Névoa Ártica pode resolver questão do aquecimento global

Cientistas tentam desvendar se este nevoeiro, comum no norte da Terra, pode acelerar aquecimento terrestre.

ALASCA – Visitantes do Alasca muitas vezes se admiram com o ar fresco e limpo da região. Mas a verdade é, o céu acima do círculo polar trabalha como uma gigante armadilha de algodão durante o final inverno e início da primavera, acolhendo todos os tipos de poluentes que rodam em torno da Terra. Nas últimas semanas, cientistas subiram nos aviões de pesquisa do governo e colheram amostras da Névoa Ártica na esperança de resolver um mistério: estão as partículas flutuantes acelerando o aquecimento sem precedentes no extremo Norte do globo? Matéria da Agência Associated Press, publicada pelo Estadao.com.br, terça-feira, 22 de abril de 2008, 21:10.

Embora o dióxido de carbono e outros gases do efeito estufa – que seguram o calor na Terra – sejam a principal causa do aquecimento global, os cientistas suspeitam que partículas aerotransportadas conhecidas como aerossóis também estão contribuindo para o derretimento do gelo ártico.

Para provar as suas suspeitas, eles estão analisando a névoa usando espectroscopia de massa e outras tecnologias, para identificar o que há nela, de onde veio e como ela interage com as nuvens, com a luz do sol e com a capa de neve.

As amostras de ar foram encontradas por conter poeira dos desertos asiáticos, sais que aumentam a umidade, partículas incompletas da queima de material orgânico a partir de incêndios florestais e de cozinhas, e todos os tipos de sujeiras emitidas pelos escapamentos de automóveis, chaminés de fábricas e usinas de energia.

Coletivamente, elas são uma Nações Unidas da poluição. Através da análise química, as partículas podem ser rastreadas para suas fontes em toda a Ásia, Europa e América do Norte. “O Ártico é caldeirão onde a poluição das latitudes médias se mistura”, disse Daniel Jacob, um cientista da Universidade de Harvard que participa da pesquisa. “Temos marcas de quase tudo que você possa imaginar voando ao redor do Ártico.”

A pesquisa está sendo conduzida separadamente pela Nasa, pelo Departamento de Energia e pela Administração Nacional Oceânica Atmosférica, e envolve cerca de 275 cientistas e pessoal de apoio e cinco aeronaves. Os pesquisadores estão trabalhando em cima de uma pesquisa de um cientista atmosférico da Universidade Fairbanks do Alasca, que chegou ao Estado norte-americano 35 anos atrás.

Glenn Shaw levou um aparelho medidor de luz a Barrow, uma comunidade ao norte do Alasca, imaginando que poderia documentar os céus mais limpos do globo e, talvez, ganhar uma menção em uma revista científica. “Eu esperava definir um recorde, porque na ponta norte do Alasca não há indústria, e a idéia era que este deveria ser um dos lugares mais limpos, basicamente, quase, no Planeta Terra”.

Ele estava errado. Shaw detectou um fenômeno mais tarde batizado de Névoa Ártica, que indicou que o céu acima de Barrow e até o Pólo Norte coleciona poluentes. “O importante era, e é, este é o material aerossol que está viajando ao longo de três ou quatro mil milhas, o que era inédito na época”, afirmou o Shaw.

O foco sobre gases do efeito estufa tornou difícil trazer outros possíveis agentes de mudanças climáticas para a discussão, disse Jacob. Mas o surpreendente derretimento de gelo no mar ártico, no último verão, levou uma nova urgência à blitz científica agora em curso.

Está bem estabelecido que a fuligem que caiu sobre a neve pode absorver calor do sol e causar derretimento. Mas os pesquisadores estão também interessados no que a fuligem faz enquanto ainda está sendo aerotransportada.

Entre outras coisas, eles querem saber qual o tamanho e densidade das partículas modificam o tipo e a longevidade das nuvens, explicou Greg McFarquhar, da Universidade de Illinois. Além disso, eles querem descobrir se o aerotransporte das partículas refletem na volta do calor para o espaço ou se o absorve.

Na maior parte do mundo, partículas conduzem a refrigeração por refletir a luz antes que ela chegue à superfície da Terra, compensando parcialmente o efeito do aquecimento gases com efeito de estufa.

Mas A.R. Ravishankara do Laboratório de Pesquisas do Sistema da Terra NOAA’s disse suspeitar que não é esse o caso no Ártico, onde gelo e neve já refletem muito da luz. Algumas partículas podem absorver a energia do sol e lançar suas próprias ondas de calor, como o asfalto sobre um verão dia, afirmou.

“Quanto deste aerossol há?”, questionou Ravishankara, resumindo algumas das coisas cientistas esperam descobrir. “Será que eles absorvem luz? Eles dispersam luz? Será que eles fazem nuvens brilhantes ou turvas? Eles estão aproveitando a superfície do gelo? Porque se você adicionar aquilo absorve essas partículas da superfície do gelo, que poderia realmente melhorar a fusão”.

Se os aerossóis se revelarem um fator importante no aquecimento, ao removê-los poderia se ter benefícios relativamente rápidos para o ambiente, disse Ravishankara.

“Ele dura apenas por alguns dias e, em seguida, é removido da atmosfera, ao contrário do dióxido de carbono, que permanece conosco durante centenas de anos”, afirmou ele. “Aerossóis podem ser uma maneira de fazer algo muito rápido.”

Top