Polícia Federal desarticula quadrilha que traficava animais silvestres para usa-los em ‘rinhas’

 

A Polícia Federal (PF) desarticulou quadrilhas que traficavam aves silvestres e exóticas. Deflagrada ontem (2), a Operação Estalo cumpre 62 mandados judiciais em Pernambuco, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, no Ceará, Amazonas, em Santa Catarina, Roraima e no Distrito Federal. Mais de 12 mil aves contrabandeadas pelas quadrilhas foram apreendidas em rodovias e aeroportos do país.

As investigações foram iniciadas há mais de um ano, após a constatação de que aves vindas do Equador, Peru e da Venezuela estavam sendo contrabandeadas por criadores de canários. De acordo com a PF, esses criadores obtiveram “grandes quantias em dinheiro nas chamadas rinhas”.

Adquiridas nesses países por cerca de R$ 12, as aves eram vendidas no mercado clandestino brasileiro por preços a partir de R$ 130. Nas rinhas, os pássaros eram avaliados de acordo com a habilidade apresentada. Alguns chegavam a valer R$ 100 mil. As apostas chegavam a R$ 50 mil.

A PF informou, em nota, que, como estratégia para promover uma “pseudolegalização” ou “lavagem” do animal, documentos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) eram falsificados ou adulterados e que boletins de ocorrência policial eram usados para justificar a comercialização irregular das aves.

Pelo menos oito dos envolvidos tinham cadastro no Ibama. Alguns chegaram a ser multados pelo órgão, em valores superiores a R$ 30 milhões, por irregularidades como transporte clandestino, comércio ilícito e manutenção em cativeiro. Um policial civil facilitava a entrada das aves no país.

Na lista de crimes cometidos pelos envolvidos estão corrupção ativa, contrabando, receptação, formação de quadrilha, falsificação de selo público, inserção de dados falsos em sistema de informações, além de inúmeros crimes ambientais, cujas penas, somadas, podem chegar a 50 anos de reclusão.

Reportagem de Pedro Peduzzi, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 03/04/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top