Ação do Ibama em Marcelândia/MT apreende 1.900 m3 de madeira ilegal


Flagrante de transporte, comercialização e abandono de madeira ilegal marcou os primeiros momentos da ação deflagrada pelos agentes de fiscalização do Ibama que participam da Operação Guardiões da Amazônia, com o apoio da Força Nacional de Segurança, na última quarta, 17, na cidade de Marcelândia, norte do estado do Mato Grosso, a 712 quilômetros de Cuiabá. Apenas no primeiro dia de ação, foram apreendidos 1.900 m3 de madeira e lavradas 11 multas no valor total de mais de meio milhão de reais.

Equipes do Ibama e de policiais entraram no município por diferentes rotas à noite com o fim de surpreender o transporte ilegal de madeira. Na entrada da cidade, foram flagrados cinco caminhões carregados de 91,86 m3 de madeira em tora e 15,45 m3 serrada. A carga são espécies valorizadas comercialmente como itaúba, cambará, peroba, champanhe e angelim e foi avaliada em R$ 63 mil.

Os motoristas não apresentaram documentação do veículo nem da madeira. Dois deles sequer portavam CNH (Carteira Nacional de Habilitação), tática utilizada para dificultar a fiscalização. Um outro alegou falsamente ser estrangeiro e além da multa pela madeira ilegal, foi autuado por obstruir o trabalho dos agentes ambientais federais. As multas aplicadas aos motoristas somaram R$ R$ 32.193,00. Os caminhões e a madeira foram recolhidos. Os motoristas foram conduzidos à Delegacia de Marcelândia para prestar esclarecimentos e, em seguida, liberados.

Segundo o coordenador da operação, Evandro Selva, ao observarem a presença do Ibama e dos policiais, houve um grande fluxo de pessoas para fora da cidade. “No dia seguinte, moradores de chácaras vizinhas vieram nos avisar que muita madeira foi abandonada em suas propriedades”, relata Selva. Ninguém se apresentou como responsável pelos 121,8 m3 em toras das essências itaúba, cambará e peroba, segundo cálculos do Ibama. A madeira foi doada para a Secretaria de Educação do município, que construirá prédio para encontros da Agenda 21.

Inspeção nas serrarias – Na quinta-feira, 18, começaram as inspeções nas empresas madeireiras de Marcelândia. Duas serrarias foram auditoradas pelo Ibama. Embora a documentação cadastral dessas empresas estivesse regular, nenhuma delas conseguiu provar a origem da madeira estocada nos pátios. Na primeira empresa, foram encontrados e apreendidos 770,808 m3 de madeira em toras e 454,724 m3 serrada. Na outra, 495,117 m3 de madeira em toras. O total de multas lavradas ultrapassa R$ 549 mil. Levantamentos do Ibama indicam para a existência de cerca de 126 empresas do ramo madeireiro na região. Elas estão na mira da fiscalização. Porém, a ação também se estenderá para o campo com o fim de verificar 35 áreas indicadas com desmatadas pelas imagens de satélite, algumas localizadas próximas ao Parque Nacional do Xingu.

Marcelândia é a 19ª no ranking das cidades que mais desmatam no estado do Mato Grosso e integra a lista dos 36 municípios que são alvos prioritários das ações de combate ao desmatamento pelo Ibama. Em janeiro deste ano, a então ministra Marina Silva sobrevoôu o município e constatou pessoalmente o avanço da devastação da floresta. Seguindo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), da área total de 12.292 km2 do município, já foram desmatados 3.221.5 desde 1988, quando começou o monitoramento via satélite pelo Prodes das áreas desmatadas, o que corresponde a 26% do município. No período 2006/2007, foram derrubados 79.5 km2.

Kezia Macedo
Ascom Fiscalização
Foto: Fiscalização Ibama

[Ecodebate, 25/09/2008]

Top