Mudança climática aumenta o risco global de incêndios florestais

 

queimada na amazônia

Mudança climática aumenta o risco global de incêndios florestais

O clima de fogo – as condições quentes e secas propícias a incêndios florestais – está aumentando sob as mudanças climáticas, aumentando o risco de grandes incêndios florestais, tornando as paisagens mais suscetíveis a queimadas com mais frequência e gravidade

Novas pesquisas destacam como o risco de incêndios florestais está aumentando globalmente devido às mudanças climáticas – mas também como as ações e políticas humanas podem desempenhar um papel crítico na regulação dos impactos regionais.

Por University of East Anglia*

O estudo , conduzido por uma equipe internacional de pesquisadores liderados pela Universidade de East Anglia (UEA), no Reino Unido, mostra que a mudança climática antropogênica é um fator de ‘impulso’ que aumenta o risco de incêndios florestais globalmente.

O clima de fogo – as condições quentes e secas propícias a incêndios florestais – está aumentando sob as mudanças climáticas, aumentando o risco de grandes incêndios florestais, tornando as paisagens mais suscetíveis a queimadas com mais frequência e gravidade. Prevê-se que os impactos das mudanças climáticas sobre o risco de incêndio aumentem no futuro, com cada grau adicionado aumentando o risco de incêndios florestais.

Modelos climáticos sugerem que em algumas regiões do mundo, por exemplo, no Mediterrâneo e na Amazônia, a frequência de condições climáticas de incêndio no período moderno é sem precedentes em comparação com o clima histórico recente, devido ao aquecimento global induzido pelo homem de cerca de 1,1°C.

Mais importante, este será o caso em praticamente todas as regiões do mundo se as temperaturas globais atingirem 2-3°C de aquecimento conforme a trajetória atual.

Os modelos climáticos também mostraram que a probabilidade de alguns dos incêndios florestais mais recentes e catastróficos no oeste dos EUA, Austrália e Canadá tem sido significativamente maior devido às mudanças climáticas históricas.

O artigo, publicado hoje na revista Reviews of Geophysics, envolveu cientistas da UEA, Swansea University, University of Exeter e Met Office no Reino Unido, CSIRO Climate Science Center na Austrália, juntamente com colegas dos EUA, Alemanha, Espanha e da Holanda.

Explora a relação entre as tendências do fogo – passado, presente e futuro – e uma série de controles sobre a atividade do fogo, incluindo o clima, mas também a atividade humana, o uso da terra e a mudança na produtividade da vegetação, que têm impactos importantes na ignição de incêndios florestais e sua propagação pelas paisagens.

O autor principal, Dr. Matthew Jones , do Tyndall Center for Climate Change Research da UEA, disse: “Os incêndios florestais podem ter impactos prejudiciais maciços na sociedade, na economia, na saúde humana e nos meios de subsistência, na biodiversidade e no armazenamento de carbono. Esses impactos geralmente são ampliados no caso de incêndios florestais.

“Esclarecer a ligação entre as tendências dos incêndios florestais e as mudanças climáticas é fundamental para entender as ameaças de incêndios florestais em climas futuros. As sociedades podem apoiar ou lutar contra os riscos crescentes de incêndio sob as mudanças climáticas, e as ações e políticas regionais certamente podem ser importantes para prevenir incêndios florestais ou reduzir sua gravidade.

“Em última análise, porém, estaremos lutando contra a maré de crescentes riscos de incêndio à medida que o mundo se aquece ainda mais. Dobrar os esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e limitar o aquecimento abaixo de 2°C é a coisa mais eficaz que podemos fazer para evitar os piores riscos de incêndios florestais em escala global”.

Os autores destacam que os seres humanos têm importantes efeitos regionais na atividade de incêndios florestais em um mundo em aquecimento. Por exemplo, eles aumentaram as ignições do fogo e reduziram a resiliência natural de alguns ecossistemas ao fogo, principalmente nas principais zonas de desmatamento tropical da Amazônia e da Indonésia.

Em contraste, os humanos também reduziram a propagação de incêndios florestais através de paisagens naturalmente propensas ao fogo, convertendo a terra em agricultura e fragmentando a vegetação natural, como visto em campos de savana na África, Brasil e norte da Austrália durante as últimas décadas.

