Paralela à Rio+20, Cúpula dos Povos vai debater causas estruturais da crise ambiental

 

Causas estruturais da crise ambiental, falsas soluções, a economia verde e as propostas vindas dos povos do mundo inteiro constituem os principais debates da Cúpula dos Povos, que ocorrerá no Rio de Janeiro, paralelamente à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

Atividades autogestionadas, isto é, livres, marcarão os dias 15 e 16 de junho, precedendo a marcha que abrirá oficialmente, no dia 17, os trabalhos da Cúpula dos Povos.

Nos dias 18 e 19 de manhã, continuarão sendo realizadas atividades autogestionadas. À tarde, o Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20 vai realizar a Assembleia Permanente dos Povos, onde serão discutidos temas como as causas estruturais da crise ambiental e ecológica e as soluções indicadas pelas Nações Unidas (ONU) para resolver o problema, entre elas a economia verde.

O diretor da Associação Brasileira das Organizações Não Governamentais (Abong), Ivo Lesbaupin, disse que tanto a economia verde quanto os créditos de carbono são soluções que “não mexem no fundamental”. Ou seja, não alteram o modelo de produção e de consumo atual. Para ele, o programa da ONU sobre economia verde inclui uma série de propostas interessantes, mas que não mexem no essencial. A Abong faz parte do grupo de articulação do Comitê Facilitador da Sociedade Civil para a Rio+20.

Um exemplo são os combustíveis fósseis na matriz energética. Outro é a questão da mudança do modelo produtivo e consumista, “a causa principal da destruição da natureza”. De acordo com Lesbaupin, a ONU considera que existe um desperdício de certos serviços ambientais que a natureza presta pelo fato de eles não terem preço. A Abong discorda e diz que esse é um caminho para a mercantilização e consequente privatização desses serviços.

As ONGs prometem apresentar na assembleia projetos para resolver os problemas na área ecológica. “A ideia é fazer a proposta de uma nova forma de organização econômica, de produção, e continuar vivendo em uma relação harmoniosa com os bens naturais”.

Serão apresentadas experiências práticas de todo o mundo. Entre elas, o diretor da Abong destacou a economia solidária. Outras são a agroecologia e a produção de alimentos orgânicos, que vêm sendo feitas no Brasil e em outros países sem o uso de agrotóxicos, que mostram que “é produtiva essa atividade, atende às necessidades das populações do entorno e garante alimentos saudáveis”.

A Assembleia Permanente dos Povos voltará a ocorrer no dia 21 de junho, quando será definida uma programação de lutas e atividades que deverão ter continuidade após a Cúpula dos Povos.

O dia 20 será o de Mobilização Global. Nessa data, estão previstas manifestações no Rio de Janeiro e em várias cidades do mundo em torno de projetos que ataquem as causas estruturais da crise, combatam a mercantilização da natureza e defendam os bens comuns.

Lesbaupin insistiu que os povos querem uma mudança radical nos modelos de produção e de consumo. “Não se pode mais produzir ilimitadamente, que é a perspectiva atual, porque alguns desses bens não são renováveis e são finitos, como o petróleo”. Ele lembrou também o caso da água doce, cuja utilização vem sendo feita em quantidade excessiva, impedindo a capacidade de regeneração desse bem. O diretor disse que o Brasil, que detém 13,7% da água doce do mundo, parece não se preocupar muito com o problema. .

Outra questão é que 70% da água doce estão sendo usados para a irrigação. Segundo o diretor da Abong, é preciso rever o modelo e escolher técnicas de irrigação relacionadas às necessidades das populações, para poupar esse bem.

A Cúpula dos Povos será encerrada um dia após a conferência oficial Rio+20, que se estenderá de 20 a 22 de junho. No dia 23, a cúpula pretende apresentar uma declaração final, com propostas consensuais no que se refere às soluções, “a partir de uma construção coletiva que está sendo feita”.

Reportagem de Alana Gandra, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 14/03/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Um comentário em “Paralela à Rio+20, Cúpula dos Povos vai debater causas estruturais da crise ambiental

  1. Prezados

    A RIO+20 será, exatamente,  algo como prognosticado na capa da  Revista Planeta do mês de março de 2012, onde se lê, RIO+20, O BONDE DA UTOPIA.

    Além de não ir a lugar algum, o resultado será como  descrito abaixo.  Teremos uma reunião de pessoas que não sabem a história da Terra, ou seja, como se comportou, entre outras coisas,  a evolução da sua atmosfera, logo após a consolidação da crosta terrestre.

    Já imaginaram um cego querendo ajudar outro cego para atravessar uma rua. É fácil imaginar o resultado desta cena, simplesmente, um  ATROPELAMENTO.

    Ou seja, a RIO+20 será um desastre total que só será evitado quando o assunto for discutido por pessoas que sabem a história da Terra com princípio, meio, fim e sem contradições.

    Como, infelizmente,  só há 5 pessoas que sabem a história da Terra e essas pessoas, apesar de manifestarem o desejo de participar da RIO+20, tiveram o seu pedido rejeitado, elas não estarão presentes à reunião. Assim sendo,  o resultado será o prognosticado acima, um DESASTRE TOTAL.

    Os assuntos serão discutidos via emoção e não via razão de modo que as propostas irão atender mais aos interesses de cada país do que a solução técnica do problema e onde a única e maior vítima será a população desta linda e incompreendida BOLA uma vez que os organizadores não conseguirão fazer, À LUZ DOS PARADIGMAS ATUAIS, um harmonioso casamento entre energia e meio ambiente de onde resultariam dois lindos filhos, a saber:

    DESENVOLVIMENTO E PAZ ETERNA.

    “E PUR SI MUOVE”, como disse Galileo

    Vicente Lassandro Neto

    GEÓLOGO, ECOLOGISTA e Engenheiro em Petróleo.

    Esclarecimento adicionais podem ser solicitados via o e mail abaixo

    vilante@terra.com.br
    ou
    vilante@petrobras.com.br

Comentários encerrados.

Top