Deslocalização agrícola: Chineses querem mais terras no Brasil

Os chineses até tentam esconder, mas não conseguem: planejam comprar mais terras no Brasil para produzir soja e milho, como confirmou ontem Zheng Qingzhi, presidente da China National Agricultural Development Group Corporation (CNADC), uma empresa estatal que já tem investimentos agrícolas em 40 países.

Após conversar com Qingzhi, ontem em Genebra, Alessandro Teixeira, presidente da Associação Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), disse que os aportes chineses poderão alcançar centenas de milhões de dólares, como atestam notícias e relatos de projetos planejados ou em curso principalmente em regiões do Cerrado. Qingzhi ressalvou que “é cedo para confirmar uma decisão” no caso da estatal que dirige, mas Teixeira comentou que os chineses estão buscando terras no Centro-Oeste brasileiro, e que eles são bem-vindos.

“Estamos conversando”, disse Teixeira. Ainda há alguma prudência porque a agricultura é um setor difícil para os estrangeiros entrarem no Brasil, até pelo alto nível de competitividade do país no setor. Teixeira conta que um grande empresário egípcio, produtor de arroz, chegou ao Brasil querendo investir na agricultura. Foi ao Rio Grande do Sul e a resposta que recebeu foi de que havia arroz para vender, mas não terras. Reportagem de Assis Moreira, no Valor Econômico.

O recente – e crescente – interesse de grandes grupos estrangeiros em realizar aportes diretos na agricultura em geral, e na produção de alimentos em particular, tem sido evidenciada pela compra de amplas porções de terras em países em desenvolvimento por conglomerados da Coreia do Sul e da Arábia Saudita, por exemplo.

Mas a China também está causando celeuma. A própria estatal CNADC já apresentou investimentos em arroz em Guiné, sisal na Tanzânia e ovos em Zâmbia, entre outros projetos acompanhados de instalação de hospitais, escolas e doações aos governos locais. Para analistas, é o novo colonialismo.

O executivo chinês se defende. Para ele, tratam-se de projetos em que os dois lados ganham. Pequim produz no exterior tanto para vender a seu próprio mercado quanto para exportar para destinos como EUA, Europa e Japão. Mas há países na África, como Camarões, que dizem que só dando a terra de graça é que conseguem atrair investidores estrangeiros. Outros africanos retrucam que dessa maneira não é possível desenvolver a agricultura nos países em desenvolvimento.

“Devemos dar mais importância aos investimentos na agricultura”, disse Qingzhi. A China está propondo a criação de um fundo para investimentos internacionais na agricultura, mas ele não deu detalhes.

O Japão, maior importador de alimentos no mundo em termos líquidos, mostrou, também em Genebra, um projeto da Gialinks, uma companhia privada com 478 investidores que já comprou 1.250 hectares de terras na Argentina para produzir soja e que agora avança no Paraguai e Peru, sempre com agricultores de origem japonesa e a produção destinada ao Japão.

O representante do governo japonês, Masahiko Suneya, deu como outro exemplo de sucesso a cooperação do Japão no desenvolvimento do Cerrado brasileiro, em um modelo também aplicado na produção de arroz na África.

A FAO, braço da ONU para Agricultura e Alimentação, estima que a produção alimentar precisa crescer 70% em relação ao nível atual para atender à população estimada em quase 10 bilhões de pessoas até 2050. No total, o fluxo de investimentos estrangeiros diretos (IED) na agricultura representa apenas 1% do total global, ficando próximo de US$ 3 bilhões por ano.

Mas, diante do crescente interesse estrangeiro em terras em outras fronteiras, a comunidade internacional discute a criação de um conjunto de regras para “investimento responsável na agricultura”. Os critérios incluem estabilidade política, segurança alimentar local e proteção ambiental.

EcoDebate, 28/04/2010

Nota do Ecodebate: sobre deslocalização agrícola ou offshore farming sugerimos que leiam, também, as matérias:

Demanda mundial de biocombustíveis gera risco de despejo para agricultores africanos

Deslocalização agrícola: Terceirização de terras prejudica países em desenvolvimento

Deslocalização agrícola: Estrangeiros querem terras para produzir alimentos e o País não tem controle desses investimentos

Deslocalização agrícola: A África dá as suas terras em troca de nada

Deslocalização agrícola: Países investem na compra de terras agrícolas no exterior

Deslocalização agrícola: Arábia Saudita busca a autossuficiência alimentar com cultivos no exterior

Deslocalização agrícola: Após investir no Cazaquistão, a China está de olho nas terras russas inexploradas

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top