Comissão de Meio Ambiente da Câmara aprova projeto que criminaliza uso de pele animal em evento de moda

 

Projeto prevê reclusão de um a três anos e multa. A proposta ainda será votada pela CCJ e pelo Plenário.

Arquivo – Elton Bomfim
Ricardo Tripoli
Ricardo Tripoli: uso de peles estimula práticas cruéis.

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou nesta quarta-feira o Projeto de Lei 684/11, do deputado Weliton Prado (PT-MG), que torna crime o uso de peles de animais silvestres nativos ou exóticos, domésticos ou domesticados, em eventos de moda no Brasil. A pena prevista é de reclusão de um a três anos e multa.

O projeto acrescenta artigo à Lei de Crimes Ambientais (9.605/98). Para o autor, a criminalização do uso de pele de animais nas passarelas é uma forma de coibir o comércio do produto.

O relator do projeto na Comissão de Meio Ambiente, deputado Ricardo Tripoli (PSDB-SP), apresentou parecer favorável. “Sabemos que a indústria da moda exerce grande influência sobre os costumes sociais. O uso de peles em eventos de moda no Brasil certamente estimula a produção de animais em cativeiro e, consequentemente, as práticas cruéis.”

Tripoli afirmou que, embora a Constituição Federal e a Lei de Crimes Ambientais já prevejam punição às práticas de maus-tratos aos animais, a indústria da moda continua a fazer uso de peles em desrespeito às disposições legais. “Peles animais têm sido apresentadas nas passarelas brasileiras, inclusive nas coleções do inverno 2011, chegando ao vestuário cotidiano.”

Segundo o deputado, essa prática também contraria os princípios de sustentabilidade ambiental, de conservação da diversidade biológica e de proteção aos direitos dos animais.

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou o parecer do relator na forma de substitutivo que faz ajustes na redação original do projeto.

Tramitação
O projeto ainda será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) e pelo Plenário.

Íntegra da proposta:

Matéria da Agência Câmara de Notícias, publicada pelo EcoDebate, 01/09/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

4 comentários em “Comissão de Meio Ambiente da Câmara aprova projeto que criminaliza uso de pele animal em evento de moda

  1. Tomara que entre em vigor e que não sofra nenhuma derrota nas futuras aprovações! Tem mais valor um bicho vivo do ter sua pele pendurada em pesco e ombros de modelos/socialites.

  2. Da forma como está colocada no artigo, este projeto de lei tem algumas falhas, se não, vejamos:
    1º – A proibição generalizada incluiria também a pele bovina, utilizada secular e mundialmente nas vestes humanas?
    2º – Ao contrário do que afirma o projeto, a criação de animais em cativeiro, para posterior utilização comercial dos seus produtos e semi-produtos não agride ao meio ambiente, pelo contrário, preserva-o.
    3º- O que seria do jacaré do Pantanal, se hoje não tivéssemos a sua criação em cativeiro legalizada? Quase foi extinto, e a sua salvação veio com a criação.
    4º – Será que o autor do projeto acredita que os avestruzes ainda existiriam, não fosse a sua criação em cativeiro?
    PELES, PENAS E PLUMAS SEM CERTIFICADO DE ORIGEM EMETIDOS PELO IBAMA, SERIAM PASSÍVEIS DE MULTA, APRENSÃO DO PRODUTO E DO PORTADOR.
    A ideia do deputado é louvável(preservar o meio ambiente), mas necessita de melhor embasamento, para não se tornar inconstitucional. A crição de animais em cativeiro é LEI FEDERAL. Vamos aprimorar.

  3. Obrigada Joao Pinheiro por ja perguntar muitas duvidas que compartilho.
    Primeiro que o Brasil ha tempos ja tem uma politica de exoticos super rigida. Nao se vende quase exotico nacional, as cobras por exemplo, são importadas. O leezard também nao é brasileiro. O jacaré é, por uma demanda que se criou apos o inicio da superpopulaçao deles no Pantanal. O avestruz!! A pena, o couro e a carne! Também criado em cativeiro nunca entendi porque era considerado exotico. Assim como a Tilapia que além de tudo, é reconhecido por ser um animal que favoreceu muita comunidade carente, dando comida a venda do excesso da produção e ainda a venda da pele do peixe, que ainda dava trabalho as mulheres dos pescadores, de varias regioes do pais. Lembrando que a Tilapia é um peixe de agua doce que pode ser facilmente criado em cativeiro. Coelho e chinchila, também se aproveita a carne e a pele, e também são animais de cativeiro, e também comercializados como exotico.
    Prefiro nao falar da industria coureira/calçadista. O Sr. Deputado quer fazer o que com ela?
    Esse artigo deve ser discutido com especialistas, nao com alguem que obviamente no entende NADA do riscado.

Comentários encerrados.

Top