Poluição atmosférica em SP pressiona por urgente reversão na política de incentivo ao carro

Como se já fosse parte da natureza, a atual época do ano em São Paulo é conhecida como a da poluição atmosférica, acarretando aumento de adoecimentos e internações em sua já combalida rede de saúde. Causa de cerca de 4 mil mortes prematuras por ano, o atual estágio de poluição da cidade se encontra em níveis que precisam despertar uma imediata consciência na população, a fim de que se exija dos políticos o mínimo projeto de reversão dessa espiral que atenta cada vez mais contra a vida de seus habitantes.

Em entrevista ao Correio da Cidadania, Evangelina Vormittag, presidente do Instituto Saúde e Sustentabilidade, expõe com mais profundidade a atual gravidade da situação, apontando a atual organização do transporte como principal fator da incessante deterioração da qualidade do ar, na mesma semana em que o governo federal anunciou generoso pacote de incentivos à indústria automobilística. Estudiosa da qualidade de vida nas cidades, onde vivem 84% dos brasileiros, ela cita casos que contaminam a saúde das pessoas em níveis imponderáveis.

Sem mencionar diretamente os interesses político-econômicos que impedem a cidade de ser administrada em função da qualidade de vida das pessoas, ela lamenta a consciência ainda baixa do público a respeito do assunto.  Ressalta que, ao contrário do que a maioria pensa, a poluição acima dos níveis recomendados pela OMS não causa apenas doenças respiratórias. “Se temos um dia muito poluído em termos de material particulado no ar, dois dias depois aumenta o número de pessoas com infarto na cidade”.

Como principal argumento para a imposição urgente de novas políticas para o desenvolvimento da cidade, Evangelina lembra o enorme passivo gerado para a sociedade em função dos mais diversos custos “invisíveis”, aqueles menos considerados quando se discute o problema da poluição. No entanto, lembra que o custo gerado pelos tratamentos médicos já seria motivo suficiente para justificar uma série de políticas de recuperação da qualidade de vida e do ar na Paulicéia, casa de 10% dos brasileiros.

 

Correio da Cidadania: Que quadro a senhora desenha a respeito da qualidade do ar em São Paulo?

 

Evangelina Vormittag: Bom, a situação da qualidade do ar de São Paulo é ruim, tanto pela questão da presença dos poluentes como pela questão de estarmos no inverno e contar com outros fatores, como a baixa umidade e a inversão térmica, o que piora ainda mais o ar. Mas independentemente disso, as concentrações de poluentes estão acima do preconizado pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

 

Correio da Cidadania: O que levou a metrópole a chegar a esse ponto alarmante e cada vez mais nocivo à vida das pessoas em termos de poluição atmosférica?

 

Evangelina Vormittag: Eu creio que o grande motivo é o transporte. Acho que a quantidade de carros em circulação é enorme e isso permite a presença da maior parte dos poluentes presentes.

 

Em relação aos carros, são vários fatores, pois além de tudo são hábito já cultural na cidade. Vamos supor que tivéssemos uma campanha educativa que orientasse as pessoas a não usar o carro, mudar o costume. Infelizmente, não teríamos tal opção, pois o certo seria um transporte público que pudesse ser usado de fato, com uma inter-comunicabilidade entre os diversos modais de transporte. Por exemplo: eu deixo meu carro perto de uma estação de metrô e pego outro transporte pra ir ao meu destino.

 

Porém, o paulistano não tem essa opção, por mais que ele queira não é possível, ficando sem opção de substituir seu modo de transporte. Sabemos que existem alguns esforços, como os corredores de ônibus, aumento de linhas de metrô, mas sabemos que não dá pra entrar num trem às 6 da tarde, há bairros que não têm metrô nem trem, não há mobilidade na cidade…

 

Correio da Cidadania: Dessa forma, o fim da política de incentivo ao uso do carro é o ponto mais central e imediato na reversão dessa lógica que tem asfixiado a cidade?

