Judas e os trinta dinheiros, artigo de artigo de Maurício Gomide Martins

[EcoDebate] Entendemos que o episódio de Judas e os trinta dinheiros, que mudou completamente o rumo de uma história, sem querermos abordar o assunto como histórico ou religioso, foi a citação de uma ação emblemática e consistente na vivência social. A compra de um beijo indicativo com 30 dinheiros tem em seu significado a afirmação de uma verdade que vale e instrumentaliza a sociedade até hoje.

Desde cedo, na vivência social, o atrativo pelo ganho individual de um bem concreto sem o esforço do trabalho – um lucro – já tinha as suas raízes. Aquele que tem muito dinheiro vale não pela soma de seus bens sonantes em si, mas pelo poder de comprar confortos e consciências. Quantos miseráveis se vendem por apenas 500 reais? Vemos, no cotidiano de nosso âmbito, que é fácil achar pessoas que se dispõem a matar alguém que não conhecem a troco de 500 reais. São os executores, sem alma, sem cérebro, verdadeiros autômatos e desagregadores da saúde social. Os mandantes, perversos, covardes e refugos humanos têm o instrumento realizador de sua vontade e vaidades: o maldito dinheiro.


Isso é só uma faceta desse poderio. Temos exemplos ocultos que nem podem ser citados aqui, sob pena de termos que provar. Mas, como diz o dito espanhol, que os há, há. Todos sabem, mas não podem falar. Essas coisas acontecem às ocultas, sob o manto protetor do sigilo cuidadoso, é claro! Tais situações não podem ser comprovadas, mas podem ser deduzidas. Aí é que entra a capacidade mental (para quem a usa), fazendo a análise crítica e deduções lógicas. Vamos citar alguns casos, generalizando-os, para que os ingênuos passem a enxergar.

Parte-se do princípio de que todos são vendáveis. Claro que há exceções; isso reconhecemos. No assunto de que estamos falando, fica pendente apenas a identificação do quanto. Para quem dispõe de rios de dinheiro, como os governos em geral, isso se torna muito fácil, dependendo apenas do tamanho dos interesses de quem compra. Quando se descobre alguma corrupção, é só o acusado alegar que não é verdade. Se a ação criminosa for documentada, como temos visto aos montes na área política, é só contratar um advogado que, com apoio nas leis, suas complicações e interpretações, ficará tudo bem.

Na política internacional, vemos casos incríveis. Exemplo: o Paquistão é um país formado por 97% de muçulmanos. Os EE.UU., na estratégia contra o povo de Afeganistão, precisava do apoio daquele pais. Depois de conversas altamente qualificadas, “amistosas”, convincentes e “impres-sonantes”, o governo do Paquistão mandou que seu exército atacasse os talibans, isto é, seus irmãos de fé. Toda política internacional é feita com argumentos bélicos ou sonantes. Se, nos cálculos, a guerra se mostra mais dispendiosas, abrevia-se o assunto combinando-se o preço. Ô mundo! Tudo tem seu preço; até consciências. Tudo depende do grau de importância do objetivo e capacidade financeira do pagante. Diplomacia, em seu sentido claro, é isso: “faça o que eu quero ou…”

Relatamos um caso real, pouco divulgado pela mídia. No princípio da guerra do Afeganistão, os americanos ofereceram 80.000 dólares para um chefe pachto de um dos diversos clãs do interior para que colaborasse com as tropas americanas. O chefe contrapropôs 200.000 dólares. Os invasores, como resposta, bombardearam levemente as vilas. O chefe selou o acordo por 20.000 dólares. A isso, chama-se “argumento das armas”.

Esse é um dos aspectos maléficos e degradantes do arcabouço econômico na organização social baseada no dinheiro. Quando a destruição do meio ambiente é o objetivo, a estratégia é a mesma, como temos visto nos milhares de ações dilacerantes que se cometem contra nossa mãe Terra. Basta uma conversa convincente de quem tem 30 dinheiros no bolso.

Agora mesmo, no Congresso Brasileiro, estamos vendo o empenho de um deputado para aprovar o perdão de todas as dívidas dos criminosos madeireiros que assassinaram milhares de hectares dos biomas da Mata Atlântica, Amazônia, Caatinga, Cerrado e Pantanal.

Desconheço o motivo de tanto esforço desse político, que sacrifica seus momentos de lazer, convivência familiar e confortos em favor de uma “causa tão nobre e benemérita para a humanidade”.

30 dinheiros escrevem a História do mundo, apesar da luta ingente empreendida pelos idealistas.

Maurício Gomide Martins, 82 anos, ambientalista e articulista do EcoDebate, residente em Belo Horizonte(MG), depois de aposentado como auditor do Banco do Brasil, já escreveu três livros. Um de crônicas chamado “Crônicas Ezkizitaz”, onde perfila questões diversas sob uma óptica filosófica. O outro, intitulado “Nas Pegadas da Vida”, é um ensaio que constrói uma conjectura sobre a identidade da Vida. E o último, chamado “Agora ou Nunca Mais”, sob o gênero “romance de tese”, onde aborda a questão ambiental sob uma visão extremamente real e indica o único caminho a seguir para a salvação da humanidade.

EcoDebate, 16/06/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top