Ricos e Pobres, artigo de Efraim Rodrigues

 

[EcoDebate] Em outubro passado esta coluna publicou um artigo comparando o problema ambiental causado por 7 bilhões de pessoas com aquele causado pelos 7% mais ricos do planeta. A conclusão foi que estes 500 milhões de pessoas emitem tanto carbono quanto os outros 93%. Veja os detalhes

Nesta semana o periódico PNAS publicou artigo que elabora um pouco mais esta idéia. É uma síntese de sete experimentos relacionando ética com classe social em variadas situações como trânsito, trabalho remoto ou troco errado na lanchonete. A conclusão geral, que poderia  ser também um título mais apelativo do trabalho, é que ricos são gananciosos. Nestas variadas condições os mais ricos tenderam a mais vezes ficar com o troco errado ou de outras formas aproveitar-se de uma situação.

Dependendo de sua inclinação política e também de sua classe social, você pode ou achar este trabalho uma maravilha, uma decorrência dos 99% que ocuparam cidades de todo o mundo, ou pode querer discutir minúcias estatísticas dos testes – de fato, um dos experimentos tem somente cinco repetições.

Este trabalho tem ligações importantes com o ambiente. A soma de pequenas (e também algumas grandes) vantagens individuais degradou nosso ambiente ao nível atual. Muitos de nós cometem delitos ambientais cotidianos, como não separar o lixo ou jogar tocos de cigarro pela janela do carro. É importante conhecer o perfil destas pessoas para conseguirmos reduzir isto. Estas pessoas são motivadas por um senso de “tenho assuntos mais importantes para pensar”, “uma pessoa não faz diferença”, “os garis precisam de trabalho” ou alguma outra ? Saber quem são e o que pensam os delinqüentes ambientais irá ajudar a resolver o problema quando realmente quisermos fazê-lo.

Falando em publicações e em ricos X pobres, meus colegas pesquisadores afinal resolveram rebelar-se contra grandes editoras que por décadas se serviram de nós para redigir artigos, editá-los e revisá-los sem remuneração, para na outra ponta cobrar taxas abusivas pelo acesso a estes mesmos artigos. Já estive na situação, quando a CAPES ainda não gastava milhões para nos dar acesso a estas revistas, de revisar artigos e não ter acesso à versão final. A situação é ainda pior se lembrarmos que quase toda pesquisa é feita com dinheiro do governo, tanto no Brasil quanto nos países sede destas editoras. Resumindo, as pessoas pagam pela pesquisa mas não têm acesso aos resultados.

Uma das soluções você pode conferir neste mesmo periódico PNAS deste artigo. Como é gerido sem fins lucrativos, ele cobra tarifas muito mais baixas. Seu colega PLOS, gerido por uma ONG vai mais longe e tem acesso totalmente aberto. Ambos têm grande reputação no meio ambiental e cientifico em geral.

No caso destas grandes editoras, não é necessário nem experimento nem discussão para perceber que são ricas e anti éticas. Seu modelo de negócio está em flagrante contradição com a missão colocada por elas mesmas e seu lucro é obtido às custas de trabalho obtido sob coação de professores e pesquisadores .

De toda forma, pense direito da próxima vez que você tiver a oportunidade de ficar com um troco errado ou jogar um papelzinho na rua. Este artigo de Paul Piff pode ter dado a idéia para algum brasileiro repetir os experimentos dele por aqui.

Efraim Rodrigues, Ph.D. (efraim@efraim.com.br), colunista do Portal EcoDebate, é Doutor pela Universidade de Harvard, Professor Associado de Recursos Naturais da Universidade Estadual de Londrina, consultor do programa FODEPAL da FAO-ONU, autor dos livros Biologia da Conservação e Histórias Impublicáveis sobre trabalhos acadêmicos e seus autores. Também ajuda escolas do Vale do Paraíba-SP, Brasília-DF, Curitiba e Londrina-PR a transformar lixo de cozinha em adubo orgânico e a coletar água da chuva. É professor visitante da UFPR, PUC-PR, UNEB – Paulo Afonso e Duke – EUA
http://ambienteporinteiro-efraim.blogspot.com/

EcoDebate, 12/03/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top