Benefícios climáticos das florestas vão muito além do sequestro de carbono

 

Florestas saudáveis, como esta na ilha de Dominica, podem mitigar as mudanças climáticas por meio de processos biofísicos e do sequestro de carbono
Florestas saudáveis, como esta na ilha de Dominica, podem mitigar as mudanças climáticas por meio de processos biofísicos e do sequestro de carbono. Crédito: Santiago Florez

Benefícios climáticos das florestas vão muito além do sequestro de carbono

As florestas influenciam o clima e promovem a estabilidade, reduzindo temperaturas extremas e inundações em todas as estações e em todas as latitudes

Por Santiago Florez*

A política e as negociações climáticas historicamente se concentraram no papel das florestas no sequestro de dióxido de carbono e na mitigação do aquecimento global. Um novo estudo (1) expandiu esse foco para revisar três mecanismos biofísicos pelos quais as florestas influenciam o clima em diferentes latitudes. Através da evapotranspiração, rugosidade do dossel e albedo, as florestas influenciam o clima e promovem a estabilidade, reduzindo temperaturas extremas e inundações em todas as estações e em todas as latitudes, descobriram os pesquisadores.

Para Emilia Pramova , pesquisadora da empresa de manejo florestal OpenForests, estudos como este podem ajudar os formuladores de políticas a abandonar a “visão do túnel de carbono” e reconhecer o papel das florestas na promoção da biodiversidade, resiliência e bem-estar social, além de outras adaptações à das Alterações Climáticas.

Resfriando Florestas Tropicais

Embora todas as latitudes se beneficiem da cobertura florestal, “a mensagem é muito clara: os maiores benefícios estão nos trópicos”, disse Louis Verchot , um dos autores do artigo e principal cientista do Centro Internacional de Agricultura Tropical da Colômbia.

As florestas tropicais têm uma enorme quantidade de biomassa e “estão fotossintetizando todos os dias do ano … .

Esse mecanismo, explicou ele, “é essencialmente um sistema de ar condicionado”. Por exemplo, onde Coe trabalha no Brasil, as áreas desmatadas são “5°C mais quentes em média durante o ano” do que as áreas florestadas.

Além da fotossíntese, a equipe descobriu que a evapotranspiração nas florestas tropicais aumenta a cobertura de nuvens e promove a precipitação ao liberar compostos orgânicos voláteis biogênicos , que são “extremamente reativos na atmosfera. Eles criam núcleos de condensação de nuvens [e] alteram a distribuição de gotículas dentro das nuvens, o que as torna mais brilhantes e mantêm o ciclo hidrológico”, disse Verchot.

A maior parte das massas de ar que passam pela floresta amazônica, por exemplo, vem do Oceano Atlântico. Quando chegam ao oeste da Amazônia e aos Andes, “60% a 70% [de sua massa] caiu em algum lugar [como chuva], foi bombeada de volta para a atmosfera por árvores e caiu novamente”, explicou Verchot. .

A superfície irregular de um dossel florestal (2- rugosidade do dossel ) também atenua os efeitos de temperaturas mais quentes. A rugosidade do dossel leva ao aumento da turbulência do ar, que redistribui o calor do solo da floresta para a atmosfera. Segundo Coe, quando as áreas perdem a rugosidade da copa (como ocorre quando são desmatadas), o resultado tem “um efeito de frigideira. Coloca uma tampa na atmosfera que mantém o aquecimento local.”

As florestas normalmente têm albedo baixo e temperaturas mais altas, pois a vegetação densa absorve mais energia do que as pastagens ou o solo nu. O efeito de aquecimento do baixo albedo é superado nas florestas tropicais, no entanto, pela evapotranspiração e rugosidade do dossel, resultando em resfriamento durante todo o ano.

Resiliência Econômica e Social

Os efeitos combinados do sequestro de carbono e controles biofísicos são “necessários para orientar as decisões políticas que apoiam a mitigação do clima global, a adaptação local e a conservação da biodiversidade”, escrevem os autores. Verchot disse que os formuladores de políticas em países tropicais em particular “precisam olhar para essas oportunidades [para a conservação florestal] e incorporá-las em seu modelo de desenvolvimento”.

Para Mateo Estrada , líder indígena Siriano e coordenador ambiental da Organização dos Povos Indígenas da Amazônia Colombiana, a nova pesquisa ajuda a criar “espaços de diálogo onde empresas, governos e moradores urbanos possam reconhecer a importância das florestas para seu sucesso econômico e sobrevivência”. Por exemplo, Bogotá, uma cidade com mais de 7 milhões de habitantes, pode perder cerca de 60% de suas chuvas anuais se o desmatamento continuar na Amazônia.

As comunidades indígenas “estão protegendo grandes porções de florestas e têm um papel climático muito importante”, disse Coe. Estrada acredita que a melhor maneira de proteger as florestas tropicais é “resolver as necessidades das pessoas que vivem lá… precisamos de novas economias baseadas em nosso Conhecimento Tradicional”, citando a necessidade de proteger as tradições indígenas, proteger a biodiversidade genética da região por meio de patentes , e proteger o apoio ao turismo local e esforços de conservação.

Em todo o mundo, as florestas fornecem estabilização climática local, ao mesmo tempo que sequestram dióxido de carbono. Proteger, expandir e melhorar a gestão desses ecossistemas – especialmente as florestas tropicais – é uma das melhores estratégias para mitigar e adaptar-se ao aquecimento global. “Essas florestas são um dos nossos maiores ativos; [eles são] uma das melhores maneiras de estabilizar o clima e ajudar a salvar vidas simplesmente não fazendo nada. Basta mantê-los no lugar”, concluiu Coe.

—Santiago Flórez ( @rflorezsantiago ), Escritor de Ciências

Referências:

Flórez, S. (2022), Climate benefits of forests go far beyond carbon sequestration, Eos, 103
https://doi.org/10.1029/2022EO220205

1
Lawrence Deborah, Coe Michael, Walker Wayne, Verchot Louis, Vandecar Karen
The Unseen Effects of Deforestation: Biophysical Effects on Climate
Frontiers in Forests and Global Change
https://doi.org/10.3389/ffgc.2022.756115

2
Monica Herrero-Huerta, Alexander Bucksch, Eetu Puttonen, Katy M. Rainey, “Canopy Roughness: A New Phenotypic Trait to Estimate Aboveground Biomass from Unmanned Aerial System”, Plant Phenomics, vol. 2020, Article ID 6735967, 10 pages, 2020. https://doi.org/10.34133/2020/6735967

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top