Copa de 2014 promete dar uma goleada de sustentabilidade, artigo de Carol Salsa

Logo da Copa 2014

[EcoDebate] A Copa do Mundo de 2014 é um evento que vem sendo concebido segundo os princípios da sustentabilidade. Assim, o Brasil estrearia a primeira “Copa do Mundo Verde”. As ações seriam dirigidas aos 12 estádios que vão sediar os jogos em EcoArenas.

Alguns projetistas denominaram de EcoArenas estádios ecológicos construídos de forma a causar o menor impacto ambiental possível, sem desperdício de materiais e com maior eficiência energética. Parte de sua demanda interna de água e energia seria suprida por painéis fotovoltaicos para captura de energia solar e por sistemas de coleta de água de chuva, que seria tratada e reaproveitada na irrigação do campo e em instalações sanitárias.

EcoArenas e soluções sustentáveis em infraestrutura fazem parte da campanha por uma “ Copa verde” no Brasil, em 2014. O enfoque foi dado pela Deutsche Welle Online, em 15 de março de 2009.

A Câmara Brasil Alemanha – AHK, através da Ecogerma, debateu temas ligados ao evento e revelou que os estádios projetados para as cidades-candidatas Brasília e Cuiabá seguirão o modelo ecológico, bem como a reforma projetada para o Maracanã, Estádio Jornalista Mário Filho, no Rio de Janeiro, desenvolvida pelo escritório Castro Mello Arquitetura Esportiva, de São Paulo.

“O Brasil tem a chance de fazer a maior ação coordenadora de green building do mundo, e isso traria não apenas benefícios ambientais, como também seria excelente para a imagem do país”, argumenta o arquiteto Vicente de Castro Mello, lembrando que também as empresas que vierem a associar seu nome à
empreiteira sairiam beneficiadas.

A campanha não prevê a construção de novos estádios, apenas, uma nova remodelagem nas estruturas preexistentes com aproveitamento da área e campo de futebol. O Estádio Mané Garrincha, em Brasília, por exemplo, irá ampliar sua capacidade de 42 mil para 71 mil lugares, em projeto orçado em R$ 522 milhões. A previsão do orçamento para o estádio Governador José Fragelli seria renovado ao custo de aproximadamente R$ 380 milhões, ganhando capacidade para 45 mil pessoas.

A AHK trouxe o exemplo de sucesso em sintonia com as EcoArenas , destaque do debate. O Estádio Badenova, em Freiburg, foi pioneiro ao adotar painéis fotovoltaicos em sua cobertura, que hoje suprem 50% de sua demanda energética.

Além das tradicionais exigências para as cidades e os estádios que vão sediar a Copa do Mundo, a Fifa estabeleceu a partir da Copa da Alemanha, em 2006, o programa dos Green Goals, uma lista de metas verdes a serem alcançadas para tornar o evento mais sustentável.

“A idéia dos Green Goals começou a tomar corpo na Copa da Alemanha e estamos aplicando seus princípios na África do Sul mas acreditamos que a primeira grande aplicação deste caderno de encargos vai ser no Brasil em 2014” , diz Robson Kalil, sócio da empresa Deloitte na área de gestão de riscos empresariais. “O país já vem buscando padrões de comportamento sustentáveis com muita seriedade, e a Copa vai entrar como um catalisador nesse processo todo, acelerando o movimento que hoje já é perceptível.”

Algumas outras soluções tais como as viárias, com investimentos sobre trilhos em detrimento do sobre rodas e todas as recomendações que fazem uma construção sustentável contemplarão o aproveitamento da iluminação natural e ventilação.

O diretor regional da Siemens para o Rio de Janeiro, afirma:” Se os investimentos forem feitos de forma correta, pensando em suas aplicações futuras e contando com o apoio da sociedade, 100% dos investimentos ficarão como legado para depois”. Acrescenta, “nenhum de nós quer um investimento apenas para os 30 dias da Copa. É um evento para o futuro do país”.

A participação do economista americano Ian McKee que trabalhou no Banco Goldman Sachs, em Nova York onde se credenciou pelo LEED – Leadearship in Energy and Environmental Design (ou Liderança em Design de Energia e Meio Ambiente), através do U.S. Green Building Council – Conselho de Construções Sustentáveis, nos Estados Unidos, está habilitado a certificar construções sustentáveis no mundo todo.

Ian e Vicente participaram do “Fórum Nacional de Arquitetura, Iluminação e Sustentabilidade “que aconteceu nos dias 20 e 21 de agosto passado, em São Paulo, com a presença de 17 arquitetos envolvidos nos projetos da Copa 2014.

Considerando que uma Copa do Mundo é o maior evento de mídia do planeta bilhões de dólares serão gerados com o marketing e a venda dos direitos de imagem. Um bom momento para arregimentar trabalhadores da construção civil e realizar programas de capacitação de mão de obra para o desempenho das funções necessárias e que estejam a altura deste evento.

Fazendo nossas as palavras de Ian e Vicente, obras com o mínimo impacto ambiental possível será a grande vitória brasileira.

Agora dizemos nós, eventualmente, também, sermos o campeão da Copa 2014.

Fontes:
http://planetasustentavel.abril.com.br/inc/pop_print.html
http://www.dw-world.de/dw/article/0,,4099937,00.html

Carol Salsa, colaboradora e articulista do EcoDebate é engenheira civil, pós-graduada em Mecânica dos Solos pela COPPE/UFRJ, Gestão Ambiental e Ecologia pela UFMG, Educação Ambiental pela FUBRA, Analista Ambiental concursada da FEAM.

EcoDebate, 19/11/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta utilizar o formulário abaixo. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Participe do grupo Boletim diário EcoDebate
E-mail:
Visitar este grupo

13 comentários em “Copa de 2014 promete dar uma goleada de sustentabilidade, artigo de Carol Salsa

  1. Primeiro: Vamos ganhar essa sim!
    Segundo: alguns destas ações já foram implantadas na Copa de 2002, Japão-Coréia.
    E por aqui nos PAN 2007 o estádio Engenhão e demais novas instalações foram p. ex. dotadas do aproveitamento da Água de Chuva, com grande economia de água. Não estamos saindo do Zero!
    Uma curiosidade: na Copa da Alemanha o “Green Goal” teve quem como principal embaixador??
    O nosso Pelê, com grande destaque na imprensa internacional, com recepção pelo então Chanceler Schroeder, mas a nossa literalmente “não deu bola”.
    Abraços
    Jack

  2. Caro Jack,

    A goleada de sustentabilidade não significa pioneirismo no emprego de certas tecnologias. A goleada é um conjunto de soluções de sustentabilidade desde(……..) até os dias de hoje( 19/11/2009). Seria o somatório de todas as tecnologias usadas em 1994,1998,2002,2006 e os que virão em 2010, como grama sintética, não descartada pelo Blatter, até o ano de 2014. O imaginário da Copa 2014 não pertence a um , dois ou mais grupos( sempre representando a minoria) do que dizem ou deixam de dizer.
    Agradeço sua participação porque esta é sempre uma oportunidade de debate que temos.

    Carol Salsa

Comentários encerrados.

Top