Guerra, fome, ambiente e população na crise humanitária do Iêmen

 

Guerra, fome, ambiente e população na crise humanitária do Iêmen, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

As causas da pobreza do Iêmen são múltiplas e complexas. Mas, sem dúvida, o alto crescimento demográfico contribuiu para a crise atual

O Homo sapiens surgiu na África há mais de 200 mil anos e há cerca de 80 mil anos iniciou a jornada para dominar o mundo. O Iêmen foi o primeiro destino dos emigrantes que saíram da África. A “diáspora” africana atravessou o Estreito de Bab-al-Mandeb, que separa o sul da Península Arábica, de Djibuti, no nordeste da África. Naquela época o Iêmen era uma área fértil e rica em serviços ecossistêmicos e abrigou os primeiros seres humanos fora do continente africano. Mas tudo mudou no Iêmen ao longo dos séculos.

A população iemenita era de 4,7 milhões de habitantes em 1950 e passou para 30 milhões em 2020. O número de habitantes do Iêmen mais do que sextuplicou em 70 anos, um dos maiores crescimentos demográficos do mundo. As projeções da ONU indicam que a população do Iêmen pode chegar a 48,1 milhões de habitantes em 2050, decuplicando em um século.

A densidade demográfica do Iêmen que estava em 8,3 habitantes por km2 em 1950, chegou a 57 hab/km2 em 2020 e deve atingir 91 hab/km2 em 2050 (lembrando que a maior parte do território atual do país é constituída por desertos). Para efeito de comparação, a densidade demográfica da Rússia era de 6,3 hab/km2 em 1950, 8,9 hab/km2 em 2020 e deve diminuir para 8,3 hab/km2 em 2050.

Com tão elevado crescimento populacional, o Iêmen precisava ter um crescimento econômico bem superior para garantir o crescimento da renda per capita. Porém, o que aconteceu é que o Iêmen passou a ter dificuldade para manter uma harmonia social e entrou em uma grande recessão a partir de 2010.

O gráfico abaixo mostra que a renda per capita que era de US$ 3,3 mil, em 1990, subiu para US$ 4,4 mil em 2010, mas caiu para US$ 2,6 mil em 2015. A renda do iemenita que já era baixa, diminuiu ainda mais jogando o país na armadilha da pobreza, com uma renda per capita nos anos 2020 menor do que nos anos 1990.

Renda per capita (preços constantes em ppp) do Iêmen: 1990-2027
renda per capita (preços constantes em ppp) do iêmen
Fonte: FMI/WEO abril de 2022

 

Assim, o que estava ruim piorou a partir de 2015 quando a guerra entre os separatistas do sul e as forças leais ao governo de Abd Rabbuh Mansur Hadi, com sede em Áden, entraram em conflito com os Houthis e as forças leais ao ex-presidente Ali Abdullah Saleh. O conflito alimentado pela rivalidade entre as potências regionais do Oriente Médio – Arábia Saudita versus Irã – tem devastado o país. A renda per capita caiu para US$ 1,78 mil em 2022 e, mesmo o FMI projetando um aumento da renda até 2027, a renda per capita continuará muito menor do que o valor de 37 anos atrás.

As causas da pobreza do Iêmen são múltiplas e complexas. Mas, sem dúvida, o alto crescimento demográfico contribuiu para a crise atual. Em 2003, o demógrafo Paul Demeny publicou um artigo na prestigiosa revista Population and Development Review, mostrando os opostos da dinâmica demográfica do Iêmen (área 528 mil km²) e da Rússia (área de 17,1 milhões de km²). A Rússia, com a maior área territorial do mundo, terá uma população estabilizada entre 1950 e 2050, enquanto o Iêmen – um país pequeno e pobre – terá a população multiplicada por 10 em um século, conforme figura abaixo.

pirâmide populacional do iêmen

 

No referido artigo, Demeny aborda as diferenças entre a baixa taxa de fecundidade da Rússia (e dos países europeus) e a alta taxa de fecundidade do Iêmen e de outros países em desenvolvimento, principalmente no Oriente Médio e na África. Contudo, a redução do número médio dos filhos, mesmo com diferenciais significativos, se generalizou.

A taxa de fecundidade total (TFT) do Iêmen que estava acima de 8 filhos por mulher na segunda metade do século XX, caiu para 6 filhos na virada do milênio e chegou pouco abaixo de 4 filhos no quinquênio 2015-20. Portanto, o Iêmen está passando por uma transição tardia da fecundidade, mas que deve atingir uma TFT abaixo do nível de reposição na segunda metade do atual século. Esta queda da fecundidade é fundamental para a estabilização do crescimento demográfico no Iêmen, pois se o ritmo de crescimento da população não for reduzido pela redução do tamanho das famílias, poderá ser reduzida pelo aumento das taxas de mortalidade.

A renda per capita está caindo e a qualidade de vida e de condições ecológicas estão se degradando. O Iêmen tinha, em 1961, uma pegada ecológica per capita de 0,95 hectares globais (gha) e uma biocapacidade per capita de 2,26 gha, tendo, portanto, superávit ambiental até o início da década de 1990. Porém, mesmo com a queda da pegada ecológica per capita para apenas 0,51 gha em 2018 (a média mundial é de 2,7 gha), a biocapacidade caiu para pífios 0,37 gha. O motivo desta tremenda queda da biocapacidade pode ser explicado pelo crescimento da população.

pegada ecológica e biocapacidade iêmen

Portanto, o Iêmen precisa de ajuda internacional para enfrentar a crise de fome e de baixa qualidade de vida, mas também precisa de ajuda para acelerar a queda das taxas de fecundidade e reverter o crescimento demográfico para a etapa do decrescimento. O país precisa acabar urgentemente com a guerra e garantir a recuperação social e ambiental.

As estatísticas mostram que o Iêmen só tem uma árvore para cada habitante e para garantir a regeneração ecológica precisa diminuir o número de habitantes e aumentar o número de árvores. O bem-estar social depende da paz entre os seres humanos e entre os seres humanos e a natureza.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

Paul Demeny. Population Policy Dilemmas in Europe at the Dawn of the Twenty-First Century, Population and Development Review 29(1):1–28 (MARCH 2003)
https://www.popcouncil.org/uploads/pdfs/councilarticles/pdr/PDR291Demeny.pdf

William Ripple et. al. World Scientists’ Warning of a Climate Emergency, BioScience, 05/11/19
https://academic.oup.com/bioscience/advance-article/doi/10.1093/biosci/biz088/5610806

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top