Consumo insustentável e a falsidade da superpopulação

 

biocapacidade
Biocapacidade

 

“O impacto da humanidade sobre o sistema que sustenta a vida sobre a Terra não depende simplesmente do número de pessoas que vivem no planeta, mas também do modo em que se comportam. Se considerarmos esse aspecto, o quadro muda totalmente: o problema demográfico existe principalmente nos países opulentos. Na realidade, existem muito ricos.”

A análise é do sociólogo polonês Zygmunt Bauman e da jornalista e pesquisadora mexicana Citlali Rovirosa-Madrazo, em artigo publicado no jornal La Repubblica, 15-03-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

“Eles são sempre muitos. ‘Eles’ são aqueles que deveriam ser menos ou, ainda melhor, não ser, justamente. Ao contrário, nós nunca somos o suficiente. De ‘nós’, deveria haver sempre mais”. Eu escrevi isso em 2005, em Vidas Desperdiçadas (Ed. Zahar, 2005). A meu ver, tanto agora quanto então, a “superpopulação” é uma ficção estatística, um nome codificado que indica a presença de um grande número de pessoas que, ao invés de favorecerem o funcionamento fluido da economia, tornam mais difícil alcançar e superar os parâmetros utilizados para medir e avaliar o seu correto funcionamento. Esse número parece aumentar de modo incontrolável, acrescentando continuamente os gastos, mas não os ganhos.

Em uma sociedade de produtores, trata-se de pessoas cujo trabalho não pode ser utilmente (“proficuamente”) empregado, já que é possível produzir sem eles, de modo mais rápido, rentável e “econômico”, todos os bens que a demanda atual e potencial é capaz de absorver. Em uma sociedade de consumidores, essas pessoas são “consumidores defeituosos”: aqueles que não têm recursos para aumentar a capacidade do mercado dos bens de consumo e, ao contrário, criam um outro tipo de demanda, que a indústria orientada aos consumos não é capaz de interceptar e “colonizar” de modo rentável.

O principal ativo de uma sociedade dos consumos são os consumidores, enquanto o seu passivo mais fastidioso e custoso é constituído pelos consumidores defeituosos. Não tenho motivo para mudar de ideia com relação ao que escrevi anos atrás, nem para retirar a minha adesão ao que foi defendido por Paul e Ann Ehrlich. Observamos que se prevê que a “bomba demográfica” da qual os Ehrlich falam explodirá geralmente em territórios de mais baixa densidade de população. Na África, vivem 21 habitantes por quilômetros quadrado, contra 101 na Europa (incluindo as estepes e os “permafrosts” da Rússia), 330 no Japão, 424 na Holanda, 619 em Taiwan e 5.489 em Hong Kong.

Como observou há pouco tempo o vice-diretor da revista Forbes, se toda a população da China e a Índia se transferisse para os EUA continentais, resultaria disso uma densidade demográfica não superior à da Inglaterra, da Holanda ou da Bélgica. Porém, poucos consideram a Holanda um país “superpovoado”, enquanto os sinais de alarme soam continuamente para a superpopulação da África ou da Ásia, com exceção dos poucos “Tigres do Pacífico”.

Para explicar o paradoxo dos “Tigres”, afirma-se que, entre densidade demográfica e superpopulação, não há uma correlação estrita: a segunda deveria ser medida fazendo-se referência ao número de pessoas que devem ser sustentadas com os recursos possuídos por um dado país e à capacidade do ambiente local de sustentar a vida humana. Porém, como indicam Paul e Ann Ehrlich, a Holanda pode sustentar a sua altíssima densidade demográfica só porque muitos outros países não conseguem: nos anos 1984-1986, por exemplo, importaram 4 milhões de toneladas de cereais, 130 mil toneladas de óleos diversos e 480 mil toneladas de ervilhas, feijões e lentilhas – todos produtos que nos mercados globais têm uma avaliação e, portanto, um preço relativamente baixos, permitindo que a própria Holanda produza, por sua vez, outras mercadorias, como leite ou carne comestível, que notoriamente têm preços elevados.

Os países ricos podem se permitir uma alta densidade demográfica porque são centrais de “alta entropia”, que atraem recursos (e principalmente fontes energéticas) do resto do mundo, restituindo, em troca, as escórias poluentes e frequentemente tóxicas, produzidas por meio da transformação (o exaurimento, a aniquilação, a destruição) das reservas mundiais de energia. A população dos países ricos, mesmo sendo bastante exígua (com relação aos padrões mundiais), utiliza cerca de dois terços da energia total.