 

Evangelina Vormittag: Sim, tendo outro transporte como opção. Não se pode pedir para as pessoas deixarem o carro – aliás, elas podem estar mais conscientes do que se imagina quanto a isso – e não oferecer nada.

 

É preciso partir para algumas coisas diferentes, como transporte compartilhado, com estímulos a esse tipo de iniciativa. É uma das poucas opções que vejo em condições de ajudar mais imediatamente: o transporte compartilhado.

 

Além, obviamente, de se melhorar o transporte público, pois, enquanto ele não for ‘competitivo’ com o carro, fica difícil…

(Nota: no dia seguinte à entrevista – quarta, 3 – o governo federal anunciou novo pacote de incentivos à indústria automobilística, o segundo desde a crise financeira mundial iniciada em 2008).

 

Correio da Cidadania: Quem são os maiores prejudicados pela poluição produzida em São Paulo? Nesse caso, os mais pobres também são os mais afetados?

 

Evangelina Vormittag: Com certeza. Os mais prejudicados são os que menos poluem. As pessoas mais vulneráveis são as mais pobres, as que utilizam o transporte público, não poluem a cidade, mas acabam sendo mais prejudicadas em sua saúde por diversas razões: estão mais expostas à poluição, já que as pessoas dentro do carro ficam mais protegidas, com o veículo fechado; também ficam expostas em pontos de ônibus, dormem menos, ficam menos com a família, deixam de estudar, porque perdem 3, 4 horas por dia dentro do ônibus…

 

Dessa forma, não há dúvida de que aqueles que estão na periferia são os mais prejudicados, pois vão perder mais tempo, não têm transporte de qualidade, morrem de calor dentro do ônibus, fora outras questões estruturais.

 

Correio da Cidadania: É no longo prazo que residiria a maior parte dos esforços, sendo necessária, portanto, uma atuação e planejamento voltados ao interesse social, que há tempos não se vêem em nossa política?

 

Evangelina Vormittag: Sem dúvida nenhuma. Acho que a situação é muito séria, vai se tornar cada vez mais grave na cidade, algumas medidas já poderiam ter sido tomadas e não tenha dúvidas de que políticas nesse sentido são importantes desde já.

 

Algumas cidades conseguiram resolver esse problema e servem de exemplo, como a Cidade do México, porém, tomando atitudes muito corajosas. Os políticos enfrentaram os empresários do transporte, fizeram corredores, ‘prejudicaram’ o transporte individual, tornaram o transporte coletivo competitivo, obrigaram as inspeções veiculares, fizeram os carros mais poluentes pagarem mais impostos e circularem menos…

 

Ou seja, há uma série de medidas que podem ser tomadas contra esse problema. Só que é preciso coragem e, lógico, dinheiro.

 

Correio da Cidadania: Quais interesses e falhas mais prejudicam o impulso ao combate à poluição atmosférica de São Paulo, um flagelo propalado já há muitos anos?

 

Evangelina Vormittag: É difícil colocar algumas questões aqui, mas sinto que o gerenciamento do transporte na cidade é muito compartimentado. É necessário que haja um diálogo melhor entre as várias companhias e a prefeitura, que coordenam o trânsito na cidade. Sei que o atual secretário dos Transportes em São Paulo (Marcelo Cardinale Branco) tem boa vontade, visão etc., mas sabemos que vários fatores impedem uma ação mais forte, além da questão do dinheiro também…

 

Mas não tem outra: é preciso coragem e ação política. Tem de ser feito e pronto. Por que não se faz eu não sei explicar…

 

Correio da Cidadania: Até porque os atuais níveis de poluição do ar geram altíssimos custos invisíveis, aqueles que passam despercebidos pela população, mídia e até os gestores públicos.

