Começa o desmonte da Eletrobrás, artigo de Heitor Scalambrini Costa

 

torres de transmissão de energia

 

[EcoDebate] A edição da medida provisória 579 em 11/9/2012, que trata da renovação das concessões do setor elétrico e da redução de preços nas tarifas de energia, depois transformada em Lei 12.783/2013, pelo governo federal, atingiu em cheio a Eletrobrás, que controla a maior parte do parque gerador de energia elétrica do país.

Com a desastrada intervenção do governo em nome da boa causa do corte das tarifas, os efeitos resultaram em um prejuízo de R$ 6,8 bilhões em 2012, o maior da história da empresa; depois de sucessivos anos positivos da estatal, que em 2011 lucrou R$ 3,7 bilhões.

Este modelo adotado para diminuir as tarifas e a renovação das concessões reduziu drasticamente a receita das empresas a valores que comprometeram a capacidade de investimento e a qualidade dos serviços oferecidos, como também pôs em risco a reconhecida competência técnica do setor. Os cortes de receita refletirão diretamente em corte de pessoal. Ou seja, a competência acumulada pelo setor em anos será dissolvida, como exemplos já vistos de outros setores que acabaram sendo privatizados.

Durante a apresentação do Plano Diretor de Negócios e Gestão da companhia, em 28/3, o presidente da Eletrobrás afirmou que espera a adesão de 5 mil, ou seja, 18,5% dos 27 mil funcionários da estatal ao Plano de Incentivo ao Desligamento, que será implantado nas empresas da holding. O plano de desligamento é uma das iniciativas previstas pela companhia para reduzir custos. Para 2013, a meta será de 20%, mas esse percentual será aumentado para 30% nos próximos três anos. Para a execução do plano foi alocada a importância de R$ 2,4 bilhões, incluindo R$ 380 milhões em despesas com planos de saúde.

No caso da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), empresa da maior importância para o Nordeste, não só pela geração de energia elétrica, o esvaziamento será grandioso. A companhia alcançou um lucro líquido em 2011, próximo dos R$ 2,2 bilhões de reais, e em 2012 teve um prejuízo recorde de R$ 5,3 bilhões em decorrência de ajustes contábeis por conta da renovação das concessões com vencimento em 2015, será literalmente desmontada.

O Plano de Incentivo ao Desligamento Voluntário (PIDV), como é chamado o corte de pessoal para enxugamento da folha de pagamento, que gira hoje em torno de R$ 900 milhões/ano, será implementado a partir do dia 6/6/2013, e ao longo de 2014. É prevista assim uma economia da ordem de R$ 200 milhões/ano. A direção da estatal está confiante que “contribuirá” com a redução de pessoal do grupo Eletrobrás afastando de seu quadro de funcionários em torno de 30%, dos 5.737 funcionários existentes (abril de 2012).

O que está acontecendo hoje com o grupo Eletrobrás, e com suas empresas que detém a liderança na geração e transmissão de energia elétrica no Brasil com a redução dos custos operacionais, incluindo o desligamento de funcionários, entre outras medidas tomadas é o “modus operandi” que foi adotado na privatização das empresas estatais.

Portanto, o atual governo federal caminha a passos largos no processo de privatização de mais um patrimônio do povo brasileiro. Quem viver verá.

Heitor Scalambrini Costa, Articulista do Portal EcoDebate, é Professor da Universidade Federal de Pernambuco.

 

EcoDebate, 11/06/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

3 comentários em “Começa o desmonte da Eletrobrás, artigo de Heitor Scalambrini Costa

  1. PARA VENCER AS ELEIÇÕES – VALE TUDO !!! – INCLUSIVE FAZER FESTA EM CASA ALHEIA ( A NOSSA !!!)

    NUNCA ANTES NA HISTÓRIA DESTE PAÍS UMA CIA DE CAPITAL LISTADO NAS BOLSAS BRASILEIRAS DEU TANTO PREJUÍZO QUANTO A ELETROBRAS EM UM ÚNICO TRIMESTRE.

    A NOSSA ELETROBRAS !!! ESTA EMPRESA QUE AGORA QUER DEMITIR 30 % DE SUA FORÇA DE TRABALHO !

    É O MEU, O SEU, O NOSSO DINHEIRO QUE ESTÁ SENDO/FOI QUEIMADO EM PRAÇA PÚBLICA.

    NÃO VI UMA LINHA NA MÍDIA INFORMATIVA A ESTE RESPEITO. ( A NÃO SER COM A VISÃO OFICIAL DE DIMINUIR A CONTA DE ENERGIA )

    PARABÉNS AO ARTICULISTA POR MOSTRAR A PONTA DO ICEBERG…. QUE ESTÁ FICANDO PARA TRÁS …..PARA TODOS NÓS PAGARMOS MAIS UMA VEZ …..

    NÃO TEM ALMOÇO GRÁTIS !!!!

  2. @Marcelo de Oliveira Fonseca

    Digite “prejuízo eletrobrás” no google e você verá exemplos das maiores mídias informativas tratando o assunto.

    Claro que nenhuma mídia é 100% imparcial, nem esta que acabamos de ler. Cabe ao leitor se informar por diferentes fontes e pontos de vista antes de formar opnião, ou sair gritando por aí rsrs. Desliga o caps ;)

  3. Mais uma devastadora ação do governo levando de roldão o patrimônio nacional. Negócios escusos, sem transparência, sem discussão é o que se vê neste país eticamente destruido., Que pena! anchieta mendes

Comentários encerrados.

Top