Em uma conferência de título eloquente (Too many rich people, “Muitos ricos”), proferida na Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento, no Cairo (5 a 13 de setembro de 1994), Paul Ehrlich sintetizou as conclusões do livro escrito por ele juntamente com Ann Ehrlich, The Population Explosion, afirmando, sem meios termos, que o impacto da humanidade sobre o sistema que sustenta a vida sobre a Terra não depende simplesmente do número de pessoas que vivem no planeta, mas também do modo em que se comportam. Se considerarmos esse aspecto, o quadro muda totalmente: o problema demográfico existe principalmente nos países opulentos. Na realidade, existem muito ricos.

(Ecodebate, 09/10/2013) publicado pela IHU On-line, parceira estratégica do EcoDebate na socialização da informação.

[IHU On-line é publicada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Consumo insustentável e a falsidade da superpopulação

  1. Eu não discordo da totalidade desse artigo, mas não consigo concordar totalmente também.

    O motivo é simples: pergunte-se a si mesmo: você gostaria de viver como o somaliano médio? Acha que é justo haver gente no mundo que vive como o somaliano médio? Ou preferiria que o somaliano médio tivesse a chance de viver, sei lá, como o brasileiro médio?

    Que consumo e população são duas pontas de uma balança? Verdade. Que se todos vivessem como o somaliano médio, o mundo poderia ter 15 bilhões de pessoas e tudo bem? Claro. Que um mundo assim poderia ser uma boa coisa? Ok, acho que nossas definições de inferno são diferentes.

    Que não é culpa do somaliano médio que a Somália tem uma das mais altas taxas de natalidade do mundo? Completa e total verdade. Principalmente, que não é culpa da somalianA média.

    Taxas de natalidade não dependem de programas drásticos como o da China para diminuir. Junte três pequenos e drásticos fatores, e a taxa de natalidade cai. Quais são esses três fatores:
    1. Acesso fácil e simples da população a métodos anticoncepcionais modernos (“moderníssimos” tipo camisinha e pílula), especialmente as mulheres e adolescentes (bônus: maior acesso de adolescentes à camisinha = menor taxa de novos contaminações por doenças venéreas especialmente a AIDS).

    2. Emancipação feminina, com a população de mulheres sendo considerada GENTE e não reprodutoras cuja justificativa é produzir herdeiros e divertir barões.

    3. Diminuição da taxa de mortalidade infantil –> pouca gente cita isso, mas quanto maior a mortalidade infantil, maiores as taxas de natalidade, pois quando uma mulher não tem certeza se seu filho sobreviverá até a idade adulta, ela aumenta o número de filhos que pretende ter. Esse, inclusive, é um dos fatores que mais aumentam a taxa de natalidade.

    Sem que esses três fatores cheguem aos países que hoje estão em explosão populacional, não só a situação do mundo não vai melhorar, como a situação desses próprios países também não vai. Não acho que alguém possa realmente ser contra isso, exceto alguns fanáticos. E mesmo os fanáticos, provavelmente são mais contra o item 1 quanto a qualquer outra coisa.

    No entanto, o autor desse artigo não deve ser um dos fanáticos. Provavelmente o problema dele são os fanáticos do outro lado: os que julgam que os seus próprios excessos de consumo não são nada, e colocam a culpa da crise ambiental nos pobres somalianos e congêneres, que vivem miseravelmente, não sabem se verão o dia de amanhã e por isso mesmo têm muitos filhos, esperando que ao menos um deles ” vingue”.

    Existirem humanos que têm muitos filhos não é justificativa para o excesso de consumo. Quando o padrão de vida de uma pessoa está acima do que pode ser compartilhado por todos e ainda caber na Terra, bem, então essa pessoa é parte do problema. E tem MUITO mais culpa que qualquer desesperado com muitos filhos.

  2. Dizer que superpopulação não é um problema é simplesmente negar o óbvio. Um discurso (o problema de excesso de consumo) não vai de encontro ao outro (o problema de estarmos caminhando para dez bilhões …). Tenho 37 anos, quando nasci o mundo tinha cerca de 3,5 bilhões, ou seja, o mundo tinha levado milhões de anos para atingir essa cifra; em apenas 37 ANOS DOBROU PARA 7 BILHÕES. Qualquer pessoa que se diga racional DEVERIA ENCARAR ESSE FATO COMO UM ENORME PROBLEMA AMBIENTAL, TALVEZ O MAIOR DE TODOS.

Comentários encerrados.

Top