Sem Obsolescência Programada: Espanhol é ameaçado de morte por criar lâmpada que não queima

 

Benito Muros
Benito Muros. Foto em Perspectiva Ciudadana

 

Entrevista com Benito Muros publicada no Outer Space/Portal Terra com informações do El Economista

A bateria de um celular morre em dois anos, um computador em quatro, a geladeira está tendo problemas em oito anos e de repente, em um belo dia, a televisão lhe diz adeus.

“Não há nada para se fazer além de comprar outra”. É possível fazer produtos que durem mais do que isso? Quem sabe a vida toda? Benito Muros da SOP (Sem Obsolescência Programada), diz que é possível. Por isso está ameaçado de morte.

O conceito de obsolescência programada surgiu entre 1920 e 1930 com a intenção de criar um novo modelo de mercado, que visava a fabricação de produtos com curta durabilidade de maneira premeditada obrigando os consumidores a adquirir novos produtos de forma acelerada e sem uma necessidade real.

As lâmpadas e a luta de Benito Muros respondem a um novo conceito empresarial, baseado em desenvolver produtos que não caduquem, como aquelas geladeiras Frigidaire ou máquinas de lavar Westinghouse que duravam a vida toda.

Uma filosofia empresarial mais conforme com nossos tempos, graças à comercialização de produtos que não estejam programados para ter uma vida curta, senão que respeitem o meio ambiente e que não gerem resíduos que, por vezes, acabam desembocando em containers de lixo no terceiro mundo.

Veja a entrevista onde ele fala sobre seu projeto:

Trata-se de um movimento que denuncia a Obsolescência Programada. Lutamos para que as coisas durem o que tenham que durar, porém os fabricantes de produtos eletrônicos os programam para que durem um tempo determinado e obrigam os usuários a comprar outros novos. A lei permite!

O consumo de nossa sociedade está baseado em produtos com data de validade. Mudar isso suporia mudar nosso modelo de produção e optar por um sistema mais sustentável. Os fabricantes devem ser conscientes de que as crises de endividamento como a que vivemos são inevitáveis e que podemos deter o crime ecológico.

(Repórter: A lavadora de minha mãe durou 35 anos)

E agora aos seis já da problemas. Também, antes havia umas meias de náilon irrompíveis.

Deixaram de fabricar, por isso, porque duravam demais.

Mas hoje, por exemplo temos uma lâmpada que está acesa a 111 anos em um parque de bombeiros de Livermore (California). Foi então que surgiu a idéia de criar, junto com outros engenheiros, uma linha de iluminação que dure toda a vida.

(Repórter: Não queima nunca?)

Nunca! Dura mais de cem anos, porém como não veremos, oferecemos uma garantia de 25 anos.

(Repórter: Não se vê isto nos grandes armazéns.)

Não, porque as distribuidoras nos dizem que vivem das que se queimam. Inclusive recebemos ofertas de milhares de dólares para tira-la do mercado.

(Repórter: E quanto custa sua lâmpada?)

Pode ser comprada online por uns 37 euros. Aos fabricantes não lhes interessa.

(Repórter: Um gênio ou um louco?)

Nem um nem outro. Somente buscamos uma sociedade mais justa. Ainda que isto signifique estar ameaçado de morte. A lâmpada criada pela OEP Electrics responde à necessidade atual de um compromisso com o meio ambiente. Ao durar tanto tempo, não gera resíduos ao mesmo tempo em que permite uma poupança energética de até 92% e emite até 70% a menos de CO2.

Mas, ao que parece, a indústria de produtos elétricos não está muito contente com a descoberta. Benito Muros diz que está sendo ameaçado devido a seu invento e inclusive afirma ter recebido ofertas milionárias para retirar seu produto do mercado.

– “Senhor Muros, você não pode colocar seus sistemas de iluminação no mercado. Você e sua família serão aniquilados”, reza a denúncia que Muros apresentou à Polícia, que apesar do medo não se acovardou.

Para realizar sua pesquisa, Muros viajou até o parque de bombeiros de Livermore (Califórnia), lugar no qual há uma lâmpada que permanece acesa de forma ininterrupta há mais de 111 anos. Ali contatou com descendentes e conhecidos dos criadores da lâmpada, já que não existia documentação a respeito.

Com esta informação conseguiu as bases para começar sua pesquisa, cujo achado supõe um novo conceito de modelo empresarial baseado na não Obsolescência Programada.

Uma pequena lista das vantagens prometidas por Benito Muros e OEP Electrics:

– Gasta 92% menos eletricidade que uma lâmpada incandescente, 85% em relação às alógenas e 70% em relação às fluerescentes.

– Garante 25 anos funcionando 24 horas por dia, 365 dias por ano.

– Não se queima no caso de acender e pagar varias vezes. A empresa OEP Electrics garante 10.000 (Dez mil) comutações (acender e apagar) diárias.

– Ela acende na hora. Não precisa esperar ela esquentar.

– Não emite ultra violeta e nem ultra vermelho (Evitando problemas de pele e nos olhos)

– Não faz zumbido.

