Pense, reflita e diga não a energia nuclear, artigo de Heitor Scalambrini Costa

 

radiação

 

[EcoDebate] As decisões tomadas pelos governos da França, Alemanha, Japão, Bélgica, Itália, entre outros, de reverem seus programas de instalação de novas usinas nucleares, e desativarem as existentes, são mais do que um indicativo que esta fonte de energia perdeu espaço considerável no século XXI. Por trás (e a frente) das decisões governamentais, está a pressão popular. A conscientização sobre os reais riscos desta tecnologia tem levado milhares de pessoas a se manifestarem publicamente contrárias ao uso da energia nuclear. Dificilmente por vontade de novos governos haverá mudanças na política não nuclear destes países. Nem mesmo no Japão, onde o atual primeiro ministro tem insinuado que não só reativará as 50 usinas fechadas pós Fukushima, mas construirá novas centrais núcleo-elétricas. A razão é simples a população não quer conviver com o perigo constante de uma catástrofe nuclear.

A China, utilizada como exemplo na rota pró-nuclear, não deve ser imitada. Suas situação política, social e ambiental, não serve como exemplo. O país que é o mais populoso do mundo (mais de 1,3 bilhões de habitantes), tolhe a liberdade de expressão e impede pela força, a participação popular. Por outro lado, os Estados Unidos da América, citado como exemplo de modelo nuclear, vive um grande dilema com relação a sua economia, a seu modo de vida, e as suas posições nos fóruns internacionais referentes às mudanças climáticas. As contradições são enormes, em um país que já foi à locomotiva do mundo ocidental capitalista. Hoje, ao mesmo tempo, propõe a produção e a utilização do gás do xisto betuminoso (verdadeiro crime ambiental), acena para o fortalecimento de políticas na área de energias renováveis.

O Brasil é que deveria servir de exemplo e modelo para outros paises na área energética. Com recursos naturais abundantes como o Sol, o vento, as águas, a biomassa, deveríamos estar à frente e propor novos caminhos para sociedade mundial, na utilização destes recursos, de maneira eficiente, sem desperdício, e sem impacto ambiental e agressão social, levando em conta para que e para quem os recursos energéticos são destinados. Complementando a rede elétrica nacional com geração de energia descentralizada, substituindo os chuveiros elétricos, a iluminação e motores ineficientes, por novas tecnologias disponíveis. Enfim priorizando o uso das novas fontes renováveis e políticas de conservação.

Mas infelizmente, estamos andando para trás, no que concerne a matriz elétrica. Cada vez mais se instalam termelétricas a combustíveis fósseis, menosprezando os recursos naturais disponíveis. O planejamento tecnocrático indica o aumento das termelétricas nos próximos anos, desenhando para o futuro uma matriz hidro-térmica. Verdadeiro crime lesa-pátria que está sendo cometido com as gerações futuras, e com o planeta, ao desprezar as novas fontes renováveis.

Ainda, o que chama a atenção, são as posições dos eternos lobistas da energia nuclear, uns mais belicistas que outros. Aquele mesmo, ex-ministro de Ciência e Tecnologia, que defendeu e defende que o país se insira no “clube da bomba”, volta nestes tempos de crise elétrica, a propor que a energia nuclear seja “tratada com mais carinho” pelo governo federal. Empregados ilustres da Eletronuclear utilizam velhos argumentos, os mesmos que respaldaram a assinatura do acordo Brasil-Alemanha em plena ditadura militar. Defendem que o Brasil necessita da energia nuclear para atender as necessidades elétricas de agora e futura, daí não pode abrir mão, nem de suas reservas de urânio (para os negócios), e nem da construção de novos reatores nucleares. Propõem não só Angra III em construção, e mais 4 outras usinas até 2030, sendo dois destes complexos nucleares no Nordeste brasileiro, ao lado do Rio São Francisco. Verdadeiro descalabro ao povo sertanejo.

No próximo mês, no dia 11 de março, lembraremos 2 anos da catástrofe de Fukushima. Não se pode esquecer a gravidade, e as repercussões para a vida de tal acidente, que esta sendo abafado pelas agências de notícia. A população brasileira não se deixará enganar, e mais uma vez continuará afirmando “Não queremos energia nuclear, nem em Pernambuco, nem no Nordeste, e nem no Brasil”.

Heitor Scalambrini Costa, Articulista do Portal EcoDebate, é Professor da Universidade Federal de Pernambuco

EcoDebate, 04/02/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

2 comentários em “Pense, reflita e diga não a energia nuclear, artigo de Heitor Scalambrini Costa

  1. Prezado Professor Heitor,

    Não ficou muito claro seu argumento em relação às térmicas convencionais (carvão, gás natural, óleo diesel/combustível). Está claro com a crise dos reservatórios, que o SIN não tem e nem terá mais a capacidade regulatória dos grandes reservatórios, pois as novas usinas de grande potência em construção (Santo Antônio, Jirau e Belo Monte) e planejadas (Teles Pires e outras) são usinas a fio d’água, para se evitar a inundação de grandes áreas na Bacia do Rio Amazonas, região sensível do ponto de vista ambiental. Hora, o complemento natural do sistema elétrico são as térmicas, de modo a equilibrar o regime hidrológico – se as térmicas não devem ser construídas por serem poluentes, restam a nucleares, que não emitem CO2 e não inundam grandes áreas. Ai está a grande dicotomia – para um crescimento da carga de demanda acima de 4% ao ano como estamos verificando na realidade, não há como gerar grandes blocos de energia do porte requerido sem novas térmicas – fica a pergunta: térmicas convencionais (poluentes, caras e deficientes de logística de abastecimento de combustível a médio prazo) ou nucleares, aproveitando nossas grandes reservas de urânio? Informo que que o parque nucleoelétrico brasileiro corresponde a uma área inundada evitada média de 2028 Km2 (metade do lago da usina de Sobradinho) – isto é pouco?

    Quanto a Japão e China, coloquemo-nos no lugar destes governos – o Japão só tem como alternativa importar mais GLP e a China queimar mais e mais carvão.

    Onde fica a racionalidade, sem paixões?? Afinal o Brasil se apressou em se comprometer a reduzir até 36% das emissões dos gases do aquecimento global até 2020 – como fica isto com mais área de matas inundadas e mais termelétricas utilizando combustíveis fósseis – como compatibilizar isto racionalmente dentro de uma matriz energética realista?

    Obrigado pela atenção.

  2. Só tem um jeito para o atual momento do mundo.
    Barrar o crescimento populacional e sair deste modelo de fluxo de bens baseado na economia de crescimento constante.
    Infelizmente é isso!
    Não há alternativas energéticas melhores ou piores, simplesmente porque já passamos do ponto em que esta discussão era possível ou prioritária.

Comentários encerrados.

Top