A Candidatura de Marina, artigo Roberto Malvezzi (Gogó)

Publicado em agosto 6, 2009 por

Tags: política

Roberto Malvezzi (Gogó)
Roberto Malvezzi (Gogó)

A possibilidade de Marina da Silva candidatar-se à presidência da República brilha como um facho de luz na escuridão. É o mínimo que se pode dizer ao surgir essa possibilidade.

[EcoDebate] Marina apresentou muitos limites como ministra. Fez concessões excessivas ao governo, inclusive de suas convicções pessoais. A justificativa que apresentou para apoiar a transposição do São Francisco na audiência pública em Juazeiro da Bahia, raiou o deprimente. Assumir esse constrangimento foi mais forte que negar a proposta e sair do governo. Mais tarde, preterida no comando do desenvolvimento da Amazônia, renunciou. Renúncia tardia, mas, quem sabe, a tempo de injetar um novo horizonte na campanha de 2010.

Marina não seria apenas o desaguadouro dos insatisfeitos com a política predadora do atual governo. Ela traria para o debate político um ângulo que fatalmente estará ausente, se a eleição ficar polarizada entre Serra e Dilma. Marina poderia suscitar o debate sobre as florestas, os rios, as novas energias, as novas tecnologias, os direitos das comunidades tradicionais, o respeito por seus saberes, por seus territórios, enfim, sobre um novo projeto de país. Se mostrar fôlego eleitoral, colaborará mais ainda com país, retirando-nos desse fatalismo PSDB/PT que estão querendo enclausurar a política brasileira.

Roberto Malvezzi (Gogó) é Assessor da Comissão Pastoral da Terra – CPT, colaborador e articulista do EcoDebate.

EcoDebate, 07/08/2009

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta que envie um e-mail para newsletter_ecodebate-subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.


Comentários (3)

 

  1. Paulo Afonso da Mata Machado disse:

    Caro Gogó:
    Reproduzo texto de Repórter Brasil:

    “Clipping: Marina Silva defende transposição do rio São Francisco; BRASÍLIA (Reuters) – A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, defendeu nesta quarta-feira o projeto de transposição das águas do rio São Francisco, dizendo que ele é ambientalmente seguro, em resposta a manifestantes que se posicionam contra o maior projeto de obras públicas do país.; Pela proposta, a obra bombeará água para moradores e fazendas através do semi-árido nordestino, onde nasceu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, através de 700 quilômetros de canais de concreto.; “Nós estamos respeitando a legislação ambiental brasileira”, disse a ministra a representantes de movimentos sociais contrários ao projeto, de acordo com um comunicado.; “Nossa decisão não é a favor do governo ou dos movimentos. É uma decisão absolutamente técnica sobre um processo de licenciamento transcorrido com absoluta isenção e independência.”; Marina Silva já concedeu a licença ambiental para o projeto como um todo, mas agora precisa autorizar a sua implementação.; A empreitada deve custar algo em torno de 6,5 bilhões de reais, e a construção deve durar anos.; O processo licitatório para os primeiros contratos de execução de obras foi anunciado na terça-feira, no Diário Oficial da União.; Centenas de manifestantes, inclusive do Movimento dos Sem-Terra, índios e pequenos produtores estão acampados em Brasília para pressionar autoridades a barrar a obra.; Eles dizem que o projeto é muito caro e beneficia muito poucas pessoas.”.

    Se a ex-ministra Marina Silva afirmou que considera o projeto São Francisco como ambientalmente seguro é porque de fato o considera, pois, em caso contrário, ela preferiria deixar o ministério, como mais tarde o fez, a assinar embaixo de um projeto que considerasse prejudicial ao meio ambiente.

  2. Lourival Almeida de Aguiar disse:

    Muito bom o conteudo da ECODEBATE. Mais ainda a candidatura da Marina. Ela vai qualificar e “esquerdizar” minimamente o debate político das eleições. O Ecossocialismo e o povo brasileiro so têm a ganhar. com isso.