Obras da Transposição do rio São Francisco ameaçam terras indígenas

 

Povos Truká e Pipipan sofrem impactos das obras e temem ver terras alagadas antes de demarcação oficial

Por Renata Bessi, especial para a Repórter Brasil

Cabrobró (PE) e Floresta (PE) Fincados na caatinga do semiárido pernambucano, em terras secas por onde andou o cangaceiro Lampião, estão os povos indígenas Truká e Pipipan. Vivem nas proximidades do Rio São Francisco, respectivamente nas cidades de Cabrobó e Floresta, distantes 94 quilômetros uma da outra e a cerca de 600 quilômetros da capital Recife. Não faltam a eles características em comum. Habitam terras herdeiras da violência do cangaço, vivem a pior seca dos últimos 50 anos, viram seu chão sendo submerso pela represa de Itaparica em fins da década de 1980, estão no chamado polígono da maconha com inúmeros conflitos agrários, e são vizinhos de Itacuruba, cidade para a qual o governo federal guarda projeto de construção de uma usina nuclear.

Meninas do povo Pipipan

Em comum possuem também a ameaça à demarcação de suas terras, principal bandeira de reivindicação dos indígenas, pelas obras da transposição do São Francisco, uma das maiores obras de infraestrutura do governo federal. As duas tomadas de águas do rio, que serão levadas por dois canais sertão adentro, estão sendo construídas em territórios reivindicados pelos Truká e Pipipan em Cabrobó e Floresta.

Por um mês, a reportagem percorreu terras do sertão de Pernambuco e apurou questões enfrentadas por esses povos, como o conflito de terras e pela água, grileiros, desmatamento, problemas agravados com as obras da transposição.

Clique nos links abaixo para navegar por esta reportagem especial.

Terras sagradas
A relação dos povos indígenas com as terras, florestas e águas do São Francisco

Obras gigantes e incerteza de demarcação das terras Pipipan
Indígenas acompanham com apreensão abertura de novos canais

Transposição, a nova barreira para a retomada Truká
Desde a década de 1980 indígenas tentam recuperar áreas desmatadas

Conflitos e mortes marcam disputa por terras
Liderança indígena conta história da retomada dos Truká e de violências sofridas

Funai atrasa demarcação e recursos são devolvidos
Ministério da Integração havia reservado R$ 6,3 milhões para gastos

Impactos ambientais afetam comunidades indígenas
Estudos têm omissões graves e recuperação ambiental é insuficiente

Preconceito é barreira para garantir direitos indígenas
Identidade dos indígenas é questionada e perseguições continuam

 

EcoDebate, 17/03/2014


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Obras da Transposição do rio São Francisco ameaçam terras indígenas

  1. A questão dos índios Truka foi amplamente debatida e chegou ao STF. A mais alta corte de justiça do pais entendeu que a passagem dos canais de transposição pelas terras indígenas não inviabilizam sua demarcação.
    O STF entendeu tambem que os canais de transposição, conduzindo água, somente poderiam beneficiar e nunca prejudicar as tribos indígenas.

Comentários encerrados.

Top