Suzano está em processo de encerramento de produção no Baixo Parnaíba, por Wilson Leite

 

eucalipto

 

[Territórios Livres do Baixo Parnaíba] Com o aumento de negócios nos últimos dez anos da empresa Suzano Papel e Celulose que explora diretamente ou através de terceirizadas o plantio e extração e beneficiamento do Eucalipto (inclusive para produção de carvão) muito tem se discutido sobre os impactos ambientais sobre a plantação dessa monocultura no território maranhense.

Essa empresa em suas audiências públicas – verdadeira peça teatral para passar a idéia de uma empresa ecológica – usa os argumentos de geração de emprego, capacitação e assistência à comunidades tradicionais, reflorestamento e outra balelas que são aceitas pelos governos municipais e estadual, aliás, elas só se instalam tendo muitas concessões de impostos e tributos.

Acabamos de receber a informação que na região do Baixo Parnaíba a ordem é encerrar suas atividades ou no mínimo investimento zero. Qual seria agora o discurso da empresa após ter devastado várias áreas de cerrado – bacuri, pequi, babaçu etc -, ter usado o cultivo de uma planta que não é nativa durante vários anos além dos defensivos – venenos – e agora, a demissão dos postos de trabalho de quem deixou a vida de pequeno produtor rural para ser operário da empresa?

Podemos citar várias justificativas para a retirada da empresa da região, uma mais recente é o fato da empresa estar sentindo o impacto da crise internacional – grande parte de sua produção vai para o exterior -, ou pelo fato da necessidade do capital de estar se movimentando geograficamente em busca de condições de produção e mão de obra mais barata e ainda do fato de que há inúmeros litígios referentes a não comprovação legal pela empresa da posse das terras que vem numa briga com movimentos tradicionais – inclusive quilombolas: Bom Sucesso e Mata Roma -, em nossa analise, a retirada dos negocias dessa região é a soma de todos esses e, uma vitória para os movimentos sociais que brigam pelo direito dos posseiros, quilombolas e ambientalistas.

O processo de acumulação de capital no modo de produção capitalista é mais previsível do que parece, seu discurso de redentor econômico cai por terra nesses momentos. Na ânsia de explorar e explorar (homens e meio ambiente) para lucrar se mostra como um mal necessário ao se implantarem num município, quando vem a crise pra eles é fácil abandonar o município, lançar os trabalhadores no desemprego e deixar o rastro de degradação ambiental dificultando a retomada de uma nova atividade na terra.

Artigo de Wilson Leite, originalmente publicado no blogue Territórios Livres do Baixo Parnaíba e enviado por Mayron Régis, Jornalista e Assessor do Fórum Carajás, com atuação no Programa Territórios Livres do Baixo Parnaíba (Fórum Carajás, SMDH, CCN e FDBPM)

EcoDebate, 20/02/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Suzano está em processo de encerramento de produção no Baixo Parnaíba, por Wilson Leite

  1. a suzano quer se livrar do problemão que se tornou o baixo parnaiba só que se livrar quer dizer vender ou arrendar. o último é mais provável já que ela não tem a documentação da área. Em 2006 ela ia arrendar para a margusa e não vender.

  2. caro, Wilson Leite

    concordo plenamente com você, acabaram com Januária em minas, com essa planta que é uma bomba de sugar água, exportam nossa água que é escassa no mundo.

    perdoe-me mas posseiro está grafado impropriamente.

    Darcy,

    Agradecemos pelo alerta que nos permitiu corrigir a grafia incorreta, que ‘escapou’ de nossa revisão.

    Um abraço da redação do EcoDebate

Comentários encerrados.

Top