Soluções urbanas para amenizar o aquecimento global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

[Ecodebate] O mundo tem muitos problemas específicos e uma grande ameaça que é a mudança climática capaz de gerar uma catastrófe de proporções bíblicas, se nada for feito para mudar as tendências do aquecimento global. As diferentes igrejas deveriam se preocupar menos em criminalizar as mulheres que fazem aborto e se preocupar mais com as empresas, governos e pessoas que estão matando a biodiversidade e a vida na Terra.

No último século, a temperatura média do clima da Terra subiu em torno de 1º C (um grau Celsius). Pode parecer pouco, mas este aumento tem sido responsabilizado, em parte, pelo crescente número de desastres, como tempestades, enchentes, incêndios florestais, secas e diversas outras instabilidades climáticas. Os dados do Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC) mostram que o aumento de um grau Celsius tornou a Terra mais quente do que nos mil anos anteriores. Dos 20 anos mais quentes registrados, 19 ocorreram a partir de 1980. Os três anos mais quentes já observados ocorreram, todos, nos últimos oito anos. O século XXI já está batendo todos os recordes de elevada temperatura e ainda temos mais 90 anos pela frente.

Se o mundo conseguisse estabilizar as emissões de gases de efeito estufa aos níveis alcançados no ano 2000, ainda assim haveria mais um aumento de cerca de 1º C, ao longo das próximas nove décadas. Esse seria o cenário mais otimista. Diversos estudos mostram que para evitar mudanças desastrosas no clima global, a temperatura média do planeta não poderia subir mais do que 2º C. O problema é que, para tanto, seria preciso reduzir as atuais emissões de dióxido de carbono entre 50% e 85% até 2050.

Antes da Revolução Industrial, a concentração de gases de efeito estufa era de 280 partes por milhão (ppm), sendo que as concentrações atmosféricas atuais equivalem a cerca de 425 ppm. As projeções médias, mais recentes, do Massachusetts Institute of Technology (MIT), por meio do Integrated Global System Model, indicam a probabilidade de se atingir a concentração de dióxido de carbono na ordem de 866 ppm, em 2095. Isto significaria um aquecimento global de 5,1° C, o que teria consequências (perdoem o termo) apocalípticas.

O mundo precisa mudar seus padrões de produção e consumo. É preciso reduzir a pegada ecológica da humanidade, reduzindo os impactos das atividades antropogênicas. Como a maior parte da população mundial está nas cidades e a urbanização vai continuar crescendo nas próximas décadas, a mitigação do aquecimento global necessita uma revolução urbana.

Para viabilizar um cenário de baixa emissão de dióxido de carbono é necessário que as cidades – que devem abrigar 70% da população mundial até o ano de 2050 – sejam as pioneiras no controle das emissões. As cidades podem impulsionar as mudanças imediatas envolvendo questões como transporte público, ordenamento da terra e do uso do solo, construção e adaptação de edifícios inteligentes e sustentáveis, conservação da água, reciclagem e aproveitamento do lixo, etc.

A organização ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade – reune municípios dedicados à sustentabilidade urbana e à redução das emissões de gazes de efeito estufa, visando criar cidades sustentáveis rumo a um futuro de baixo-carbono. Vejamos alguns exemplos de ações implementadas em cidades dos Estados Unidos:

Código residencial de edifícios ecológicos – Santa Fé: O códico residencial de edifícios ecológicos aprovado em 2009 estabelece um padrão de alta eficiência energética para todas as novas construções residenciais, para satisfazer cada vez mais rigorosos parâmetros de performance energética.

Semana de trabalho comprimida – Asheville: Em 2008, a cidade de Asheville decidiu cortar a demanda de energia e os custos de deslocamento para os trabalhadores por meio de uma semana de trabalho comprimida. Em vez de uma programação tradicional, todos os funcionários (com exceção da alta administração) trabalham 10 horas por dia, quatro dias por semana. O uso de energia na cidade foi reduzido em 13% por cento, com uma poupança anual estimada de 249 toneladas métricas de CO2 equivalente por ano.

Sistema de aquisição compulsória” (Feed-In Tariff) – Gainesville foi o primeiro município dos Estados Unidos a decretar um preço fixo para o serviço público de energia solar. Gainesville vai pagar 32 centavos por quilowatt/hora (kWh) durante 20 anos para a energia gerada por sistemas eléctricos solares instalados em 2009 e 2010.

Promover a bicicleta e as caminhadas a pé – Chicago: A cidade de Chicago elaborou um plano de apoio aos pedestres e às bicicletas, incluindo recomendações para a construção de uma rede de ciclovia de 500 milhas.

Energia do biogás – Columbia: foi a primeira cidade do Missouri a ter um padrão de energia renovável aprovada pelos eleitores, exigindo fontes renováveis para abastecer a cidade. Ao converter gás de aterros sanitáriso para energia a partir de seus resíduos em decomposição, a cidade pretende gerar 2,1 megawatts de energia renovável, suficiente para abastecer 1.500 casas da cidade.

Tratamento de Águas Residuais – Houston: a cidade testou 20 circuladores flutuantes alimentados por energia solar (SolarBees), concebido para melhorar a qualidade da água potável e reduzir os custos de tratamento, substituindo os métodos intensivos de energia.

Energia solar – Santa Monica: a cidade estabeleceu uma meta de emissão zero até 2020, por meio da construção de uma rede para produzir a electricidade consumida por meio de energia solar e através de medidas de eficiência energética. Oferece gratuitamente avaliações gratuítas para os proprietários de imóveis residenciais e comerciais e fornecedores pré-qualificados.

Referências
Michael Coren .Cities lead the way in action to halt climate change

ICLEI – Planet Earth

José Eustáquio Diniz Alves, colunista do EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado em Estudos Populacionais e Pesquisas Sociais da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE. As opiniões deste artigo são do autor e não refletem necessariamente aquelas da instituição. E-mail: jed_alves{at}yahoo.com.br

EcoDebate, 10/11/2010


Compartilhar

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Comentários encerrados.

Top