Porque implantar sistemas de gestão ambiental, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] Já diz a sabedoria popular que “tragédia é algo ruim acontecendo comigo ou com minha empresa e comédia é a mesma coisa acontecendo com meu concorrente”.

A plena compreensão desta máxima simples talvez situe com melhor precisão do que todos os textos, quais os conceitos que são desenvolvidos para Diagnóstico Ambiental e para a introdução no Gerenciamento Ambiental.

O diagnóstico ambiental não é uma tentativa simplória de evitar tragédias. Mas é um levantamento sistemático e permanente de todas as situações que envolvem o gerenciamento ambiental da empresa, para que em momento algum possam ocorrer incidentes ou ocorrências surpreendentes que não estejam dentro do planejamento sistematizado das operações.

Ocorrências que venham a causar impactos ambientais e danos, muitas vezes irreversíveis, à saúde financeira ou à imagem institucional da empresa, que são duas faces da mesma moeda. Muitas vezes não é uma multa de um órgão ambiental que causa os problemas maiores de caixa, pois a redução nas vendas de um produto, causada por um arranhão na imagem, pode ser financeiramente mais danosa.

O Gerenciamento Ambiental é o conjunto de procedimentos e normas para gestão das questões legais, éticas e práticas das relações com os meios físico, biológico e antrópico que constituem o meio-ambiente.

A questão do Diagnóstico Ambiental e da própria Gestão Ambiental são muitas vezes interpretados como componentes da qualidade e integrantes da esfera das preocupações com a Segurança do Trabalho no âmbito mais geral do risco generalizado.

Esta interpretação é correta. Mas a questão que tem vínculos com a qualidade e com a segurança do trabalho transcende a estes setores e tem dimensão própria. A questão da avaliação do desempenho ambiental é inerente e se integra nos próprios conceitos de missão das organizações e talvez possa ser mais associado com a responsabilidade social do que com a simples questão da qualidade.

Independentemente das definições mais corretas ou mais abrangentes ou holísticas que as organizações tenham para as definições de meio-ambiente, o certo é que não é mais possível que a improvisação e a imaginação resolvam os paradigmas novos que cada vez mais se impõem.

Implantar sistemas de gestão ambiental não é obrigatoriamente implantar normatização de ISO (International Standartization Normatization). Pode ser um sistema certificado ou não, basta que um empreendedor perceba como relevante para seu empreendimento um sistema de gestão ambiental e construa, redija e implanta o mesmo de forma autônoma.

Certificação é necessária apenas quando da exigência de clientes ou eventualmente de fornecedores, isto porque certificar segundo a ISO sempre é mais oneroso do que a simples construção e implantação de um sistema autônomo.

Todas as operações industriais, comerciais e de serviços, não podem ficar aguardando que a proteção do destino suplante a falta de respostas conceituais aos problemas práticos do cotidiano.

São necessárias conceituações relevantes e realistas, políticas coerentes, estruturas adequadas, planejamento consistente e monitoramento permanente das ações executivas.

Pois a questão do meio ambiente, assim como a responsabilidade social, a segurança do trabalho e as políticas de qualidade vieram para ficar e são investimentos com retorno certo e mensurável, no tempo, no espaço e na consciência de todos nós.

O aprimoramento constante representa uma grande evolução da humanidade em direção à melhoria da qualidade de vida e na busca do desenvolvimento sustentável, em clima de harmonia e cooperação.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

EcoDebate, 28/03/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

4 comentários em “Porque implantar sistemas de gestão ambiental, artigo de Roberto Naime

  1. Muito boa a análise! Sou formado em Direito e gosto muito da área ambiental, sobre tudo licenciamento e gestão ambiental.
    No momento, à procura de uma boa Especialização ou Mestrado para me dedicar mais na área.
    Abraço!

  2. Sou bacharel em Economia, mestre em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ, membro da ITCP/UFSJ, Secretário Executivo do Fórum de Economia Popular Solidária – Regional Campo das Vertentes, membro do Fórum Mineiro de Economia Popular Solidária, coordenador das atividades de Economia Popular Solidária na Prefeitura do Município de São João del-Rei e professor de Economia no IPTAN – São João del-Rei – MG. Escrevo artigos de opinião, enfocando a questão da sustentabilidade social. Gostaria de enviar um texto para publicação neste boletim. Como faço?

  3. Há uma questão preliminar, desde o título. “Por que” é diferente de “Porque”, nem é necessário recorrer à teoria gramatical, bastam os exemplos. Porque são coisas diferentes, não posso escrever “porque” numa afirmação a não ser que diga o porquê: “Porque implantar sistemas de gestão ambiental, respondo, é o caminho”, subentendida a pergunta (e a afirmação) “Por que implantar sistemas de gestão ambiental?”.

    Talvez, só talvez, fosse eu a escrever diria “A questão da avaliação do desempenho ambiental é inerente aos próprios conceitos de missão das organizações, aos quais se integra, e, talvez, possa ser mais associado com a responsabilidade social do que com a simples questão da qualidade”.

    Picuinhas? Talvez. Mas a falta de domínio (não que eu o tenha tanto assim) da língua pátria compromete a credibilidade. Submeter textos a um revisor seria uma heresia?

  4. Afora a eventual picuinha, quanto à questão de fundo, é, sim, o caso de concordar com Naime, especialmente na assertividade francamente exposta: “Pois a questão do meio ambiente, assim como a responsabilidade social, a segurança do trabalho e as políticas de qualidade vieram para ficar e são investimentos com retorno certo e mensurável, no tempo, no espaço e na consciência de todos nós.” Especialmente na conscência.

Comentários encerrados.

Top