Brasil consegue apoio de 120 países para coibir comércio de animais em extinção

 

Carcharhinus longimanus
Foto: Carcharhinus longimanus. Fonte: Florida Museum of Natural History

 

Depois de uma batalha que durou dez dias, o Brasil conseguiu uma vitória internacional histórica, com a adesão de mais de 120 países à proposta de maior controle sobre o comércio internacional de três espécies de tubarão – martelo (hammerheads), galha-branca (oceanic whitetip) e lamna nasus (porbeagle), além das raias-jamanta (manta rays). Os animais foram incluídos no Anexo 2 da16ª Conferência da Convenção sobre Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites), que terminou ontem (14), em Bangcoc, na Tailândia.

Com a inclusão dessas espécies na lista de alerta da convenção, a delegação brasileira, formada por dez integrantes do governo ligados à área ambiental e de relações internacionais e especialistas de universidades, conquistou um dos acordos ambientais mais importantes da conferência.

“Os aspectos de conservação e de uso sustentável de tubarões e raias no nível internacional nessa Conferência das Partes é imensurável. Para as espécies que propusemos, independentemente de qualquer medida de conservação a nível nacional, estar no Anexo 2 da Cites é absolutamente essencial, porque a maior ameaça é a pressão de pesca para produtos desses animais no comércio internacional, como o caso dos elefantes”, explicou a analista ambiental, Monica Brick Peres, gerente de Biodiversidade Aquática e Recursos Pesqueiros (GBA) da Secretaria de Biodiversidade e Floresta do Ministério do Meio Ambiente.

Monica coordenou a elaboração das propostas no evento que reuniu, desde o último dia 4, delegações de mais de 170 nações que se debruçaram sobre o futuro de espécies ameaçadas ou sob risco de extinção.

No Brasil, o governo publicou ontem uma instrução normativa http://www.ecodebate.com.br/cbZ que proíbe a pesca direcionada, o armazenamento, o transporte e a comercialização do tubarão galha-branca, conhecida cientificamente como Carcharhinus longimanus.

Edição: Denise Griesinger

Reportagem de Carolina Gonçalves, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 15/03/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Brasil consegue apoio de 120 países para coibir comércio de animais em extinção

  1. Estamos caminhando no sentido oposto da sustentabilidade estimulando a pesca (mar e rio) sem introduzir o instituto da cota, tanto para a pesca industrial, como para a profissional e amadora. Além do que, a proibição deveria atingir todas as espécies de tubarões e arraias.

  2. Finalmente 170 (cento e setenta) países despertaram para a crítica situação dos oceanos. Do equilíbrio da fauna e flora marinha, depende a sobrevivência de muitos.

Comentários encerrados.

Top