Meninas brincam de rosa, meninos brincam de azul: representações sociais do brincar e do brinquedo na publicidade

 

Cenas de dois comerciais de brinquedo - um de boneca, voltado para meninas, e um de armas, direcionados para meninos

Meninas brincam de rosa, meninos brincam de azul: representações sociais do brincar e do brinquedo na publicidade, artigo de Ricardo Santos David

Ponto relevante a ser discutido é que, na lógica de uma sociedade capitalista, a criança cresce sob a influência de um contexto que está preocupado com o desenvolvimento de suas funções enquanto consumidora

MENINAS BRINCAM DE ROSA, MENINOS BRINCAM DE AZUL: REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DO BRINCAR E DO BRINQUEDO NA PUBLICIDADE

Ricardo Santos David

Brincar é muito do que as crianças fazem de mais sério. A afirmação do autor Manuel Sarmento (2004), dedicado ao estudo das culturas infantis, evidencia o papel crucial dessa atividade para a infância tanto em termos desenvolvimentais como também uma das principais formas de mediação da criança com a realidade social (LINN, 2006;SALES;LADIM, 2014). São nos momentos aparentemente despretensiosos destinados às brincadeiras que as crianças apreendem valores, projetam-se nas atividades adultas, ensaiam futuros papeis, desenvolvem motivações, habilidades e atitudes e constroem suas próprias interpretações a respeito da macrocultura (LINN, 2006; PEREIRA; PEDROSA, 2016).

Em estreita relação com o brincar, encontra-se o brinquedo. Entendido como um dos suportes para a brincadeira, o brinquedo transmite mensagens às crianças que dizem muito a respeito dos valores, representações e ideologias de uma determinada sociedade (KROPESNICKI; PERURENA, 2017). Portanto, no contexto contemporâneo, as significativas transformações que vem ocorrendo tanto na estruturação do tempo como nos relacionamentos dentro da família, da escola e no espaço público como um todo, impactam de muitas maneiras em nossas concepções acerca do brincar e do brinquedo (SARMENTO,2004).

Uma dessas mudanças sociais está na forma como se configura a infância. Qual o “lugar” da infância hoje? Ao pensar em crianças e, especialmente em suas brincadeiras e brinquedos, parece cada vez mais distante que venha à mente as praças, as ruas ou as quadras de futebol. A urbanização, os crescentes índices de violência e a falta de segurança são alguns dos fatores que ajudam a explicar porque esse lugar da infância tem se deslocado cada vez mais para o espaço interno das casas, dos shoppings centers ou dos ambientes institucionalizados de ocupação do tempo (BUCKINGHAM, 2007). Uma importante consequência desse processo é a forte presença da mídia no cotidiano infantil; crianças que nasceram em meio à tablets, celulares, TVs, notebooks, computadores etc., que acabam por assumir um papel importante na construção das suas representações de mundo e de seus valores (SAMPAIO, 2012).

Outro ponto relevante a ser discutido é que, na lógica de uma sociedade capitalista, a criança cresce sob a influência de um contexto que está preocupado com o desenvolvimento de suas funções enquanto consumidora (VELOSO et al.,2010).

______________

Ricardo Santos David – Pós-doutorado pela Universidade de São Paulo, doutorado em Tradução, pela universidade de São Paulo, mestrado em Linguística e Semiótica, mestrado em Estudos linguísticos e literários pela universidade de São Paulo, especialização em linguística aplicada, docência do ensino superior, graduação em Letras: ênfase em linguística, graduação em Pedagogia, pela Universidade de São Paulo

Nota da Redação: Para acessar o artigo Meninas brincam de rosa, meninos brincam de azul: representações sociais do brincar e do brinquedo na publicidade, artigo de Ricardo Santos David, no formato PDF, clique no link Representações sociais do brincar e do brinquedo na publicidade1

Referências

ARRUDA, A. Teoria das Representações Sociais e teoria de gênero. Cadernos de Pesquisa, n.117, p.127-147,2002.

BAUDRILLARD, J A sociedade do consumo. Rio de Janeiro: Elfos, 1995.

