‘Salada’ de remédios, artigo de Américo Canhoto

[EcoDebate] A espantosa capacidade de adaptação do nosso organismo está com os dias contados; tamanha a proporção do envenenamento a que estamos submetidos no dia a dia. Água e ar envenenados e poluídos; alimentos envenenados por agrotóxicos e aditivos químicos usados na industrialização; envenenamento por produtos que são usados na lavagem de utensílios, roupas (a pele tem espantosa capacidade de absorção); produtos de higiene pessoal (as mulheres estão em pior situação tamanha a quantidade de produtos ditos de beleza que são usados).

Alguns tipos de alimentos também contribuem para intoxicar o organismo – uma alerta especial às pessoas tomadoras de chá: cuidado com a filosofia natureba: é natural; se não faz bem também não faz mal – é recomendado conhecer as substâncias liberadas pela planta.

Não bastasse isso, as pessoas ainda têm o vício de usar drogas na forma de remédios; alguns tão inúteis quanto desnecessários e perigosos.

Já falamos sobre o incrível bordão que representa mo descaso com a sanidade da população: “a persistirem os sintomas; um médico deve ser consultado” – além da venda em locais impróprios.

Mas, mesmo o tipo de medicina atual favorece a salada de remédios; devido á superespecialização – cada profissional receita um remédio para os sintomas focados – e de repente, algumas pessoas estão “comendo” vários remédios ao mesmo tempo. Mas, um artifício “autoenganatório” (adoramos nos enganar) é o remédio manipulado, que pode acolher várias drogas numa única cápsula.

As pessoas fazem questão de não ler a bula do remédio – e ali estão apenas uma parte conhecida dos possíveis efeitos colaterais (a maioria deles é desconhecida) – muitos remédios foram lançados na praça baseados em efeitos colaterais visando atender as “necessidades” do consumidor.

A interação entre vários medicamentos usados ao mesmo tempo cria os sintomas em cascata: uma droga para bloquear os efeitos colaterais da outra. E no dia a dia fica quase impossível para o profissional separar quem é quem nos novos sintomas que surgem; claro que a relação médico – paciente apressada piora o problema. Além disso, o sistema de convênios caiu do céu para a indústria farmacêutica – de graça até injeção na testa – ou; já que pago uma fortuna de convênio vou mais é usar…

Daqui a alguns anos vão sobrar apenas os mutantes sobreviventes da Era da química e da tecnologia?

Mas, será que nosso DNA é tão adaptável?

Vai um digestivo de sobremesa?

Namastê.

Américo Canhoto: Clínico Geral, médico de famílias há 30 anos. Pesquisador de saúde holística. Usa a Homeopatia e os florais de Bach. Escritor de assuntos temáticos: saúde – educação – espiritualidade. Palestrante e condutor de workshops. Coordenador do grupo ecumênico “Mãos estendidas” de SBC. Projeto voltado para o atendimento de pessoas vítimas do estresse crônico portadoras de ansiedade e medo que conduz a: depressão, angústia crônica e pânico.

EcoDebate, 10/08/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top