Centro de Trabalho Indigenista: Informe sobre a Saúde na Terra Indígena Vale do Javari

Em junho de 2004 o Centro de Trabalho Indigenista – CTI, diante da grave situação de saúde dos indígenas da Terra Indígena Vale do Javari, lança o dossiê “A grave Situação das Hepatites B e D no Vale do Javari”, denunciando que pelo menos há 13 anos os casos de hepatites virais na região vinham causando várias mortes. Informa que, somente no período de junho de 2001 a junho de 2004, haviam ocorrido 22 óbitos por Síndrome Febril Íctero Hemorrágica Aguda e/ou hepatites B e D, sendo 17 casos apenas em 2003.

O objetivo do CTI com a elaboração e divulgação deste dossiê era que as autoridades competentes, pressionadas pela imprensa brasileira, se responsabilizassem pelo controle dessa epidemia que já vinha sendo denunciada há quase 10 anos pelo Conselho Indígena do Vale do Javari – CIVAJA.

Esse dossiê, divulgado junto a imprensa, foi também protocolado na Ouvidoria do Ministério da Saúde, Presidência da Funai, Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da Republica, 6ª Câmara do Ministério Público Federal, Organização Mundial de Saúde – OMS, e repassado via e-mail para várias organizações não-governamentais. Conseguiu atrair grande atenção da mídia, resultando em inúmeras reportagens, sendo as mais importantes e de maior repercussão as reportagens “Ameaça na Floresta: população indígena no Amazonas pode ser dizimada pela hepatite” da Agência Carta Maior e “Perigos na floresta” da Revista Istoé.

Dez meses depois, em abril de 2005, o CTI volta a público lançando um segundo dossiê: “A grave situação de saúde no Vale do Javari continua, mesmo após um ano de denuncias”. Era uma nova tentativa de chamar a atenção da imprensa e das autoridades competentes para a gravíssima situação de saúde dos indígenas do Vale do Javari, que continuava crítica e sem solução mesmo diante das denúncias anteriores.

Mais de cinco anos se passaram desde o lançamento desses dois dossiês e a situação de saúde na TI Vale do Javari continua grave. Ninguém, nem o Ministério Público, nem a FUNAI, nem as inúmeras notícias em jornais de todo o mundo conseguiram fazer com que o governo brasileiro realmente mudasse essa situação de calamidade. O Vale do Javari continua sendo uma fronteira distante e invisível. Suas tragédias de saúde pública parecem fazer parte de um outro país, que o resto do Brasil desconhece. Remontam à época em que os índios eram constantemente dizimados no século passado

Amigos, segue em anexo um documento conciso sobre a situação precária da saúde na Terra Indígena Vale do Javari. Este material acaba de ser produzido pela ONG Centro de Trabalho Indigenista -CTI com informações atualizadas sobre esta questão.

Peço a colaboração de toda a imprensa para a reprodução de matérias/reportagens sobre este assunto que afeta todos os indígenas contatados e isolados que habitam a 2°maior Terra Indígena do Brasil.

Abraços,

Helena Ladeira
Comunicadora do Centro de Trabalho Indigenista

** Para acessar o relatório, na íntegra e no formato PDF, clique aqui

EcoDebate, 22/12/2010

[adrotate group=”1″]

Compartilhar

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Top