 

Evangelina Vormittag: Sem dúvidas. Também existe um alto custo em relação à saúde. Dessa forma, se o custo de saúde decorrente da poluição fosse computado, poderia se justificar uma série de políticas para implementação de outro transporte. Também deveria haver uma ação conjunta entre as ações das Secretarias de Transportes, Saúde e Meio Ambiente, que hoje se encontram muito compartimentadas, não conseguem ter uma comunicação que faça fluir todo o planejamento e execução dessas questões, o que facilitaria o trabalho. Juntar todos os quesitos facilita a justificação de políticas de combate aos males da poluição e vencer certos interesses. É questão de força política, a exemplo de outras situações.

 

Vou dar um exemplo: temos padrões de material particulado no ar na cidade acima do preconizado pela OMS. Pergunto: como a CETESB adota um padrão que não é o padrão de saúde adotado no mundo inteiro? Ou seja, a leitura que ela faz da poluição da cidade não está voltada para a saúde, está por fora disso. Quando ela diz que o padrão de qualidade do ar está adequado, não sei se está realmente adequado ou se ela é que considera normal. Muitas vezes o adequado pode não estar adequado, e com isso a informação não sai correta. E dessa forma, não se consegue fazer um movimento contrário, uma contestação, nada.

 

No ano passado, houve um movimento em relação a isso, foi feito abaixo-assinado, com a participação de algumas ONGs, e agora aprovaram a alteração do padrão. Mas vai levar alguns anos (seis) para os novos serem implementados.  Se a CETESB mostrar ao público que tantos dias saem do padrão normal, como vai, posteriormente, justificar sua inação?

 

Correio da Cidadania: Em artigo na Scientific American Brasil, o doutor Paulo Saldiva afirmou que “há registros de que São Paulo tenha a maior concentração de ozônio e material particulado do país, fenômeno que provoca cerca de quatro mil mortes prematuras por ano”. Há muitas cidades pelo resto do mundo que podem ser paralelo?

 

Evangelina Vormittag: Existem algumas sim, e outras que eram muito poluídas e melhoraram. A Cidade do México, Bogotá e Santiago no Chile são bons exemplos de cidades latinas que conseguiram avanços. Por que São Paulo não pode também? Sem falar em cidades do mundo mais rico…

 

Correio da Cidadania: O que a senhora vislumbra para os próximos anos, diante das atuais perspectivas de reversão do quadro? A hipótese de uma tragédia ambiental sem precedentes pode ser aventada?

 

Evangelina Vormittag: Eu penso que já temos uma situação complicada. Morrem 4 mil pessoas por ano em São Paulo por causa da poluição. E isso vai aumentar. Por alguma razão, pode ser que aumente a um ponto ‘x’ que cause um número muito grande de mortes, a exemplo do que houve em Londres em 1952.

 

Publicamos um livro no ano passado sobre meio ambiente e saúde nas grandes cidades, já que é um tema de grande preocupação das entidades de saúde, sendo praticamente o grande desafio de saúde do século 21. E no Brasil 84% da população mora em cidades, índice também elevado no resto do mundo, de modo que precisamos pensar condições que permitam às pessoas viverem com saúde nas grandes cidades. Infelizmente, os estudos que podem ser feitos na ciência para mostrar os efeitos da poluição na saúde são aqueles que tratam de mortes e internações hospitalares. Ou seja, consegue-se pegar o bico do iceberg, porque as pessoas que estão adoecendo pela poluição não são computadas nesses trabalhos.

 

Assim, quando se fala desse mal em trabalhos científicos, está se falando diretamente de mortes. E o grande efeito da poluição não é só respiratório, como a maioria pensa; o efeito cardiovascular é muito importante também. A poluição é hoje um dos fatores de risco para infartos do coração, provocando ainda arritmia. Se temos um dia muito poluído em termos de material particulado no ar, dois dias depois aumenta o número de pessoas com infarto do miocárdio na cidade, principalmente idosos e pessoas que já tinham doenças ou pré-disponibilidade. Ou seja, a poluição é mesmo um fator desencadeante a mais para o infarto do coração.

