União Europeia proíbe venda de cosméticos testados em animais

 

União Europeia proíbe venda de cosméticos testados em animais

 

Ativistas dos animais comemoram última fase da interdição da venda na UE de cosméticos testados em cobaias. Comissário: substituição por métodos alternativos não é possível. Decisão do Parlamento Europeu data de 2003.

A partir desta segunda-feira (11/03) não será mais permitida a comercialização na União Europeia de cosméticos que tenham sido testados em animais. A regra se aplica não apenas aos produtos fabricados no continente, mas também aos importados, e marca a última etapa da proibição gradual dos testes de ingredientes cosméticos em animais.

As restrições foram aprovadas pelo Parlamento Europeu em 2003 e começaram a entrar em efeito no ano seguinte, com a proibição de testes de cosméticos prontos em cobaias. Desde 2009 a comercialização de produtos assim testados está proibida, mas ainda era possível importá-los de outras partes do mundo. Agora a interdição vale também para cosméticos vindos de países não-europeus.

Parlamento Europeu aprovou proibição dos testes em 2003

 

A Associação Alemã de Proteção aos Animais comemorou a medida. “A indústria teve tempo suficiente para buscar métodos alternativos de testar seus produtos, antes de comercializá-los”, afirmou a vice-presidente da associação, Brigitte Rusche. Assim sendo, “era apenas lógico que a comercialização desses produtos chegasse ao fim”. Sua organização vem lutando desde os anos 70 para erradicar os testes em animais da produção de cosméticos.

Exemplo europeu para o mundo

O diretor do grupo europeu de defesa dos animais Eurogroup for Animals, Reineke Hameleers, descreveu a proibição como “um sucesso”. Ele considera, no entanto, que o trabalho não está ainda terminado, e conclama outros países como os Estados Unidos e a China a seguirem o exemplo da UE. Além disso, a Comissão Européia e a indústria devem continuar a investir na busca por alternativas aos testes de animais, ressalta Hameleers.

Tonio Borg, comissário europeu para Saúde e Defesa do Consumidor, explica que a comissão “se compromete a seguir apoiando o desenvolvimento de métodos de teste alternativos, e insta os demais países a adotar o nosso modelo europeu”. Borg afirma que a UE continuará a buscar alternativas, “pois até o momento ainda não é possível a total substituição dos testes em animais por métodos alternativos”.

RC/dpa/afp
Revisão: Augusto Valente

Matéria da Agência Deutsche Welle, DW, publicada pelo EcoDebate, 13/03/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “União Europeia proíbe venda de cosméticos testados em animais

  1. Ótima a decisão da UE quanto aos cosméticos. Será que a UE irá exigir que os testes dos efeitos dos agrotóxicos em animais sejam realizados em humanos antes de serem aprovados para formulação, comercialização e utilização? O que está acontecendo com produtos alimentares recheados de resíduos tóxicos provindos dos agrotóxicos utilizados nos plantios de soja, milho, cana de açucar, algodão, pastos, café, laranja, hortaliças e frutas, etc. que foram aprovados por não serem prejudiciais nos testes em animais, comprova que para os humanos não é a mesma coisa, especialmente quando há acumulação de resíduos tóxicos de vários produtos químicos. Não estaria na hora de acabar com estes venenos químicos que estão espalhando doenças em todo canto deste planeta? Padre Angelo Pansa- Delegado ICEF (International Court of the Environment Foundation)

Comentários encerrados.

Top