Acidificação dos mares pode causar extinção em massa, alertam cientistas

Acidificação do mar. Imagem da BBC
Acidificação do mar. Imagem da BBC

Cientistas britânicos advertiram em um Congresso sobre Mundanças Climáticas em Copenhage, na Dinamarca, que as emissões de dióxido de carbono produzidas pela queima de combustíveis fósseis estão tornando os oceanos mais ácidos, o que pode provocar uma extinção em massa de espécies marinhas.

Carol Turley do Laboratório Marinho de Plymouth, no sul da Inglaterra, disse que é impossível saber como a vida marinha vai reagir, mas ela teme que várias espécies não sobrevivam.

Desde a Revolução Industrial, no século 18, as emissões de CO2 já elevaram a acidez dos mares em mais de 30%, de acordo com pesquisadores. Matéria da BBC Brasil.

“Eu estou muito preocupada com os ecossistemas dos oceanos, que atualmente são produtivos e diversificados”, disse Turley à BBC. “Eu acredito que nós podemos estar caminhando para uma extinção em massa, pois esse ritmo de mudanças nos oceanos não é visto desde o tempo dos dinossauros”, afirmou.

“Isto pode ter um grande impacto na segurança alimentar. É realmente imperativo reduzirmos as emissões de CO2.”

Conchas

O problema mais acentuado é para criaturas que precisam de um ambiente alcalino para produzir conchas e carapaças formadas por cálcio. Testes de laboratório sugerem que as estrelas do mar podem desaparecer até o final do século se atual tendência de emissões continuar.

Os cientistas receiam que os mariscos também não consigam suportar o aumento da acidez.

Turley disse: “As coisas vão mudar. Nós não sabemos ainda exatamente como.”

Andy Watson, biólogo marinho da Universidade de East Anglia, acredita que mudanças climáticas e pesca excessiva podem trazer sérios danos aos oceanos ainda antes dos efeitos da acidificação. Ele condena o aumento da emissão de CO2 resultante de atividades humanas, mas destaca que a acidez oceânica também pode flutuar naturalmente.

Ele imagina que algumas criaturas podem se adaptar às mudanças ao longo do tempo.

“Em várias experiências que estão sendo feitas no momento, são provocadas mudanças repentinas. O CO2 ou a acidez são aumentados rapidamente, por exemplo.”

“Claro que isso não é realmente o que vai acontecer no mundo real. Ao invés disso, haverá uma elevação gradual do CO2 e da acidez. E nós não sabemos se os organismos poderão se adaptar ou o quão rápido poderão fazer isso”, disse Tony Knapp, diretor do instituto BIOS, nas Bermudas, onde são feitas algumas das medições da acidez dos oceanos.

Knapp defende sua conclusão de que o aumento recente da acidez foi causado por emissões de CO2 resultantes da queima de combustíveis fósseis. “Levou muito tempo para que eu me convencesse. Sou um cético por natureza. Mas se olharmos para os dados recolhidos (…) na verdade não se pode chegar a outra conclusão”, afirmou.

Sem adaptação

Como exemplo para suas previsões sobre os efeitos da acidificação nos oceanos, os cientistas citam a ilha de Ischia, na Baía de Nápoles, Itália. Ali, os cientistas encontraram indícios de que várias criaturas não vão conseguir se adaptar à crescente acidificação.

A água do mar em volta de parte da ilha é mais ácida há milhares de anos por causa de emissões de CO2 por aberturas vulcânicas que borbulham no leito marinho.

Se a pesquisa em Ischia apresentar uma imagem precisa do futuro dos oceanos, as perspectivas para os organismos que formam conchas são sombrias.

“Nós estamos muito preocupados”, disse Jason Hall-Spencer, da Universidade de Plymouth, que estuda o local. “As mudanças aqui claramente tornaram a vida impossível para criaturas que formam conchas.”

“Quando você começa a mexer num ecossistema complexo, é impossível prever o que vai acontecer.”

O ambiente na ilha italiana serve para dar uma idéia de quais as espécies que sairão ganhando e perdendo por causa dos altos níveis de acidez. Algumas algas marinhas podem se desenvolver mais em um ambiente altamente fertilizado com CO2.

* Matéria da BBC Brasil, Atualizado em 11 de março, 2009 – 05:55 (Brasília) 08:55 GMT

[EcoDebate, 11/03/2009]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

Um comentário em “Acidificação dos mares pode causar extinção em massa, alertam cientistas

  1. Esta notícia tem sido divulgada constantemente, e serve de alerta para o que poderá acontecer em 2100. A propósito, a revista Nature , em 29/09/2005, publicou um estudo internacional também se pronunciando acerca registrou que o crescimento da taxa de dióxido de carbono na atmosfera e expôs que certos organismos com esqueletos externos não poderão nele subsistir nos oceanos ja acidificados. Continua afirmando que no decurso do século XX, o pH médio dos oceanos despencou 0,1 unidade. Esta tendência vai se acelerar no decorrer do século XXI e é prevista uma baixa de pH de 0,3 a 0,4 unidades até 2100. Patrick Monfray, pesquisador do laboratório de Geofísica e Oceanografia Espaciais ( CNRS,IRD,CNES e Universidade de Toulouse , co-autor da publicação, explica : ” nós demonstraremos que a acidez dos oceanos vai crescer até o ponto em que, nas altas latitudes polares, certos organismos dotados de conchas calcárias, vão estar em uma água tão ácida que ela será capaz de dissolver suas carapaças “. Fonte : Le Monde
    Será o princípio do fim ?

Comentários encerrados.

Top