SINIR – Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos, artigo de Antonio Silvio Hendges

 

[EcoDebate] O Plano Nacional de Resíduos Sólidos faz uma avaliação bastante breve das perspectivas de implantação do Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos – SINIR que deve ser implantado até dezembro/2012 para disponibilizar estatísticas e indicadores, coletar e sistematizar dados e informações sobre os serviços públicos e privados de gestão e gerenciamento de resíduos, caracterizar as demandas e ofertas de serviços necessários, avaliar as metas, resultados e impactos dos planos e ações de gerenciamento e das atividades de logística reversa, disseminando informações úteis à sociedade sobre a situação e as atividades realizadas para a implantação e fortalecimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010 e Decreto 7.404/2010).

O SINIR deve ser formado por diversos sistemas de informações que estão previstos no Decreto 7.404/2010, artigo 72. A maior dificuldade certamente está na articulação dos dados e informações que são heterogêneos e diferenciados, principalmente entre Sistema Nacional de Informações sobre Meio Ambiente – SINIMA, Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos – SNIRH e o Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Básico – SINISA que são indispensáveis à coleta, qualidade e exatidão dos dados. É necessário padronizar os sistemas para que as informações dos diversos níveis (municípios, estados, órgãos federais) e sistemas possam ser integrados.

O Plano Nacional de Resíduos Sólidos destaca que os indicadores já propostos pelo SINISA e que devem fazer parte do SINIR são principalmente os que traduzem a eficiência das gestões municipais. Também são necessários indicadores que podem ser agrupados em função dos objetivos e metas como a) dados sobre a produção real de resíduos em relação aos agentes de coleta e tratamento; b) dados sobre a projeção do volume de resíduos com base em indicadores econômicos e demográficos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE; c) instrumentos econômicos; d) metas e cenários; e) eficiência da logística reversa; f) custos financeiros dos sistemas de gestão; g) receitas financeiras da valorização; h) penalidades; i) prevenção dos gases de efeito estufa – GEE.

Todas as informações disponíveis no SINIR (observando-se os sigilos comerciais, industriais e financeiros), estudos, relatórios, dados, inventários e instrumentos referentes à regulação e fiscalização dos serviços de gestão de resíduos sólidos, os direitos e deveres dos usuários e operadores serão disponibilizados na rede mundial de computadores para livre acesso.

Antonio Silvio Hendges, Articulista do Portal EcoDebate, é Professor de Biologia; Agente Educacional; assessoria em resíduos sólidos, educação ambiental e tendências ambientais. Email: as.hendges@gmail.com

EcoDebate, 19/03/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

2 comentários em “SINIR – Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão de Resíduos Sólidos, artigo de Antonio Silvio Hendges

  1. Bom dia ECO-DEBATE quer saber a avaliação preliminar feita por min. mesmo sobre a política de resíduos sólidos no Brasil? O caminho para mais um desastre com o meio ambiente.
    O sertão da Paraíba Prefeitos comemora a farra para enganarem a população com, estação de tratamento de esgotos dentro dos córregos e próximos dos rios, aterros sanitários próximos dos riachos rios e açudes, é assim agora usam o titulo da sustentabilidade para botarem a mão no dinheiro e mais uma vez enganarem o povo com obras sem responsabilidade social. A Cidade de Piancó no sertão da Paraíba começou a construção de um aterro sanitário as margens de um riacho e, a 800m da bacia hidráulica do açude Estevão Marinho “Coremas” que é o maior açude do Estado. A ONG, S.O.S RIO PIANCÓ, denunciou o caso a o IBAMA-PB e a SUDEMA-PB, a aproximadamente 10 meses e ainda não obtivemos resposta dos Órgãos.

    Uma coisa é certa: A questão ambiental no Brasil deve cada vez mais ser debatida e solucionada a partir dos poderes constituídos, fundamentalmente do Congresso Nacional e da Presidência da República, como estímulo de conscientização para toda a nação.

Comentários encerrados.

Top