 

Tem um trabalho publicado na revista The Lancet, conceituada no campo científico, que estudou vários fatores de risco evitáveis, como tabagismo, estresse emocional, drogas, tráfego, relações sexuais, e ficou evidenciado que a poluição e o tráfego juntos têm mais fatores de risco evitável para o infarto. A cocaína mata mais que o trânsito, no entanto, há mais pessoas expostas ao trânsito que à cocaína, de modo que passam os dois (poluição e trânsito) a ser o primeiro fator de risco para infartos na cidade. É muito grave, precisa existir um olhar voltado à saúde nessa discussão toda.

 

Para onde estão olhando quando fazem um padrão de controle da qualidade do ar? Ninguém fala na saúde, é muito difícil. Portanto, isso precisa entrar na discussão.

 

Além disso, o livro que fizemos inspirou o Andre Trigueiro, do programa Mundo Sustentável, da GloboNews. Ele veio a São Paulo e fez um roteiro conosco, no qual tivemos equipamentos e aparelhos que tiravam medidas ambientais – poluição, material particulado, temperatura, umidade do ar, ruído – e também aparelhos que tiravam medidas de saúde – pressão arterial, freqüência cardíaca etc.

 

Fizemos um roteiro de 6 horas pela cidade, passando por vários modais de transporte, e, quando estávamos na avenida do Estado, o material particulado chegou a 800 microgramas por metro cúbico, quando o normal é 25. Imagina isso? Todo esse trabalho se chama “A poluição mata” e está acessível na internet. Aliás, o próprio Trigueiro teve alteração de freqüência cardíaca, o que num idoso ou pessoa com problema conhecido poderia causar uma arritmia ou infarto.

 

Correio da Cidadania: E são todas questões muito pouco conversadas, falta ainda bastante consciência da população com relação aos problemas e conseqüências que vivemos por conta da poluição, não?

 

Evangelina Vormittag: Sim, é preciso uma conscientização maior. E quando se trata de saúde a população se sensibiliza. O mesmo vale para as doenças respiratórias, o aumento da asma na cidade…

 

Correio da Cidadania: O que a senhora espera do governo Alckmin na área de políticas ambientais?

 

Evangelina Vormittag: Espero que ele saiba dar o devido olhar para a importância das cidades na vida do brasileiro, já que 84% deles moram nas cidades, oferecendo condições de qualidade de vida. É uma enorme responsabilidade e ele tem de fazer diminuir a poluição do ar, resolver como vamos mudar o ar poluído que respiramos. A água ainda podemos tratar antes de beber. O ar não. Só políticas sérias para mudar a atual lógica de poluição.

 

O governador deve tomar decisões corajosas e fazer enfrentamentos de peito aberto. Por exemplo, o transporte de bicicleta: é difícil implantá-lo no atual formato de cidade que temos, não dá pra colocar uma faixa pra bicicleta no meio desse trânsito, mas podem existir trajetos alternativos, mais bicicletários etc., e assim por diante.

 

Gabriel Brito é jornalista.

Escrito por Gabriel Brito, da Redação do Correio da Cidadania.

Texto originalmente publicado no Correio da Cidadania, parceiro estratégico do EcoDebate na socialização da informação.

EcoDebate, 09/08/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

2 comentários em “Poluição atmosférica em SP pressiona por urgente reversão na política de incentivo ao carro

  1. O que dizer das segunda, terceira ou quarta capital do país?
    Em que recursos e boas políticas ambientais, se envolvem com políticas partidárias e eventualmente, localização privilegiada, que diminui os efeitos da poluição.
    No Nordeste estamos, os ventos da costa não conseguem ajudar a enchurrda mensal de novos carros em ruas e avenidas (exceto alguns viadutos novos)por quinze anos intocáveis, só asfaltando e sendo destruidas nas chuvas.

    Ótimo artigo entrvista, com grande objetividade e veracidade. Ladajne Conolly

  2. O CICLO da ÁGUA está Muito MAL ! ! ! ! ! !

    Prezado Cidadão Brasileiro & Interessados pelo AGUAPÉ,

    O CICLO da ÁGUA é Conhecido Superficialmente por MUITOS, mas o que ocorre, de FATO, é Muito PREOCUPANTE, até mesmo os Considerados EXPERTs sabem Muito POUCO ! ! ! ! ! !

