MPF processa a União pela finalização da criação de Unidade de Conservação na foz do Rio São Francisco

 

Bacia do rio São Francisco
Bacia do rio São Francisco

 

Processo de criação da Área de Preservação Ambiental está em curso desde 2003 e ainda não foi finalizado

O Ministério Público Federal está processando a União e o Estado de Sergipe para que finalizem a criação de uma unidade de conservação que proteja a região do Baixo São Francisco, próximo à sua foz. O projeto de criação da Área de Preservação Ambiental (APA) foi iniciado em 2003 pela União e jamais finalizado, faltando apenas o ato da Presidência da República editando o decreto.

Em outubro daquele ano, a sociedade Canoa de Tolda, em conjunto com o Conselho Comunitário da Foz do São Francisco, encaminhou ao Ministério do Meio Ambiente, uma proposta de criação de uma Unidade de Conservação de Uso Sustentável – Área de Proteção Ambiental – na região sergipana do Baixo do São Francisco. O projeto passou pela tramitação normal no Ibama, tendo sido realizados os estudos técnicos e consulta pública às comunidades locais.

Este trabalho, resultou na elaboração de uma minuta de decreto presidencial para criação da Unidade de Conservação. O decreto, entretanto, não chegou a ser assinado e publicado porque, em 2008, a Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe (Semarh) informou ao Ministério do Meio Ambiente interesse em assumir a responsabilidade pela consolidação da área de preservação. A Semarh informou ainda haver um decreto estadual de 2004 prevendo a criação da unidade de conservação.

Decreto – No processo, contudo, a procuradora da República Lívia Nascimento Tinôco explica que o decreto estadual é ilegal encontra-se em desacordo com o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, uma vez que foi publicado sem realização de estudos técnicos e consultas públicas prévias, que são etapa obrigatória. “Restaria impossibilitada a promulgação de um decreto de criação de uma APA, sem percorrer devidamente as fases técnica e de consulta, isto porque estaria desprovido de qualquer parâmetro para a fixação da modalidade e extensão da proteção”, afirma a procuradora.

A procuradora frisa que a unidade de conservação de uso sustentável, que se pretende implantar na região, tem como traço marcante a participação ativa da população, tanto em sua criação, com a realização de consultas públicas, como na sua gestão, com a exigência de Conselho, cuja composição possui representação dos líderes das comunidades locais.

Diante disso, o MPF requer, no processo, que seja declarada a nulidade do Decreto Estadual nº 22.995/04, que cria a unidade de conservação da região do Baixo São Francisco no âmbito do Estado de Sergipe. A ação civil pública requer ainda que a União retome o processo de criação da APA que protegerá a foz do Rio São Francisco, tendo em vista que o processo está quase concluído, faltando apenas a edição do decreto presidencial.

Preservação – Por outro lado, o MPF também requer que a União seja obrigada a adotar as providências necessárias para a criação e implantação de APA Federal visando à preservação da região da foz do Rio São Francisco. A procuradora Lívia Tinôco lembra que, além de uma importante diversidade biológica na flora local, a região também é área de desova de tartarugas marinhas, berçário de várias espécies de peixes e fonte de insumos essenciais para a estabilidade de diversas aves migratórias.

No processo, o MPF ressalta que esse importante patrimônio natural encontra-se ameaçado por ações humanas. A localidade recebe impacto dos empreendimentos energéticos, industriais e agrícolas, como por exemplo, realização de obras públicas, exploração de petróleo, pesca predatória e emissão de poluentes agrícolas. Além disso, o desenvolvimento urbano da região, com vistas ao turismo, como, por exemplo, o asfaltamento de rodovias de Pirambu (SE) até a foz, bem como o projeto de construção de ponte ligando os municípios de Brejo Grande (SE) a Piaçabuçu (AL), tendem a uma exploração desordenada da região.

Fonte: Ministério Público Federal em Sergipe

EcoDebate, 31/07/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “MPF processa a União pela finalização da criação de Unidade de Conservação na foz do Rio São Francisco

  1. Inquestionavelmente se trata de mais um grande descalabro advindo da esfera governamental da União, denotando que não tem compromisso real com a consecução da proteção, conservação e recuperação sócio-hidroambiental. A criação da APA se afigura como a mais desejável e exequível no que tange à problemática vivenciada na região, para tentar proporcionar um ordenamento e disciplinamento nas atividades, sobretudo as relacionadas com o poder público em geral que, normalmente se associa espuriamente com o poder hegemônico do grande capital para transformar os espaços públicos em “mercadorias” ao seu alvedrio. Parabéns ao nobre Kadu e demais companheiros da Canoa de Tolda que têm sido incansáveis e bravos lutadores na defesa sócio-hidroambiental do Baixo São Francisco.

  2. Até quando essa questão vai ficar pendurada? Inadmissível! Estamos falando de umas das importantes bacias do Brasil… No meu ponto de vista, para o governo ainda não é vantagem finalizar a APA por muitos, mais muitos interesses secretos e corruptos…
    Desejo energia e força para todos aqueles que trabalham pela verdadeira defesa da bacia. Como diz Moraes Moreira
    “… Sou como o Rio São Francisco
    Faço no tempo viagens
    No espaço da noite e do dia,
    Indo, fluindo às margens
    De Pernambuco e Bahia
    Andando por todos os lados
    Sincretizando os Estados
    Arrematando as costuras
    Na integração das culturas
    Assim como o rio promovo
    O abraço que a gente precisa
    Em busca do que é mais novo
    Sim ultrapasso a divisa
    Fazendo a ponte, sem medo
    Antonio sou brasileiro
    João, Geraldo Azevedo
    Petrolina e Juazeiro
    Por essas águas tão boas
    Sou navegante feliz
    Sergipes e Alagoas
    Minas, imensos brasis
    Quem pode parar a planície,
    Os rios e os oceanos?
    Ah meu amor, acredite
    Também assim sem limite
    É o sonho dos seres humanos
    Quem pode parar o planeta?
    E o movimento que há?
    Ah meu amor, com cereteza
    As forças da natureza
    O vento quem pode parar?
    Lavam na beira do rio
    As lavadeiras de Deus
    A alma dos pecadores
    E o coração dos ateus.”

  3. Processe a União também pela leniência e letargia na criação do PN da Serra da Gandarela, RVS do Rio Tibagi, alem de mais uns 10 seculares que não me recordo de nome. Dilma tem conseguido ser o pior presidente no quesito conservação da natureza, algo vital para um país como o Brasil, e olha que perder para Collor e Itamar não é para qualquer um hein…

Comentários encerrados.

Top