em Bonn e região. Neste ano, ele quer chegar a 300.

Seu apiário está localizando em um terreno de sete hectares, em um antigo campo de tiro do exército alemão. O mel produzido é orgânico e ele também vende cera para velas, balas de mel e hidromel. A instalação do espaço onde o mel é trabalhado custou a Maresch cerca de 30 mil euros e segue os padrões para a produção de alimentos.

Proteção à natureza

Apesar do ceticismo do apicultor, para pesquisadores o interesse popular por abelhas é importante. Por um lado, esses insetos são indicadores ecológicos, ou seja, quando o meio ambiente adoece, especialmente se diminui a diversidade de plantas, as abelhas ajudam a indicar a apontar para o problema.

Por outro lado, sua importância econômica não deve ser subestimada. “Cerca de 80% das plantas na Alemanha dependem da polinização das abelhas. Até os animais que comemos são alimentados com essas plantas. Por isso, as abelhas têm um papel fundamental na nossa alimentação”, afirma Hamm.

Além das abelhas criadas, existem na Alemanha cerca de 600 espécies selvagens. Nesse caso, a situação é um pouco pior do que a das domesticadas. “Abelhas selvagens têm uma desvantagem dupla. Elas dependem no seu ambiente não somente de recursos de plantas como pólen e néctar, mas também de locais para fazer suas colmeias”, diz Hamm.

Matéria de Julia Vergin, da Deutsche Welle, DW.DE, reproduzida pelo EcoDebate, 02/06/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “Criar abelhas em áreas urbanas está em alta na Alemanha

  1. Nos anos 60, nos Estados Unidos, houve uma profunda mudança na atitude do povo americano com relação à necessidade de normas ambientais federais, suscitada pela obra “Silent Spring ” (Primavera Silenciosa), de Rachel Carson, uma bióloga marinha norte-americana que provocou os políticos à ação. O livro, publicado em 1962, presidiu o rito de passagem para o momento novo na história humana: o da preocupação com os rumos do desenvolvimento próprio da sociedade industrial. “Primavera Silenciosa” relata os efeitos da má utilização dos pesticidas e inseticidas químico-sintéticas, alertando sobre as conseqüências danosas de inúmeras ações humanas sobre o ambiente

Comentários encerrados.

Top