Mapas do Maranhão revelam pressão da nova fronteira agrícola sobre o cerrado e o potencial hídrico subterrâneo

 

O IBGE lançou os mapas de Vegetação, Geologia, Geomorfologia e Solos do Maranhão, da série de mapas temáticos de recursos naturais de todos os estados da Amazônia Legal. Em escala oficial de representação do estado de 1:1400.00 (cada centímetro no papel equivale a 14 km no território), os mapas foram elaborados a partir dos dados do Banco de Dados e Informações Ambientais do IBGE (BDIA), atualizados a partir de consultas bibliográficas, informações obtidas em trabalhos de campo e imagens de satélites até 2010. Os mapas retratam a forte pressão antrópica sobre o cerrado maranhense, que tem quase 25% de sua área ocupada por atividades agropecuárias, especialmente plantações de soja. E também o potencial hídrico subterrâneo do estado, que possui aquíferos cujo volume total de água armazenada é estimado em cerca de 17.500 km3. Os mapas, que podem ser visualizados no endereço ftp://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/tematico_estadual/, são parte do compromisso do IBGE de produzir informações sobre os recursos naturais de todo o Brasil até 2014. O lançamento dos Mapas Temáticos do Maranhão, bem como dos Mapas do Uso da Terra do Pará e de Sergipe, será hoje, às 9 horas, na Unidade estadual do IBGE no Pará (Av. Serzedelo Corrêa, 331/337, térreo – Nazaré – Belém).

O Mapa de Vegetação demonstra a pressão da nova fronteira agrícola brasileira sobre o Cerrado no centro e sul do Maranhão. No local, a atividade agropecuária (pastagens plantadas, lavouras) substituiu, com velocidade surpreendente e preocupante, quase 25% da área de Cerrado, passando de uma área de 74.288,57km2 de vegetação natural para os atuais 57.130,04 km2. No caso das florestas, após anos de exploração madeireira sistemática, restringem-se a áreas protegidas, especialmente reservas indígenas. O mapa mostra que a área remanescente de Floresta Densa, por exemplo, é de apenas 31% da original, totalizando apenas 19.707,61km2. Da Floresta Semidecidual e da Decidual restaram cerca de 45% e 25% das áreas nativas. E da Floresta Aberta (babaçu) teve representação na escala do mapa uma área remanescente no noroeste do estado de apenas 27,5 km2, correspondente a 0,09% da área primitiva.

Produzido com o auxílio de imagens de satélite e a partir da atualização dos levantamentos do Projeto RADAMBRASIL (que operou entre 1970 e 1985 e se dedicou a cobrir por imagens aéreas de radar diversas regiões do território brasileiro, em especial a Amazônia), o mapa de vegetação representa três biomas continentais brasileiros: Amazônia, Cerrado e Caatinga, com seis tipos principais de vegetação: Floresta Ombrófila Densa (com árvores que não perdem as folhas na estação seca), Floresta Ombrófila Aberta (dominada por babaçu e/ou cipós), Floresta Estacional Semidecidual (com árvores que perdem parte das folhas na estação seca), Floresta Estacional Decidual (com árvores que perdem mais de 50% das folhas na seca), Savana(Cerrado) e Savana-Estépica (Caatinga do Sertão Árido) e as Áreas de Formações Pioneiras (várzeas e mangues, principalmente).

O Mapa Geológico retrata o potencial hídrico subterrâneo do Maranhão, apontando a presença de aquíferos que podem ser utilizados para o abastecimento humano com água de boa qualidade e baixo custo. Localizados na Província Estrutural Parnaíba (que ocupa mais de 90% do estado), em rochas das formações Cabeças, Serra Grande, Sambaíba, Corda, Grajáu, Itapecuru, Ipixuna e Barreiras, os aquíferos totalizam volume estimado de 17.500 km3, com vazões que podem atingir 1.000 m3/h.

No mapa, reconhece-se também uma área com grande importância turística: a Província Estrutural Costeira, que domina a costa maranhense sob a forma de dunas (depósitos marinhos, fluviomarinhos e eólicos, pleistocênicos a holocênicos), que no conjunto formam os Lençóis Maranhenses e a Baixada Maranhense.