Eles também podem reduzir ignições indesejadas ou usar o combate a incêndios para suprimir incêndios florestais, como historicamente feito em florestas dos EUA, Austrália e Europa mediterrânea. No entanto, os autores dizem que isso pode ter consequências não intencionais em regiões onde o fogo é um componente natural do funcionamento dos ecossistemas.

Por exemplo, políticas que excluíram agressivamente o fogo da paisagem ocidental dos EUA durante o século 20 resultaram em florestas que agora estão sobrecarregadas com combustíveis vegetais, contribuindo para incêndios florestais mais graves durante as secas recentes. O uso de incêndios de baixa intensidade em momentos com condições climáticas seguras é cada vez mais visto como uma ferramenta importante para manter os combustíveis sob controle e, ao mesmo tempo, facilitar as funções dos ecossistemas naturais.

As principais conclusões das análises incluem:

• A duração da temporada anual de clima de incêndio aumentou em 14 dias por ano (27%) durante 1979-2019 em média globalmente e a frequência de dias com clima de incêndio extremo aumentou 10 dias por ano (54%) durante 1979- 2019 em média globalmente.

• O clima de incêndio aumentou significativamente na maioria das regiões do mundo desde a década de 1980. Os aumentos foram particularmente pronunciados no oeste da América do Norte, na Amazônia e no Mediterrâneo. O clima de fogo já emergiu além de sua variabilidade natural no Mediterrâneo e na Amazônia devido ao aquecimento histórico.

• A 2°C, este também será o caso nas florestas boreais da Sibéria, Canadá e Alasca e nas florestas temperadas do oeste dos EUA. A 3°C, praticamente todas as regiões do mundo experimentarão um clima de incêndio sem precedentes.

• Globalmente, a área queimada por incêndios diminuiu cerca de um quarto – ou 1,1 milhão de km2 – durante 2001-2019. Grande parte da diminuição – 590.000 km2 – ocorreu nas savanas africanas, onde 60-70% da área queimada pelo fogo ocorre anualmente. Os impactos humanos locais/regionais reduziram a área queimada pelo fogo nas savanas tropicais, em combinação com a menor produtividade das pastagens durante as estações chuvosas (cada vez mais secas).

• Grandes aumentos na área queimada foram observados em outros lugares, especialmente em florestas temperadas e boreais. Por exemplo, a área queimada pelo fogo aumentou 21.400 km2 (93%) nas florestas do leste da Sibéria e 3.400 km2 (54%) nas florestas do oeste da América do Norte (Pacífico Canadá e EUA combinados).

A coautora Drª Cristina Santín, da Universidade de Swansea e do Conselho Nacional de Pesquisa da Espanha, acrescentou: “Apesar do fato de que as condições climáticas que promovem incêndios florestais já aumentaram em quase todas as regiões do globo e continuarão a fazê-lo, os fatores humanos ainda mediam ou anular os climáticos em muitas regiões.

“Esperamos que esta pesquisa ajude a resolver as visões arraigadas e conflitantes sobre as mudanças climáticas versus o manejo da terra sendo a causa raiz desses incêndios catastróficos”.
O estudo avaliou 500 trabalhos de pesquisa anteriores e realiza uma reanálise de conjuntos de dados de última geração a partir de observações e modelos de satélite. Inclui análises de tendências no clima de incêndio e área queimada para regiões do mundo cobrindo todos os países, macrorregiões de escala continental e ecossistemas regionais chave para atividade ou impacto do fogo.

Para essas mesmas regiões, as mudanças futuras no clima de incêndio são examinadas em incrementos de aquecimento relevantes para as políticas de 1,5°C, 2°C, 3°C e 4°C, fornecendo informações sobre como o sucesso ou fracasso das políticas climáticas correspondem aos riscos de incêndios florestais com os quais precisaremos conviver no futuro.

Referência:

Jones, M. W., Abatzoglou, J. T., Veraverbeke, S., Andela, N., Lasslop, G., Forkel, M., et al. (2022). Global and regional trends and drivers of fire under climate change. Reviews of Geophysics, 60, e2020RG000726. https://doi.org/10.1029/2020RG000726

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/07/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top