O Brasil precisa de engenheiros, artigo de Aroldo Cangussu

[EcoDebate] Nesta semana, a presidente Dilma lançou um programa de estudo e intercâmbio com o exterior que promete fornecer cem mil bolsas para estudantes brasileiros que queiram fazer ou complementar seus cursos em países desenvolvidos tecnologicamente.

A ênfase é nas áreas de engenharia, matemática, física, química e tecnologia em geral. Na minha opinião, foi uma das mais interessantes iniciativas tomadas pelo governo brasileiro nos últimos tempos. O Brasil, para chegar minimamente perto dos países adiantados, tem que investir pesado na educação, mas principalmente na área de exatas. Já estamos razoavelmente bem atendidos nas áreas do direito e das ciências sociais. O desenvolvimento para valer vem mesmo com avanços significativos nas pesquisas tecnológicas e na engenharia.

Um país é realmente independente quando ele o é na produção de patentes e trabalhos científicos. Para isto, é fundamental investir no estudo da matemática e outras ciências exatas. Foi o que fez a Coreia do Sul, que era um país pobre na década de 50 e virou potência tecnológica nos dias atuais. Os coreanos se espalharam pelos principais países industrializados da Europa e Estados Unidos e fizeram pós graduação, mestrado, doutorado, pós doutorado e avançaram sobre o conhecimento científico disponível levando para seu país toda a carga cerebral que permitiu o seu desenvolvimento.

O programa brasileiro prevê o envio de alunos em todos os níveis, desde o curso médio até o pós doutorado. Acredito firmemente que o resultado de todo este empenho será espetacular, principalmente com a disseminação e incentivo ao estudo das ciências matemáticas. Sabemos todos que o ensino científico (matemática, física, química) é bastante deficiente no nosso país. Faltam professores, principalmente no ensino médio, e os alunos são desestimulados a aprender essas matérias.

Além disso, o viés ideológico de esquerda atrasada que predomina em todos os países da América Latina faz com que o avanço científico seja obstruído em favor de pelejas políticas e politiqueiras.

Só para se ter uma ideia da importância da matemática, vamos enumerar alguns exemplos do que não estaria ao nosso alcance sem ela: energia elétrica, telecomunicações, computadores, aviões, veículos espaciais e toda a gama de facilidades de que dispõe a humanidade hoje em dia. Tudo veio do avanço e do estudo das ciências exatas desenvolvido ao longo dos anos, notadamente nos séculos XVII, XVIII e XIX.

Não é exagero afirmar que vivemos em um mundo dependente da matemática e que ela está presente em tudo à nossa volta.

* Aroldo Cangussu é engenheiro e ex-secretário de meio ambiente de Janaúba e diretor da ARC EMPREENDIMENTOS AMBIENTAIS LTDA.

EcoDebate, 17/08/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

3 comentários em “O Brasil precisa de engenheiros, artigo de Aroldo Cangussu

  1. Acho ótimo a iniciativa para enviar matemáticos, engenheiros para estudar no exterior e aprimorar seus conhecimento. Porém, há que se tomar cuidado. Será que essas cabeças voltarão ao Brasil? Não adianta investir em educação “lá fora”. Tem de investir aqui dentro do Brasil. Dar muito mais verba para as faculdades, aumentar o valor das bolsas para mestrado, doutorado, o salário dos professores, o orçamento para as pesquisas. O Brasil tem muitas cabeças, engenheiros brilhantes, mas todos realizando pesquisas lá fora. Pois aqui no Brasil, o problema não é conhecimento, é falta de dinheiro, investimento para manter as cabeças brilhantes aqui.

  2. Apoiar o desenvolvimento socio econômico e ambientalmente correto, incentivando a preparação de profissionais de alta qualidade que venham contribuir com o avanço tecnológico do nosso Brasil, é uma iniciativa que merece apôio. Porèm, temos que lembrar que não basta. Não basta incentivar pessoas a desenvolverem, sem criar os mecanismos de incentivo que atraias as mesmas para a aplicação de seus saberes adquiridos, em nosso desenvolvimento nacional. Desenvolver e ou reforçar o senso patriótico, o amor pela terra natal, o compromisso com os da minha nacionalidade e a evolução do “sou brasileiro”. Somos do país com o maior conjunto de elementos naturais necessários ao desenvolvimento sustentavel do mundo. Só esta faltando um, o incentivo para dizer, SOU BRASILEIRO!!!!

  3. Estou na área, como estudante de engenharia ambiental. Estou aguardando ser feita a seleção para poder participar.

Comentários encerrados.

Top