Eleições 2010: Greenpeace Brasil apresenta Propostas para um país do século XXI

Para ajudar Dilma e Serra, o Greenpeace preparou uma lista de pontos que qualquer candidato deveria adotar para garantir um futuro diferente para o Brasil.

Os candidatos à Presidência da Republica, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), ainda não apresentaram à população brasileira seus compromissos com o desenvolvimento sustentável e limpo do Brasil.

Até se dignaram a tocar um pouco mais no assunto neste 2ª turno das eleições. Serra e Dilma, por exemplo, rejeitaram a anistia a desmatadores que faz parte da proposta de revisão do Código Florestal que tramita na Câmara dos Deputados. Mas com relação ao compromisso com o desmatamento zero e a ampliação da presença de fontes solar e eólica na matriz energética do país, nenhum dos dois foi muito além de frases de efeito.

Em resumo, os brasileiros continuam sem saber o que Dilma e Serra planejam em relação a temas cruciais, como a proteção de nossas matas, o futuro da nossa matriz energética, a conservação dos nossos mares e o combate às mudanças climáticas.

Para ajudar os candidatos nesta tarefa, o Greenpeace apresenta aqui uma série de propostas para a construção de um Brasil plugado no século XXI: arrojado, inovador e verde.

Florestas: Desmatamento zero em 2015

– adoção de um sistema de metas anuais para a redução do desmatamento

– investimentos da ordem de R$ 1 bilhão por ano para se compensar financeiramente aqueles que promoverem efetiva redução do desmatamento na Amazônia e também para se pagar serviços ambientais prestados pela floresta.

– implementação da meta de criação das unidades de conservação na Amazônia

– cadastramento obrigatório das propriedades rurais na Amazônia

– aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 438/2001, que prevê o confisco de.terras onde ocorra trabalho escravo, em tramitação na Câmara dos Deputados.

Energia: Brasil campeão das energias renováveis

– aprovação e implementação da lei de energias renováveis

– abandono dos planos de ampliação da energia nuclear no Brasil

– Redução da energia fóssil (carvão e petróleo) na matriz energética como o aumento da proporção de energias renováveis ( hidrelétrica, eólica, solar e biocombustíveis)

Clima: Brasil livre de emissões de gases de efeito estufa

– Cumprir, até 2020, a meta de redução de até 39% das emissões de gases de efeito esfufa, assumida pelo Brasil na COP 15 em 2009

Oceanos: Proteção dos oceanos já

– criação de unidades de conservação marinhas

– estabelecer na área da Zona Econômica Exclusiva Brasileira áreas aptas e não-aptas à exploração de gás e óleo

Transgênicos: Rotulagem

– garantia de continuidade da rotulagem de produtos geneticamente modificados, para que o brasileiro exerça o direito de saber o que está comendo.

Fonte: Greenpeace Brasil

EcoDebate, 22/10/2010



[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

3 comentários em “Eleições 2010: Greenpeace Brasil apresenta Propostas para um país do século XXI

  1. Greem peace, é o monopólio do protesto, esta griffe de eco gigolôs das floresta alheias, devia ser expulsa do país. Vá dar palpites para o Obama, vá exigir a punição dos responsaveis da BP bastante propina, a ditadura da BP encheu os bolços desta máfia, por isto este silêncio. Quem deu $90.000.000,00 para a Marina, junto com o Serra para entregar o patrimonio público? tudo numa campanha perdida? E dai acatar as ordens dos corruptores, para travar o desenvolvimento do Brasil em favor do desemprego no USA, e na Europa.

  2. Energia Hidrelétrica
    NÃO É SUSTENTÁVEL.

    Represas Hidrelétricas tem vida útil limitado à 50, 70 anos, difícilmente 100 anos; A água parada (lentica) na represa causa a sedimentação de sedimento suspensos na água corrente.

    A represa vai se assoreando com esses sedimentos, carregados anualmente pelas cheias e exurradas dos períodos chuvosos, principalmente quando tem atividaes agrícolas mecanizadas à montanta (acima da represa).

    As fortes chuvas no per[odo chuvoso carregam sedimentos nos rios afluentes acima da represa, causando a sedimentação da represa, até o momento que resta uma fina lâmina d’água, sem a reserva hídrica original da represa.

    Também o rio ajusante (abaixo) quase não tem mais as cheias fortes das trombas d’àgua das chuvas fortes, que ajudam à limpar a calha do rio (a represa absorve a força da água das enchentes, soltando apenas vazão mínima / média).

    Sem as enchentes regulares, o rio abaixo também vai sendo sedimentando e sendo assoreado, reduzindo a sua capacidade de conter as trombas d’água.

    Daí, quando acontecem chuvas grossas, demoradas, a represa tem que liberar o alto volume de água, o que causa inundações nas cidades abaixo, porque a calha original do rio abaixo da represa acumula sedimentada sem as cheias anuais. Os sedimentos vão acumulando ao longo dos anos. Quando vem uma cheia excepcional, o rio ajusante da represa não comporta mais o volume extra e transborda, causando as enchentes (agravados pela represas à montante).

    Por isso, não, repreasas hidrelétricas não podem ser chamadas de sustentáveis ao longo do tempo.

    E pior, os piores impactos ambientais e sociais acontecem no final da vida útil dá represa: não gera mais energia, cai a economia gerada pela represa, parando o comércio; não tem mais peixe, cachoeira nem transporte fluvial… aí que o verdadeiro desastre humano começa.

    REPRESAS HIDRELÉTRICAS NÃO SÃO SUSTENTÁVEIS AO LONGO DO TEMPO (TAMBEM NÃO SÃO ‘LIMPOS’, POIS A DECOMPOSIÇÃO DOS RESTOS VEGETAIS E DA MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO APODRECEM DEBAIXO DA ÁGUA, GERANDO O GÁS METANO, MUITO PIOR QUE O GÁS CARBONO, QUE ALTERA O CLIMA.

    Eu gostaria de interessados me enviem comentários, correcões, ect. para piter.veadeiros@yahoo.com.br.

    Grato, Peter Midkiff

Comentários encerrados.

Top