PGR questiona no STF alteração de unidades de conservação na Amazônia

 

De acordo com a ação direta de inconstitucionalidade, eventual redefinição de limites deve ser tratada no âmbito do licenciamento ambiental

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, propôs ao Supremo Tribunal Federal (STF) ação direta de inconstitucionalidade com pedido de liminar contra a Medida Provisória nº 558/2012. A norma dispõe sobre alterações em parques e florestas nacionais, além de uma área de proteção ambiental. O objetivo da ação é proteger a integridade do Bioma Amazônia.

O conteúdo da MP é idêntico, em larga escala, ao da MP nº 542/2011, que também foi objeto de ação direta de inconstitucionalidade do procurador-geral. No entanto, antes de a ação ser julgada, a medida provisória perdeu a eficácia por não ter sido apreciada pelo Congresso Nacional no prazo constitucional.

A atual MP, bem como a antiga, dispõem sobre os limites dos Parques Nacionais da Amazônia e dos Campos Amazônicos e Mapinguari. A principal diferença está no fato de que a vigente, em acréscimo, reduz os limites das Florestas Nacionais de Itaituba I, Itaituba II e do Crepori e da Área de Proteção Ambiental do Tapajós.

Exigência de lei – Na ação, Roberto Gurgel destaca que todas as unidades de conservação alteradas são de extrema relevância para a preservação do Bioma Amazônia e que a norma questionada está repleta de inconstitucionalidades. Uma delas é o desrespeito à exigência de lei em sentido formal para a alteração e supressão de parques, florestas e áreas de proteção ambiental.

Quanto ao Parque Nacional dos Campos Amazônicos, as alterações compreendem a desafetação de duas áreas atualmente pertencentes ao parque devido à possibilidade de construção do Aproveitamento Hidrelétrico Tabajara, no Rio Machado.

O procurador-geral lembra que o processo de licenciamento do empreendimento foi suspenso em 2007 e nem mesmo foi contabilizado no Plano Decenal de Expansão de Energia 2020, divulgado em junho do ano passado. “Não faz sentido se desafetar área de um parque nacional sem que se saiba, ao certo, se ela será aquela em que se instalará o empreendimento proposto”, explica.

Já em relação à diminuição dos limites do Parque Nacional de Mapinguari, a justificativa da medida provisória é a necessidade de formação dos lagos das usinas hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, localizadas no Rio Madeira. No entanto, o licenciamento ambiental desses empreendimentos ainda não foi concluído. “Portanto, o impedimento legal para funcionamento dessas usinas nada tem a ver com as unidades de conservação, mas sim, com o fato de que o licenciamento ambiental não foi concluído”, argumenta o procurador-geral.

A mesma situação se aplica à pretensão de diminuir os limites do Parque Nacional da Amazônia e da Floresta Nacional de Itaituba I, Itaituba II e do Crepori e da Área de Proteção Ambiental do Tapajós. O objetivo da alteração é retirar a sobreposição das áreas dos reservatórios das Usinas Hidrelétricas de São Luiz do Tapajós e de Jatobá dos limites dessas áreas de conservação. No entanto, o processo de licenciamento ambiental da primeira usina está em fase inicial, enquanto a segunda usina sequer teve processo iniciado.

Desafetação – De acordo com a MP, devem ser desafetadas as áreas do Parque Nacional da Amazônia ocupadas por agricultores familiares, além da área do Parque Nacional dos Campos Amazônicos para atender a demanda social de regularização fundiária. Apesar de reconhecer a relevância da questão, Roberto Gurgel defende que não pode ser definida como urgente, pois demanda a análise qualificada e fundamentada das medidas a serem adotadas.

Fonte: Procuradoria Geral da República

EcoDebate, 10/02/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Um comentário em “PGR questiona no STF alteração de unidades de conservação na Amazônia

  1. Salvo engano, creio que o Procurador Geral da República equivocou-se ao mencionar que os Licenciamentos Ambientais dos empreendimentos Hidrelétricos de Santo Antonio e Jirau, no Rio Madeira, em Porto Velho/RO não foram concluídos. Considerando que as Usinas estão sendo edificadas, significa que as LP e LI foram concedidas e, no caso da Santo Antônio a LO já está em vias de ser liberada.

    De fato, as mitigações dos impactos ambientais não estão sendo executadas, assim como as compensações ambientais não estão sendo realizadas (a não ser o uso ilegal de cerca de sete milhões de reais para implantar o ICMBio).

    Creio que a PGR deve cobrar dos Conselhos envolvidos; do MME; do MMA e do IBAMA a definições de como e quando executar as Compensações Ambientais das UHEs Santo Antônio e Jirau e proceder a fiscalização quanto a estes compromissos, ainda pendentes, em prejuízo da população do Estado de Rondônia.

    Atenciosamente,
    Engº Florestal Joel Mauro Magahães.

Comentários encerrados.

Top