– Consegue iluminar em temperaturas de até 45 graus abaixo de zero.

– Não contém tungstênio e nem mercúrio. Não possui metais pesados que demoram para desintegrar. São recicláveis e seguem todas as normas ambientais.

– Emite 70% a menos de CO².

– Por ter mais tempo de vida, produz menos resíduos para a natureza.

– Praticamente não esquenta utilizando somente aquela energia que será necessária para iluminar, ao contrário das lâmpadas convencionais que gastam 95% da energia para produzir calor e 5% para iluminar.

– Por não esquentar e não produzir radiação evita deteriorar os materiais que estão perto.

– Evitam risco de incêndio.

– Não prejudicam o frio dentro de câmaras frigorificas.

Matéria no Outer Space / Portal Terra com informações do El Economista, socializada pelo Jornal da Ciência / SBPC, JC e-mail 4734.

EcoDebate, 28/05/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

9 comentários em “Sem Obsolescência Programada: Espanhol é ameaçado de morte por criar lâmpada que não queima

  1. Desenvolver política pública para forte aumento da garantia dos objetos consumidos e produção de objetos duráveis é um avanço necessário.
    Haverá alguém que leve isso adiante? Será que a indústria de lâmpadas, por exemplo, irá fazer pra valer a lição de casa determinada pela Política Nacional de Resíduos Sólidos – a logística reversa de seus produtos? A conferir.

  2. Bem, ao que me parece estamos há algum tempo neste modelo, onde as trocas são mais que necessárias para manter o sistema funcionando, caso contrário pane no Capital, mas isso é uma ponta de vidro cortante em meio a vários cacos.

  3. Qual o site de venda destas lâmpadas? Como ser um representante delas aqui no Brasil? São ideias como essas que promoverão, de fato e sem discursos vagos, a transição paradigmática e o (s)urgente desenvolvimento sustentável.

    Resposta do EcoDebate: Prezado Renato, para maiores informações sobre o projeto e os produtos acesse http://www.oepelectrics.es/

    Atenciosamente

    Redação do Portal EcoDebate

  4. Incrível a proposta, mas se seguir esse raciocínio, vamos acabar com o consumo. O fim do consumo representa o fim do capitalismo. Ou seja, socialismo. É isso?

  5. Isso não representa o fim do consumo, só o fim do consumo desenfreado. Há mais no mundo além de capitalismo e socialismo, José Ruiz. Fora que no Brasil, ao contrário de nos EUA, socialismo não é palavrão.

  6. Nossa! Fiquei impressionada, adorei a matéria.
    Que grande invenção, ao certo, idéias como esta ajudaria bastante na construçaõ de um futuro melhor para a humanidade, com sustentabilidade.

    Prover produtos de qualidade, com uma durabilidade como esta é espantosa, espero que a idéia expanda mundo a fora. É incrível como qualquer boa idéia, começa logo a afetar esse abutres do capitalismo.

    Parabéns ECo pela matéria!!!!

  7. Isso é só o inicio, e tem que ser assim, se não unirmos as várias vertentes do conhecimento, todas juntas, focadas na preservação do meio natural, para desenvolver um novo meio de vida (forma de viver inseridos no meio natural) sem ou, amenizando de alguma forma, os impactos negativos que hoje é o resultado do meio que as nações utilizam, ou é o resultado, para o “crescimento” econômico iremos perecer com alimentação de má qualidade, ar poluídos, recursos naturais escassos e observar a fome resultado de ma administração do recurso proteico natural para nossa alimentação. Um bom exemplo da união disciplinar em função do meio ambiente é que economia ( Grego- οικονομία, onde eco/oiko – Casa e nomia/νομία – gerenciar) é o gerenciamento da casa somando-o a ecologia que é o “estudo da casa”, pois temos que entender com funciona uma empresa para podermos gerencia-la, não é mesmo. Propor um novo modelo econômico é algo a se pensar, sobretudo é necessário aprendermos (adquirirmos uma nova acomodação social que inclui como alimentar-se, quais produtos escolher em troca do seus recurso adquirido com seu suor) a viver em conjunto com a natureza não de uma forma totalmente oportunista, deste modo forçaremos o comercio a se adequar, oferta e procura.

  8. Onde posso comprar, para meu consumo e revender.
    Produtos como estes deveriam seguir a linha de frente de qualquer mercado consumista. O problema é que enquanto poucos compram tudo o que querem, milhões não tem o que comer, sequer gastar com mais de duas lâmpadas. Uns com 300 em cada casa e outros com 3 em toda a casa.

  9. Verdadeiramente é um fruto da ciência,QI e sabedoria…
    Precisamos da cultura e socialização de tais produtos e comportamentos de mercado…
    Qual é o impacto social…
    A sustentabilidade sócio-econômica ? Se isso é sustentável..
    Qual o gráfico financeiro de investimento no social com o lucro liquido ?
    Ou vai ser mais uma empresa e governos na
    mesma distribuição das riquezas ?
    Qual será a equidade da RESPONSABILIDADE SOCIAL ?

Comentários encerrados.

Top