BUCKINGHAM, D. Crescer na era das mídias eletrônicas. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

CABECINHAS, R. Investigar representações sociais: metodologias e níveis de análise. In: BAPTISTA, M.M. Cultura: Metodologias e Investigação, Lisboa: Ver o Verso Edições, 2009, p.51-66.

CAMARGO, R. A publicidade como possibilidade. In: PEREZ C.; BARBOSA, I Hiperpublicidade: fundamentos e interfaces – Volume 01. São Paulo: Thomson Learning, 2007, p. 124-154.

CRAVEIRO, P.; BRAGAGLIA, A.P. Regulação da publicidade infantil no Brasil: a publicidade após a resolução 163 do Conanda. In: ALCÂNTARA, A.; GUEDES, B. Comunicação e infância: processos em perspectiva. São Paulo: Pimenta Cultural, 2017.p.62-94

FREITAS, P. Para além do rosa e azul: reflexões sobre as relações de gênero na publicidade de brinquedos. In: ALCÂNTARA, A.; GUEDES, B. Culturas Infantis do consumo: práticas e experiências contemporâneas. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.p. 198-224.

HELDMAN, C. In: The mask you live in: Direção: Jennifer Siebel Newsom. Produção: Jennifer Siebel Newsom, Jessica Congdon, Jessica Anthony. EUA, The Representation Project, The Annenberg Foundation, The Brin Wojcicki Foudation, 2015 (97 min).

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. As Representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj, 2001. p. 31 – 61.

KROPENISCKI, F.; PERURENA, F. Relações de gênero em catálogos de brinquedos: (Contra) indicações para brincar. Educação & Sociedade, Santa Maria, v.38, n. 141, p.965-981,2017.

LINN, S. Crianças do Consumo: a infância roubada. Tradução: Cristina Tognelli. São Paulo: Instituto Alana, 2006.

MCNEAL, J. Children as consumers of comercial and social products. Washington: Pan American Heatlh Organization, 1999.

MINIMALISM: a documentar about the importante things. Direção: Matt D’ Avella. Produção: Joshua Fields Millburn, Ryan Nocodemus, Matt D’Avella. EUA: Catalyst, 2016 (78 min)

MOSCOVICI, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

OLIVEIRA, P. O que é brinquedo. São Paulo: Editora Brasiliense, 2010.

ORDAZ, O.; VALA,J. Objetivação e ancoragem das representações sociais do suicídio na imprensa escrita. Análise Social, v. 32, n. 143-144, p. 847-874,1997.

PEREIRA, M.; PEDROSA, M.I. Brincadeiras de casinha e significação de gênero. Revista Brasileira de Psicologia, v.03, n.01, p.50-63, 2016.

PEREIRA, M.; JOBIM, S. O uso da imagem na pesquisa em educação: desafios contemporâneos. In 28ª REUNIAO ANUAL DA ANPED, 2000, Caxambu. Anais […]. Caxambu, 2000.p.01-19

RODRIGUES, G. Canais infantis lideram o ranking dos mais vistos da TV paga em 2017. In: Observatório da Televisão. 2018. Disponível em: https:// observatoriodatelevisao.bol.uol.com.br/noticia-da-tv/2018/01/canais-infantis-lideram-o-ranking-dos-mais-vistos-da-tv-paga-em-2017. Acesso em: 29 mar.2020.

ROSE, D. Análise de imagens em movimento. In: BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.p.343-364.

SALLES, J.V. LANDIM, I. Brincar e consumir: considerações sobre o brinquedo na sociedade de consumo. In: ALCÂNTARA, A.; GUEDES, B. Culturas infantis do consumo: práticas e experiências contemporâneas. São Paulo: Pimenta Cultural, 2014.p.14-36.

SAMPAIO,I.Juventudes na encruzilhada da formação para a cidadania e o consumo. In: SAMPAIO, I. Comunicação, cultura e cidadania. Campinas: Pontes Editores, 2012.p.121-137.

SARMENTO, M. As culturas da infância na encruzilhada da segunda modernidade. In: SARMENTO et al. Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2204.p.1-22

VELOSO et al. Análise de estratégias de comunicação em propagandas televisivas voltadas ao público infantil. In: XIII SEMEAD – SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 2010, São Paulo. Anais […]. São Paulo, 2010.p.01-17

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 29/05/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top