    Sabemos que a ÁGUA é a FONTE da VIDA, mas sabemos pouco o que se passa com as ÁGUAS: é a POLUIÇÃO CRESCENTE (Evolução Geométrica) que leva a torná– la Altamente POLUÍDAS ou em VENENO da VIDA, pois já atingem a Maior Parte da BIODIVERSIDADE, como, também, JÁ estão chegando aos Nossos Lares, principalmente através da ÁGUA que chegam em nossas torneiras e os Alimentos.

    Através da CIÊNCIA a HUMANIDADE / Planeta TERRA estão recebendo Crescentes Volumes de Novos Produtos a todo instante, mas essa Mesma CIÊNCIA tem apresentado Muito Pouca PRECUPAÇÃO com o Mega Volume (Tipos / Quantidades) de Resíduos TÓXICOS que são Produzidos Simultaneamente e Descartados no Meio Ambiente.

    Para PIORAR a SITUAÇÃO é que as Legislações Específicas & Medidas Preventivas sobre os Resíduos TÓXICOS estão evoluindo Muito LENTAMENTE quando deveria ser exatamente o INVERSO – aí está o Grande PERIGO ! ! ! ! ! !

    A Maior PARTE das POLUIÇÕES são carreadas pelas ÁGUAS dos ESGOTOS, ÁGUAS PLUVIAIS e ÁGUAS das CHUVAS – toda ÁGUA vai em direção aos Córregos e Rios, desembocando nos Lagoas / Lagos ou Mares / Oceanos, tornando–se ÁGUAS POLUIDAS.

    As ÁGUAS POLUIDAS dos Rios / Lagoas são Amplamente Utilizadas na IRRIGAÇÃO das Culturas da Produção dos Alimentos – se NÃO estão CUINDANDO das ÁGUAS de forma ADEQUADA os Nossos Alimentos SÓ vai apresentar Boa Aparência e o Teor de Produtos TÓXICOS vai AUMENTANDO a cada SAFRA, resultando Produtos Alimentícios com excesso de Agro–tóxicos, Metais Pesados, Resíduos da Nano–Tecnologia, entre Outros Produtos TÓXICOS.

    Os Produtos Agropecuários ORGÂNICOS por MUITOS são considerados SUPERIORES aos Produtos Agropecuários CONVENCIONAIS e na atualidade a Equipe BR do AGUAPÉ concorda, mas aqui deixa um Importante ALERTA: se os Seres HUMANOS permanecerem de “Braços Cruzados” ou OMISSOS, em Curto Espaços de TEMPO, certamente TUDO se tornará Muito MAIS POLUÍDO e INSUSTENTÁVEL à toda BIODIVERSIDADE.

    Toda Sociedade Brasileira deve procurar participar da Luta NOBRE no COMBATE às POLUIÇÕES, através da Soma de Esforços / UNIÃO, visando exigir / cobrar MEDIDAS, de FATO, SUSTENTÁVEIS, pois é DEVER de TODOS não mais aceitar que as POLUIÇÕES continuem CANALIZADAS com DESTINOS aos nossos LARES, em especial, através das ÁGUAS & ALIMENTOS que utilizamos no DIA a DIA.

    JÁ é sabido que Grande Parte dos Peixes Marinhos, como os Peixes D’Agua Doce, estão altamente contaminados por Metais Pesados, entre outros Químicos TÓXICOS – Qual EXPERT seria capaz de Afirmar o Contrário ? ? ? ? ?

