Ambientalistas reagem à pressão por mudanças no Código Florestal


O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, participa de reunião com ambientalistas, parlamentares e movimentos sociais, sobre mudanças no código florestal Foto: Marcello Casal Jr./ABr

Os ambientalistas decidiram reagir à ofensiva de representantes do agronegócio por mudanças no Código Florestal. O ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, reuniu ontem (20) parlamentares ambientalistas, organizações não governamentais e movimentos sociais ligados à reforma agrária para definir uma agenda comum e selar o que chamou de “aliança história da ecologia com a agricultura familiar”.

Segundo Minc, os ambientalistas até concordam em flexibilizar alguns pontos da legislação ambiental vigente, mas só para os pequenos agricultores. Entre as concessões, o ministro admite a possibilidade de compensação do desmatamento em áreas fora da propriedade – desde que no mesmo bioma – e a utilização de espécies não nativas para recomposição do que foi desmatado, com a utilização de árvores frutíferas.

As posições ambientalistas sobre as propostas de mudança do código vão ser levadas ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O documento ainda deve incluir a defesa do pagamento de serviços ambientais para quem preservar e a simplificação da averbação de reserva legal nas pequenas propriedades. Minc disse que o acordo é “uma injeção de ânimo” diante da “ação desproporcional” de setores do agronegócio na discussão da revisão do Código Florestal até agora.

“Há um rolo compressor conservador que está crescendo no governo, no parlamento e na sociedade. O ministro da Agricultura estimula esse movimento. Eu não quero uma derrota honrosa. Temos que nos articular para derrotar politicamente quem está usando a agricultura familiar como desculpa”, afirmou.

Segundo a representante da ONG TNC [The Nature Conservacy] no Brasil, Ana Cristina Barros, o agronegócio está utilizando o argumento de defesa dos pequenos produtores para tentar aprovar as mudanças na legislação. “A CNA [Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil] está colocando a agricultura familiar no escudo do debate. É importante deixar claro que a agricultura familiar tem sua própria representação.”

Apesar da “aliança” entre ambientalistas e pequenos produtores, ainda há divergências entre os dois setores, principalmente em relação à produção em áreas de várzea e a definição dos limites mínimos de preservação ao longo das margens de rios. A Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) defende que órgãos ambientais dos estados sejam os responsáveis pela definição do tamanho da Área de Preservação Permanente (APP), a partir de estudos específicos em cada região. Minc admite no máximo a diferenciação por biomas, sem abrir mão de regras com validade nacional.

Matéria de Luana Lourenço, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 21/05/2009.

Nota do EcoDebate: a proposta defendida pelos ruralistas é abertamente apoiada pelo ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes e pode ser encontrada na matéria “Stephanes define cinco pontos básicos a serem mudados no Código Florestal“.

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Um comentário em “Ambientalistas reagem à pressão por mudanças no Código Florestal

  1. Eu penso que hoje, a única alteração possível seria permitir que a área de preservação permanente pudesse ser incluída na reserva legal obrigatória, ou seja, essa seria confinante a APP, pois irracional seria reduzi-la. Eu também penso que pessoas inteligentes e conscientes sabem que água depende de floresta e vice versa. A água permite colheitas de alimentos, dinheiro, status, qualidade de vida etc. Não faz sentido esse esforço descomunal e raivoso em querer alterar o Código Ambiental. Nós precisamos compreender que o legislador em principio busca o bem estar da sociedade em geral e não apenas de poucos “privilegiados”.

Comentários encerrados.

Top