Área florestal global per capita diminuiu mais de 60%

 

Área florestal global per capita diminuiu mais de 60%

Nos últimos 60 anos, a área florestal global diminuiu em 81,7 milhões de hectares, uma perda que contribuiu para o declínio de mais de 60% na área florestal global per capita.

Essa perda ameaça o futuro da biodiversidade e afeta a vida de 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo, de acordo com um novo estudo publicado pela IOP Publishing, na revista Environmental Research Letters.

Por Juliet Hannay*

Uma equipe de pesquisadores, liderada por Ronald C. Estoque, do Centro de Biodiversidade e Mudanças Climáticas, Instituto de Pesquisa de Produtos Florestais e Florestais (FFPRI) no Japão, descobriu que a área florestal global diminuiu 81,7 milhões de hectares de 1960 a 2019, equivalente a uma área de mais de 10% de toda a ilha de Bornéu, com perda bruta de floresta (437,3 milhões de hectares) superando o ganho bruto de floresta (355,6 milhões de hectares).

A equipe usou um conjunto de dados de uso global da terra para examinar como as florestas globais mudaram ao longo do espaço e do tempo. Consequentemente, o declínio das florestas globais combinado com o aumento da população global ao longo do período de 60 anos resultou em uma diminuição da área florestal global per capita em mais de 60%, de 1,4 hectares em 1960 para 0,5 hectares em 2019.

Os autores explicam que “a contínua perda e degradação das florestas afeta a integridade dos ecossistemas florestais, reduzindo sua capacidade de gerar e fornecer serviços essenciais e sustentar a biodiversidade. Também impacta a vida de pelo menos 1,6 bilhão de pessoas em todo o mundo, predominantemente em países em desenvolvimento, que dependem das florestas para diversos fins.”

Os resultados também revelaram que a mudança no padrão espaço-temporal das florestas globais apoia a teoria da transição florestal, com perdas florestais ocorrendo principalmente nos países de baixa renda nos trópicos e ganhos florestais nos países de renda mais alta nos extratrópicos. Ronald C. Estoque, o principal autor do estudo, explica, “apesar desse padrão espacial de perda de floresta ocorrer principalmente nos países menos desenvolvidos, o papel das nações mais desenvolvidas nessa dita perda de floresta também precisa ser estudado mais profundamente. Com o fortalecimento da conservação florestal nos países mais desenvolvidos, a perda florestal é deslocada para os países menos desenvolvidos, especialmente nos trópicos.”

“Hoje, o monitoramento das florestas do mundo é parte integrante de várias iniciativas ambientais e sociais globais, incluindo os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), o Acordo Climático de Paris e o Quadro Global de Biodiversidade Pós-2020. Para ajudar a alcançar os objetivos dessas iniciativas, há uma profunda necessidade de reverter, ou pelo menos achatar, a curva global de perda líquida de florestas, conservando as florestas remanescentes do mundo e restaurando e reabilitando paisagens florestais degradadas”, explicam os autores.

Perda e ganho de floresta global ao longo das décadas de 1960 a 2019
Perda e ganho de floresta global ao longo das décadas de 1960 a 2019. (a) Mapa mostrando a distribuição espacial da perda e ganho de floresta, com inserções A, B e C mostrando partes da América do Sul, África e Sudeste Asiático, respectivamente (para as descrições da legenda do mapa, consulte a seção 2 ). (b) Extensão da perda total de floresta, ganho e variação líquida entre 1960 e 2019. A perda total de floresta inclui tanto a perda florestal persistente quanto a perda florestal não persistente; o ganho total de floresta inclui tanto o ganho de floresta persistente quanto o ganho de floresta não persistente. In https://doi.org/10.1088/1748-9326/ac7df5

Referência:

Spatiotemporal pattern of global forest change over the past 60 years and the forest transition theory
Published in Environmental Research Letters (ERL), August 2022
DOI 10.1088/1748-9326/ac7df5
Authors Estoque, Ronald C, Dasgupta, Rajarshi, Winkler, Karina, Avitabile, Valerio, Johnson, Brian A, Myint, Soe W, Gao, Yan, Ooba, Makoto, Murayama, Yuji, Lasco, Rodel D
https://doi.org/10.1088/1748-9326/ac7df5

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/08/2022

 

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Área florestal global per capita diminuiu mais de 60%

  1. O aumento da população global ao longo do período de 60 anos resultou em uma diminuição da área florestal global per capita de 1,4 hectares em 1960 para 0,5 hectares em 2019.

    Os países ricos já eliminaram todas suas florestas, como bem pode ser observado no gráfico. As perdas florestais vêm ocorrendo principalmente nos países de baixa renda, pois somente ali foram ainda existem.

    O papel das nações mais desenvolvidas nessa dita perda de floresta também precisa ser estudado mais profundamente… reabilitando paisagens florestais degradadas.

    População em 1.960…………….3 bilhões 1,4 hectares/capita
    População em 2.022…………….8 bilhões 0,5 hectares/capita
    Aumento/perda 50 anos 5 bilhões 0,8 hectares/capita

    Estoque 1960 (3 bilhões x 1,4) 4,2 bilhões hectares
    Estoque 2019 (8 bilhões x 0,5) 4,0 bilhões
    Perda do Estoque global 0,2 bilhões
    Perda do Estoque global em % (0,2/4,2) 4,7%

    Aumento população multiplicador 2,66 2,8 redução florestas
    Aumento população 166% Perda florestas 62,5%

    Pode-se concluir que os países ricos destruiram suas florestas, permitindo que atingiessem altos padrões de vida e consumo, atualmente mantido tão somente pelo avanço nas florestas dos países pobres.
    A população aumentou 166% (de 3 para 8 bilhoes) de pessoas, enquanto que o Estoque reduziu de somente 4,7% (4,2 para 4 bilhões).
    Sem controle populacional, a relação vai piorar, mesmo que ninguem mais destrua um unico hectare. É necessário que os países ricos recomponham suas florestas nos mesmos niveis dos países pobres, por questao mínima de equilibrio e justiça.
    É nossa visão crítica.

  2. Europa e Estados Unidos estão queimando todas suas florestas!!! Ao que imagino, sem maiores cálculos, queimam 30 VEZEZ MAIS QUE O BRASI e Onde estão os defensores do Meio ambiente! os que dizem que o Brasil é bandido? Bandidos, no sentido de destruição, são os paises Europeus e seus defensores, que vivem e discursar contra o Brasil, único que ainda preserva. Alias, vivem de discurso, sem nada produzir. E por que nao criticam as QUEIMADAS DA EUROPA E DOS ESTADOS UNIDOS? nao lhe dão $$??

Deixe um comentário

Top