    Raros EXPERTs sabem que os Seres HUMANOS atuais apresentam Seus ORGANISMOS com Altos Teores de Químicos TÓXICOS que vão além de 1.000 vezes do que ocorria antes do surgimento da ERA Industrial. Com essa ERA deu–se o início ao surgimento de uma Série de Produtos SINTÉTICOS altamente PREJUDICIAIS a Saúde Humana, como o DDT que, apesar da sua Proibição de Uso, ainda estão nos SOLOS / ÁGUAS e nos Organismos Vivos, nisso inclue–se o próprio Ser HUMANO – As Autoridades Mundiais pouco ou nada fizeram, com auxílio da CIÊNCIA, para encontrar / estabelecer as Soluções DEFINITIVAS para Muitos Problemas que a própria CIÊNCIA produziu e continua produzindo, com isso, HOJE, Muito Mais do que no PASSADO, porque o seu crescimento segue uma Progressão Geométrico e JÁ atingiu Situação Crítica.

    Na atualidade é IMPOSSÍVEL até IMAGINAR o NÚMERO de Produtos PROBLEMAS porque tudo vai sendo ENCOBERTADO pelos AUTORES NÃO–ÉTICOS das “Mentiras que se Tornam Verdades”.

    Esses mesmos AUTORES NÃO–ÉTICOS é que tem Estabelecido Mecanismos Legais NÃO–ÉTICOS que permitem os ABUSOS na Maior Parte das Muitas Atividades Comerciais / Industriais / Produção Agropecuária/ Mineração / Serviços / entre Outros na Maioria dos PAÍSES.

    Nada de PESQUISAS para FINS de PREVENÇÃO – A VERDADE, de FATO, é que SÓ depois que Muitos MORREM, tomam–se algumas PSEUDAS–PROVIDÊNCIAS, abrindo ESPAÇOS para os Seus AFILHADOS, também, NÃO–ÉTICOS, em BUSCA de “LUCROS a Qualquer CUSTO”.

    OBSERVAÇÃO 01: A Equipe BR do AGUAPÉ está convicta que é OBRIGAÇÃO / DEVER de todos os Seres HUMANOS rever a Situação EQUIVOCADA do que se aplicam no Desenvolvimento SOCIAL & Econômico do BRASIL / MUNDO, de FATO, SUSTENTÁVEL – Requer estabelecer uma INVERSÃO na CIÊNCIA, com uma Drástica Redução no Volume de PESQUISAS para Novos PRODUTOS e Drástico Aumento no Volume de PEQUISAS para definir /estabelecer os Mecanismos PREVENTIVOS que, de FATO, sejam EFETIVOS no COMBATE às POLUIÇÕES.

    OBSERVAÇÃO 02: o AGUAPÉ é o Mais Importante DESPOLUIDOR das ÁGUAS ! ! ! ! ! !

    OBSERVAÇÃO 03: Aguardamos as Suas MANIFESTAÇÕES (e–mail: missao.tanizaki@gmail.com).

    NOTA: “Quando Sonhamos SOZINHOS é só um SONHO, mas quando Sonhamos JUNTOS é o início de uma Nova Realidade” (D. Helder Câmara) – apresente as suas MANIFESTAÇÕES (Críticas, Sugestões, ETC.), utilizando o Endereço Eletrônico: missao.tanizaki@gmail.com, certo que muitos na Sociedade Brasileira, inclusive a Equipe BR do A G U A P É, te agradecerão nesse Momento ESPECIAL.

    LEMBRETE: um dia nos APOSENTAMOS dos Trabalhos que garantem o Pão Nosso de Cada Dia, mas muitos Trabalhos Nobres estão aguardando por nossa AJUDA – Desenvolver os referidos Trabalhos Nobres faz parte dos Nossos DEVERES / OBRIGAÇÕES NOBRES e são BÁSICOS para nos manter FELIZ no Dia a Dia ! ! ! ! ! !

    Um Abraço Fraterno aos Interessados pelo A G U A P É,

    MISSAO TANIZAKI
    Servidor Público Federal
    Bacharel em Química
    missao.tanizaki@gmail.com (Usual)
    missaotanizaki@yahoo.com.br (Alternativo)
    OSCIPE (*) – Equipe BR do A G U A P É
    TUDO POR UM BRASIL & MUNDO MELHOR

    (*) REF.: Definições do SEBRAE

Comentários encerrados.

Top