O grupo BRICS supera o G7 e pretende se tornar líder econômico e político global

 

O grupo BRICS supera o G7 e pretende se tornar líder econômico e político global, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

O termo BRIC foi inventado pelo economista Jim O’ Neill, do banco de investimento Goldman Sachs, em 2001, com o objetivo de orientar as empresas e os investidores mundiais como ganhar dinheiro com os grandes países “emergentes” do mundo: Brasil, Rússia, Índia, China.

Estes quatro países estão entre aqueles da comunidade internacional com maior território ou maior população. O termo fez grande sucesso, especialmente no período do superciclo das commodities. Mas no acrônimo original não havia nenhum país da África, o que era politicamente incorreto. Então foi incluída a África do Sul (South África) e o termo BRIC ganhou uma letra a mais, se transformando em grupo BRICS que virou um ator internacional.

Assim, o bloco virou uma sigla geopolítica que se transformou em um grupo que passou a desafiar a hegemonia do G7 – o grupo dos 7 maiores países capitalistas (EUA, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Canadá). O grupo BRICS reúne países muito heterogêneos e foi visto com descrença por muitos analistas, mas também foi visto como uma versão atualizada de líderes do Terceiro Mundo. Mas, com a eleição de Jair Bolsonaro no Brasil e o aumento das divergências entre Índia e China, o BRICS perdeu protagonismo no cenário da governança internacional, especialmente durante a pandemia da covid-19.

Contudo, em termos econômicos, o BRICS continuou apresentando maiores taxas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e ultrapassou o G7 em 2020. O gráfico abaixo, com dados do FMI em poder de paridade de compra, mostra que, em 1980, o G7 representava cerca de 50% do PIB global e o grupo BRICS representava cerca de 10%, mas na atual década o G7 caiu para menos de 30% e o BRICS superou os 30% do PIB global. Portanto, o BRICS representa cerca de 1/3 da economia global, 40% da população mundial, 18% do comércio mundial e contribui com 50% d o crescimento econômico mundial.

percentagem do pib global do brics e do g7

 

A invasão da Ucrânia pela Rússia poderia ser mais um fator de enfraquecimento do bloco. Todavia, a XIV Cúpula do BRICS sediada pela China, ocorrida de forma virtual nos dias 23 e 24 de junho de 2022, mostrou que o grupo não está morto e que pode se fortalecer com a possibilidade de ampliar o número de membros do grupo e se tornar um contraponto ao G7 (Com uma possível entrada da Argentina o grupo ficaria BRICSA). De fato, a China apresentou uma perspectiva para transformar o BRICS em um contraponto às iniciativas de influência global dos Estados Unidos.

Na Cúpula, o presidente Xi Jinping atacou os EUA e afirmou que a hegemonia Ocidental tem provocado inúmeras tragédias, conflitos e guerras. Ele criticou as sanções ocidentais à Rússia após a guerra com a Ucrânia, dizendo que elas têm prejudicado a economia global.

A Declaração de Pequim, aprovada na 14ª Cúpula do BRICS, reitera o compromisso com o multilateralismo, enfatiza que a governança global deve ser mais inclusiva, representativa e participativa e se compromete com a defesa do direito internacional e o papel central das Nações Unidas no sistema internacional. A Declaração também insta os principais países desenvolvidos a adotarem políticas econômicas responsáveis, ao mesmo tempo em que gerenciam as repercussões das políticas para evitar impactos severos nos países em desenvolvimento.

cúpula do brics 2022

 

Os diplomatas chineses sugeriram a formação de acordo de livre comércio entre os cinco membros do bloco, pois os países do BRICS são importantes mercados emergentes e grandes países em desenvolvimento e precisam agir com senso de responsabilidade para trazer força positiva, estabilizadora e construtiva ao mundo.

No discurso “Promovendo parcerias de alta qualidade e inaugurando uma nova era de desenvolvimento global”, o presidente Xi Jinping disse que o BRICS já desempenha um papel fundamental na ordem internacional e tem a possibilidade de alteração do equilíbrio de poder global.

Ou seja, a China pretende liderar um BRICS renovado e ampliado. Evidentemente, não é uma tarefa fácil, pois haverá questionamento e oposição por parte do G7 e da União Europeia. O Brasil, por exemplo, tem priorizado a entrada na OCDE e a Índia não pretende se afastar dos EUA, Europa, Japão e Austrália.

Nestes tempos em que se discute a desglobalização, muitas águas turbulentas vão correr debaixo desta ponte da governança global e da disputa da hegemonia mundial.

José Eustáquio Diniz Alves
Doutor em demografia, link do CV Lattes:
http://lattes.cnpq.br/2003298427606382

Referências:

ALVES, JED. Os 70 anos da Revolução Comunista na China, Ecodebate, 27/09/2019
https://www.ecodebate.com.br/2019/09/27/os-70-anos-da-revolucao-comunista-na-china-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/

ALVES, JED. A ascensão da China, a disputa pela Eurásia e a Armadilha de Tucídides. Entrevista especial com José Eustáquio Diniz Alves, IHU, Patrícia Fachin, 21 Junho 2018
http://www.ihu.unisinos.br/159-noticias/entrevistas/580107-a-ascensao-da-china-a-disputa-pela-eurasia-e-a-armadilha-de-tucidides-entrevista-especial-com-jose-eustaquio-diniz-alves

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/06/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top