Ação civil pública para barrar empreendimento em área de restinga da região metropolitana de Maceió

Cepram e IMA concederam licença prévia irregularmente e ignoraram risco ambiental, entre outras omissões

O Ministério Público Federal em Alagoas (MPF/AL) quer impedir a destruição da última porção de restinga da região metropolitana de Maceió. Para isso, moveu hoje, 11 de junho, ação civil pública com pedido de liminar contra o Estado de Alagoas, Instituto do Meio Ambiente (IMA) e a empresa Barra de São Miguel Empreendimentos Imobiliário SPE LTDA, no intuito de anular todo o processo de licenciamento prévio concedido para a construção de um megaempreendimento hoteleiro-residencial de 2 mil km² entre os municípios de Marechal Deodoro e Barra de São Miguel.


Estudos da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) apontam para danos irreparáveis ao meio ambiente caso o empreendimento seja erguido, uma vez que a área é local de reprodução de quatro espécies de tartaruga marinha ameaçadas de extinção, e outras 50 de pássaros. Fatos que, no entanto, sequer foram considerados pelos órgãos ambientais na concessão da licença prévia e tampouco constam no estudo de impacto ambiental (EIA) da obra.

De acordo com a ação, várias outras irregularidades foram detectadas durante a concessão de licença prévia pelo Conselho de Proteção ao Meio Ambiente (Cepram) e pelo IMA. A principal delas é o fato de os órgãos ambientais haverem concedido a licença ignorando suas próprias determinações, pois já haviam condicionado a duplicação da rodovia AL-101 sul à criação de uma Unidade de Conservação exatamente na área de restinga onde, posteriormente, autorizou a implantação do empreendimento.

Além disso, o presidente do IMA, Adriano Augusto, e seu diretor técnico Gustavo Silva de Carvalho, atuaram irregularmente no caso, uma vez que possuíam relação de afinidade e parentesco com interessados no licenciamento (segundo informações fornecidas por cadastros públicos). O que representa afronta ao princípios constitucionais da legalidade, moralidade e impessoalidade administrativas. Entre os técnicos que elaboraram o EIA, estão o irmão do diretor técnico do IMA, Fernando Silva de Carvalho e a mulher de Adriano Augusto, Cristina Araújo, que também era funcionária pública à época da elaboração do relatório (segundo a documentação dos autos, emitida por cadastros públicos).

Outra queixa apurada pelo Ministério Público diz respeito a ausência de participação efetiva da sociedade civil na discussão acerca da construção do empreendimento. Apesar de haver assinaturas contrárias ao empreendimento, a ata da audiência pública que tratou do assunto simplesmente omitiu as opiniões. Para o MPF, típica violação aos princípios da participação popular e da informação.

Urgência – Segundo MPF, as omissões detectadas no EIA do empreendedor, por si só, já são suficientes para gerar a nulidade absoluta da licença prévia, e de eventual Licença de Implantação, e de Licença de Operação emitidas pelo IMA/AL e Cepram/AL. O MPF, no entanto, pediu ainda à justiça que a mesma obrigue o IMA a criar a unidade de conservação prevista para o local, bem como a determinação para que o licenciamento ambiental seja feito pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), além da condenação dos responsáveis por eventuais danos ambientais irreversíveis ao pagamento de indenização.

A próxima reunião do Cepram está agendada para 6 de julho, e se for concedida Licença de Implantação ao empreendimento, a área poderá ser desmatada.

Informe da Procuradoria da Republica em Alagoas, publicado pelo EcoDebate, 14/06/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

2 comentários em “Ação civil pública para barrar empreendimento em área de restinga da região metropolitana de Maceió

  1. O povo alagoano não pode engolir elefantes e se engasgar com formigas. Já não bastam as dificuldades impostas por este Estado super atrasado da Federação em atrair investimentos de fora que nos traga mais emprego e renda? Já não basta a péssima imagem que passamos para todo o Brasil da podridão que são os nossos representantes? Ecossistema por ecossistema, não existe um só, em todo o planeta, que já não esteja desiquilibrado pela ação do homem. Então, pra que tais ações egocêntricas e de falsa ou ignorante moral para frear aqueles que dispõem de capital para investir em nosso Estado? Isso está me parecendo com atitudes embasadas mais na ideologia comunista pós-mortem invejosa do que na verdadeira vontade de protejer o meio ambiente. Vejamos as origens dos fatos primeiro, principalmente nas cabeças decisivas destes atos, antes que queiramos tapar o Sol com uma peneira. Ler um pouco de Freud talvez ajude também.

Comentários encerrados.

Top