Caetité, BA: Agência Internacional de Energia Atômica e Cnem iniciam investigação sobre suspeita de radiação na água

radiação

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da Organização das Nações Unidas (ONU) e a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) farão uma auditoria – de ontem (25) até o dia 3 de fevereiro – para verificar as instalações das Indústrias Nucleares do Brasil (INB) e a qualidade da água da região. O pedido de auditoria foi feito pela própria estatal que é acusada de contaminar com radioatividade parte da água consumida pela população da cidade baiana de Caetité.

O consumo de água em três pontos da cidade foi proibido após notificação do Instituto de Gestão das Águas e Clima (Ingá), entidade ligada à Secretaria de Saúde do estado, apontando índices de radioatividade superiores ao permitido pelo Ministério da Saúde.

Dois pontos estão localizados na sede da INB. O terceiro, um poço utilizado para abastecimento de 15 famílias, fica na prefeitura do povoado Barreiro, zona rural de Caetité.

Em resposta, a INB divulgou uma nota afirmando que “dois dos três poços notificados pelo Ingá estão dentro da unidade da INB e são utilizados somente para fins industriais”, e que o o poço de Barreiro “fica a seis quilômetros da mina de urânio, não sendo possível pelo caminho natural das águas ter tido contato com material proveniente da sua unidade de produção”.

A nota afirma, ainda, que pode ocorrer aumento das concentrações de urânio nas águas subterrâneas do município de Caetité, uma vez que existe uma grande reserva natural de urânio na região.

“Não é a primeira vez que esse tipo de denúncia é feito em Caetité. Em outras situações apresentaram inclusive dados falsos que não foram confirmados em análises posteriores”, disse hoje (25) à Agência Brasil o presidente do Cnen, Odair Dias Gonçalves, referindo-se a denúncias feitas em 2008.

No caso do poço de Barreiro, Gonçalves garante que “não há como a contaminação ter sido causada pela INB”. Ele explica que o curso da água passa primeiro na localidade e, só depois, na empresa, a caminho do mar.

“Caetité é uma região uranífera. Com isso, naturalmente, pode vir a apresentar, em alguns pontos, traços de água com índices de radioatividade mais altos. Isso é perfeitamente normal”, acrescentou.

Segundo ele, a população “não precisa se preocupar” porque a Cnem tem um programa usual de inspeção de postos. “De qualquer forma vamos medir novamente o índice de radioatividade desses pontos, mas sem partir do pressuposto de que os números [apresentados pelo Ingá] sejam verdadeiros”, disse Gonçalves.

O Ingá informou que Caetité é o município que apresenta maior índice de câncer de todo o estado da Bahia. Por meio da assessoria, o instituto disse não ter como afirmar, ainda, a origem da radiação, e que a ele cabe apenas notificar as autoridades de que a água não estaria própria para consumo.

Reportagem de Pedro Peduzzi, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 26/01/2010

Nota do EcoDebate:  Sugerimos que leiam, ainda, as seguintes matérias:

Caetité, BA: Radioatividade suspende da coleta de água em três pontos de captação

Vazamento de solvente orgânico com urânio em Caetité, BA: INGA confirma, mas não revela detalhes da contaminação

Denúncia: Vazamento de 30 mil litros de concentrado de urânio em Caetité, BA

Mineração de urânio em Caetité/BA: os custos socioambientais da energia nuclear, artigo de Zoraide Vilasboas

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

Comentários encerrados.

Top