MG: MPT e MTE investigam carvoarias e usinas de cana

Durante a operação realizada na região de João Pinheiro, noroeste do estado, foram lavrados 119 autos de infração

Os setores sucroalcooleiro e o extrativo vegetal – carvoarias foram alvos das operações realizadas conjuntamente pelo Ministério Público do Trabalho, o Ministério do Trabalho e Emprego e as Polícias Federal e Rodoviária federal, no período de 7 a 18 de fevereiro em cidades da região de João Pinheiro.

No setor sucroalcooleiro, foram lavrados 119 autos de infração para três grandes empresas – Bevap Bioenergética Vale do Paracatu, Capuan Agrícola e Rio Paracatu Agrícola e Comercial S/A. Três atividades foram interditadas por falta de condições adequadas de trabalho.

“As empresas investigadas receberam prazo até 3 de março para assinarem um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), que reúne 47 obrigações necessárias para assegurar direitos legais e condições de segurança aos trabalhadores”, explicaram as procuradoras que atuaram nos casos Elaine Nassif e Letícia Moura.

De acordo com as procuradoras, dentre as muitas irregularidades encontradas neste seguimento, destacam-se descontos indevidos em folha de pagamento; não pagamento de horas extras; não capacitação para uso de agrotóxicos; ausência de local para refeição; ausência de instalações sanitárias; o não pagamento das horas in intineri (os trabalhadores gastam entre 1h e 1h30 até o local de trabalho fora da jornada); violações ao princípio da isonomia no que tange a ajuda de custo de trabalhadores migrantes e plano de saúde.

Para Victor Hugo Cabral, Auditor Fiscal do Trabalho da SRTE/MG que participou da ação, a gravidade das infrações aos direitos trabalhistas e às condições de trabalho motivou a lavratura das dezenas de autos de infração e da apreensão de documentos de interesse da fiscalização. “Em 2011, a Secretaria de Inspeção do Trabalho irá intensificar a fiscalização no setor sucroalcooleiro que é um segmento da economia no Estado de Minas Gerais reincidente em irregularidades trabalhistas.”, afirma Cabral.

Situação nas carvoarias – Nas carvoeiras, foram totalmente interditadas as atividades, resgatados 6 trabalhadores e firmado um Termo de Ajustamento de Conduta para assinatura de CTPS e pagamento de todas as verbas rescisórias. Os mais de dez depoimentos colhidos dão mostras das inúmeras irregularidades que permeiam o setor de carvoejamento na região, cujo produto é fornecido para grandes siderúrgicas de Sete Lagoas e Divinópolis.

Para dar sequência à investigação, o Ministério Público do Trabalho instaurou um procedimento denominado PROMO (24/2011) em Patos de Minas, no qual serão reunidos todos os documentos e provas relativas à situação carvoeira na região.

Em visitas institucionais, o MPT buscou apoio para a investigação junto à Promotoria de Justiça, o IEF (escritórios de João Pinheiro, Paracatu e Unaí) e a Polícia Militar Ambiental, com vistas ao encaminhamento das denúncias de trabalho degradante nas carvoeiras.

Fonte: Ministério Público do Trabalho em Minas Gerais

EcoDebate, 02/03/2011


Compartilhar

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Alexa

Top