Crise financeira pode fechar o Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro(Iuperj)

Um dos mais renomados centros de ensino de pós-graduação do país, o Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj), corre o risco de fechar. A sua mantenedora, a Universidade Cândido Mendes (Ucam), passa por uma crise financeira que atrasou o pagamento do salários dos 21 professores. O último depósito foi feito em março, referente a novembro do ano passado.

“A Cândido Mendes está em uma crise muito séria. O reitor afirmou que não iria pagar salários este ano para a gente. Ao todo ficamos nove meses sem salários. Décimo terceiro e férias não nos pagam há muitos anos”, disse o coordenador de Ensino do Iuperj, Carlos Antônio Costa Ribeiro.

Com 40 anos de existência e notas máximas na avaliação da Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) nos cursos de pós-graduação em sociologia e ciência política, o Iuperj é referência. Apesar de o instituto ser ligado a uma universidade privada, os alunos não pagam para estudar, pois são mantidos com recursos de bolsas do governo federal.

Para Ribeiro, a solução em curto prazo pode ser a concessão de bolsas pela Capes e, em médio prazo, a transformação do Iuperj em uma organização social (OS) desvinculada da Ucam, o que só ocorreria por volta de 2012.

“Em curto prazo, nós temos uma falta de recursos para pagar os salários dos professores. Caso não haja uma solução intermediária, é muito provável que o Iuperj feche”, afirmou o professor.

Uma ação provisória, pelo menos quanto aos salários dos professores, pode ser um consórcio de bolsas, segundo o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães.

“Há o risco de essa instituição entrar em uma situação irreversível. Levamos o assunto ao ministro [da Educação] Fernando Haddad e ele autorizou que a Capes faça as negociações para dar, pelo menos em curto prazo, uma solução temporária, enquanto não sai algo mais definitivo, que eu penso ser a vinculação a uma universidade pública”, afirmou o presidente da Capes.

Outra entidade interessada em encontrar uma solução para o Iuperj é a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), ligada ao Ministério da Ciência e Tecnologia. Segundo o Departamento de Comunicação da Finep, está sendo negociado um apoio financeiro para as linhas de pesquisa do instituto, até que ele se transforme em uma OS.

Enquanto isso, resta aos estudantes a incerteza sobre o futuro. Muitos são de outros estados para fazer a pós-graduação no instituto e agora não sabem se haverá aulas no próximo semestre. É o caso de Jéferson Mariano Silva, que veio de Belo Horizonte para cursar mestrado em ciência política. Representante dos alunos, ele diz que existe o temor do fechamento da instituição.

“As notícias que temos é que, para o próximo semestre, o Iuperj vai ter bastantes dificuldades financeiras para manter as pesquisas e as aulas. O quadro em curto prazo é decisivo para o futuro do instituto. Na ausência de uma solução rápida, é possível que não haja seleção para o próximo ano”, lamentou o estudante.

Reitor da Cândido Mendes diz que saída para Iuperj é vinculação ao MCT

O reitor da Universidade Cândido Mendes (Ucam), professor Cândido Mendes, disse que a solução para o problema enfrentado pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj) não é a transformação em uma organização social (OS). A Cândido Mendes, mantenedora do instituto, passa por uma crise financeira que atrasou o pagamento do salários dos 21 professores.

Segundo o reitor, a universidade já conseguiu equacionar a dívida com o governo federal. “O assunto foi entregue diretamente ao presidente da República. Ele combinou comigo a solução do problema. A situação está perfeitamente encaminhada, não vai ser uma OS, porque uma OS não tem condições de fazer pagamento de salários”, afirmou o reitor

“Estamos encaminhando para outra solução no Ministério da Ciência e Tecnologia [MCT]. Será de um órgão cooperador do ministério. O Iuperj ficará nesta responsabilidade conjunta desse conselho de cooperação do ministério e da Cândido Mendes. Continuará sob a personalidade da Cândido Mendes”, acrescentou.

Segundo ele, o Iuperj seria uma unidade cooperada do ministério e ficaria ligado ao Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia (IBCT), recebendo recursos da pasta e da Ucam.

O reitor disse ainda que a Cândido Mendes conseguiu renegociar suas dívidas previdenciárias e fiscais e creditou o problema à inadimplência de cerca de 20% dos estudantes, o que teria levado à crise geral da maior parte das universidades particulares no país. A Ucam tem 18 mil alunos, que estudam em 11 campi.

Reportagem de Vladimir Platonow, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 24/04/2010

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

5 comentários em “Crise financeira pode fechar o Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro(Iuperj)

  1. Qualquer entidade que trabalhe com pesquisa, neste país, precisa ser bem avaliada pelo governo federal e,sempre auxiliada em caso de perigo de fechamento. Se a entidade mantenedora deste instituto passa por uma crise financeira, que atrasa o pagamento de salários, os órgãos responsáveis por pesquisas, no âmbito federal, precisam assumir o compromisso de dar ajuda e levar à frente este trabalho,mesmo que seja mudança na manutenção. A Pesquisa é, hoje, o que move a vida de todo país. Os destinos que derem ao IUPERJ poderá marcar desenvolvimento ou prejuízo para a nação.
    Se podemos socorrer empresas como por exemplo bancos, para que não encerrem os trabalhos, mais ainda devemos socorrer aquelas que representam o futuro de todo o povo.

Comentários encerrados.

Top