O mapa revela, ainda, a ocupação pela atividade agropecuária de chapadas (serras dos Penitentes, Alpercatas e Espigão Mestre) que funcionam como armazenadoras e fornecedoras das águas que fluem nas bacias hidrográficas da região, em toda a região no sul, oeste e sudoeste do estado, o que gera preocupação com os impactos ambientais. A atividade agrícola prejudica a infiltração e traz risco de contaminação por defensivos agrícolas.

Na Província Estrutural Gurupi, na região noroeste, destaca-se o ouro,historicamente lavrado sob a forma de garimpos. Os depósitos carbonatados de idade cretácea da Formação Codó contêm significativas reservas de calcários, utilizadas em parte para a produção de cimento em fábricas instaladas na cidade de Codó e, também como corretivos da acidez do solos da região e estados vizinhos, como o Pará e o Piauí.

Imponentes conjuntos de falhas geológicas, sob a forma de alinhamentos de serras e da rede de drenagem cortam o território maranhense, destacando-se Pirapemas (NE-SO), Picos-Santa Inês (NO-SE), Tianguá-Carolina (ENE-OSO) e Transbrasiliano (NE-SO), apontando áreas relevantes economicamente, algumas favoráveis á concentração de hidrocarbonetos. Como por exemplo a reserva de gás natural, descoberta em 2010, no município de Capinzal do Norte (Bacia do Grajaú), em área de influência do conjunto de falhas Picos-Santa Inês. Na região do município de Balsas, em áreas afetadas pelo conjunto de falhas de Tinguá-Carolina, em poço perfurado pela Petrobrás na década de 60, foram encontrados indícios de gás natural

O IBGE lançou os mapas de Vegetação, Geologia, Geomorfologia e Solos do Maranhão

O Mapa de Solos (Pedologia) apresenta os principais tipos de solos que ocorrem no Maranhão. Localizados de norte a sul do estado, os argissolos e latossolos são os mais explorados economicamente, tanto pela agricultura, especialmente soja, quanto pecuária. Embora apresentem baixa fertilidade natural, possuem considerável potencial de utilização agrícola devido à baixa suscetibilidade à erosão e boa umidade.

Dois tipos de solos que ocorrem no Maranhão devem ser alvo da preservação ambiental. Os neossolos litólicos, principalmente na porção sul, pois apresentam elevada erosão, devido à reduzida profundidade e à ocorrência, geralmente, em relevos acidentados. Já os neossolos quartzarênicos, presentes no norte e no sul do estado, são constituídos principalmente de grãos de quartzo, e por isso muito suscetíveis à erosão e com baixa retenção de umidade.

O Mapa de Relevo do estado do Maranhão retrata uma das paisagens naturais mais conhecidas do estado e que desperta grande interesse turístico – Lençóis Maranhenses – situados a nordeste do estado, que incluem campos de dunas e planícies arenosas, entrecortadas por lagoas temporárias.

As unidades localizadas nos terrenos de idade mais recente, relacionadas aos depósitos sedimentares quaternários, são identificadas por uma variedade de formas de topografia suave. As formas associadas à rede de drenagem compreendem planícies e terraços fluviais, que ocorrem ao longo de rios como o Itapecuru, Mearim, Pindaré, Turiaçu, Parnaíba, Tocantins, Gurupi, entre outros. No litoral sobressaem, a noroeste, longas penínsulas e ilhas delimitadas por planícies lamosas recobertas por manguezais, além de trechos de restingas, dunas e mangues, a nordeste.

As unidades localizadas em bacias sedimentares abrangem os relevos planos das chapadas, tabuleiros e depressões elaborados em rochas sedimentares pertencentes à Bacia (Província) Sedimentar do Parnaíba, mais antigas que as anteriores. Nelas, estão incluídas as extensas chapadas do centro-sul do estado, cortadas pela drenagem dos altos cursos dos rios Itapecuru e Mearim, e outras residuais do vale do rio Farinha.

Fonte: IBGE

EcoDebate, 23/12/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top