Poluição do ar leva governo fluminense a embargar obras da unidade de produção de aço da CSA

As obras de construção da unidade de Santa Cruz, da Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA), estão embargadas, a partir de hoje (11), pela Secretaria do Ambiente fluminense. A construção da unidade é para aumentar em mais um terço a produção de aço da usina.

Ao anunciar o embargo, o secretário Carlos Minc disse ontem (10) que as obras só serão retomadas depois que a CSA resolver os problemas que causaram a poluição do ar, entre eles o da falta de cobertura e exaustão no local onde é depositada parte do material da produção de aço. Essa falha, segundo Minc, é apontada como uma das principais causas das emissões de nuvens de prata que foram registradas em agosto e dezembro de 2010 na região de Santa Cruz, bairro da zona oeste da cidade.

O secretário do Ambiente disse ainda que, além do embargo de obras, a CSA tem agora um mês para começar a construir uma área emergencial para evitar que novas emissões de poeira de grafite cheguem às comunidades vizinhas. Carlos Minc afirmou que, caso a companhia não cumpra esse prazo de início das obras, a licença ambiental que permite as operações da usina será suspensa.

“Ela vai ter que paralisar sua produção. Eles estão cometendo vários erros e agora a gente resolveu dar uma engrossada forte. Se, em um mês, não começar a obra pra resolver o problema mais grave, que é esse posto de emergência, que joga a tal nuvem de prata, com ferro e carbono para cima da casa das pessoas, aí parou!”, alertou Minc.

Esta é a terceira vez que a Secretaria do Ambiente aciona a CSA por causa de problemas de poluição que, desde o ano passado, tem prejudicado os moradores do bairro de Santa Cruz. A usina já foi multada em cerca de R$ 18 milhões e obrigada a investir em equipamentos de saúde para os moradores da região, entre eles, a construção de centros de referência de saúde e policlínicas do Programa Saúde da Família.

“Nós, do órgão ambiental, não queremos inviabilizar. Agora, tem que se adequar às leis brasileiras. Agora estamos dando o xeque-mate! Ou se arruma ou não vai continuar”, avisou o secretário.

As atividades da companhia e as emissões locais passaram a ser monitoradas hoje por câmeras que transmitem imagens em tempo real para o Instituto Estadual do Ambiente (Ines). Segundo Carlos Minc, “no passado houve minimização do impacto real do que estava acontecendo. Agora temos um espião ecológico que está lá dentro, e ninguém mais vai enrolar a gente. Quando tiver um problema real vamos saber online, e vamos tomar as medidas adequadas”.

O secretário também anunciou o início de uma auditoria sobre a saúde da população do entorno da usina e dos trabalhadores da empresa. “Essa é uma segunda auditoria. Os itens foram levantados pela Secretaria de Estado do Ambiente e pela Secretária de Estado de Saúde e Fiocruz [Fundação Oswaldo Cruz]. São seis pontos importantes sobre a saúde do trabalhador e da população do entorno, das doenças que aumentaram e quais as medidas de controle que devem ser adotadas para não expor a população e os trabalhadores a nenhuma doença originada das emissões da CSA”, disse.

Nota do EcoDebate: Sobre a TKCSA e seus seguidos danos ambientais sugerimos que leiam, também:

TKCSA: População denuncia problemas ambientais e de saúde provocados por siderúrgica

TKCSA: mais uma obra do PAC desrespeita as leis ambientais. Entrevista com Alexandre Pessoa

TKCSA-Licença para impactar: os conflitos na Saúde Ambiental

Fiocruz pede ao Inea cópia do laudo da fuligem expelida pela CSA na zona oeste do Rio

RJ: A Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) será multada novamente por poluição ambiental

RJ: Instituto Estadual do Ambiente (Inea) multa CSA em R$ 1,8 milhão por poluir o ar com material particulado

Companhia Siderúrgica do Atlântico: Audiência pública recolhe queixas sobre obras da maior siderúrgica da América Latina

ONGs reivindicam suspensão de financiamento do BNDES à Companhia Siderúrgica do Atlântico (CSA) no Rio

Baía de Sepetiba, RJ:: ThyssenKrupp e Vale do Rio Doce: consórcio que traz morte e destruição, artigo de Sandra Quintela

ThyssenKrupp-Vale contra o meio ambiente, entrevista com o ambientalista Sérgio Ricardo

RJ: MPF aponta erros em licenciamento ambiental da CSA. Estado e Ibama podem responder na Justiça por ilegalidades

Baía de Sepetiba, RJ: Pescadores denunciam siderúrgica por crime ambiental e contra os direitos humanos

Reportagem de Carolina Gonçalves, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 11/05/2011

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top