Mudança climática e agricultura reduzem pela metade as populações de insetos

 

Mudança climática e agricultura reduzem pela metade as populações de insetos

As mudanças climáticas e o uso intensivo de terras agrícolas já foram responsáveis por uma redução de 49% no número de insetos nas partes mais impactadas do mundo, segundo um novo estudo de pesquisadores da UCL.

University College London*

O estudo publicado na Nature é o primeiro a identificar que uma interação entre o aumento das temperaturas e as mudanças no uso da terra está causando perdas generalizadas em vários grupos de insetos em todo o mundo.

O autor principal, Dr. Charlie Outhwaite (UCL Center for Biodiversity & Environment Research, UCL Biosciences) disse: “Muitos insetos parecem ser muito vulneráveis às pressões humanas, o que é preocupante à medida que as mudanças climáticas pioram e as áreas agrícolas continuam a se expandir. Nossas descobertas destacam a urgência de ações para preservar os habitats naturais, retardar a expansão da agricultura de alta intensidade e reduzir as emissões para mitigar as mudanças climáticas.

“A perda de populações de insetos pode ser prejudicial não apenas ao ambiente natural, onde os insetos geralmente desempenham papéis importantes nos ecossistemas locais, mas também pode prejudicar a saúde humana e a segurança alimentar, principalmente com a perda de polinizadores.”

“Nossas descobertas podem representar apenas a ponta do iceberg, pois há evidências limitadas em algumas áreas, particularmente nos trópicos, onde encontramos reduções bastante altas na biodiversidade de insetos nas áreas mais impactadas”.

Os pesquisadores analisaram um grande conjunto de dados de abundância de insetos e riqueza de espécies de áreas em todo o mundo, incluindo três quartos de milhão de registros para quase 20.000 espécies de insetos.

A equipe comparou a biodiversidade de insetos em diferentes áreas, dependendo da intensidade da agricultura na área, bem como do aquecimento histórico do clima na área local.

Eles descobriram que em áreas com agricultura de alta intensidade e aquecimento climático substancial, o número de insetos foi 49% menor do que na maioria dos habitats naturais sem aquecimento climático registrado, enquanto o número de espécies diferentes foi 29% menor. As áreas tropicais viram os maiores declínios na biodiversidade de insetos ligados ao uso da terra e às mudanças climáticas.

Os pesquisadores descobriram que em áreas de agricultura de baixa intensidade e aquecimento climático substancial, ter habitat natural próximo amorteceu as perdas: onde 75% da terra era coberta por habitat natural, a abundância de insetos diminuiu apenas 7%, em comparação com uma redução de 63%. em áreas comparáveis com apenas 25% de cobertura de habitat natural. Muitos insetos dependem de plantas para sombra em dias quentes, então a perda de habitats naturais pode deixá-los mais vulneráveis a um clima mais quente.

Os pesquisadores dizem que o declínio de insetos devido à influência humana pode ser ainda maior do que suas descobertas sugerem, já que muitas áreas com longas histórias de impactos humanos já teriam sofrido perdas de biodiversidade antes do início do período de estudo, e o estudo também não levou em conta a efeitos de outros fatores, como a poluição.

O autor sênior Dr Tim Newbold (UCL Center for Biodiversity & Environment Research) disse: “Os danos ambientais da agricultura de alta intensidade apresentam um desafio complicado à medida que tentamos acompanhar as demandas alimentares de uma população crescente. Descobrimos anteriormente que os polinizadores de insetos são particularmente vulneráveis à expansão agrícola, pois parecem ser mais de 70% menos abundantes em terras agrícolas de alta intensidade em comparação com locais selvagens. A gestão cuidadosa de áreas agrícolas, como a preservação de habitats naturais perto de terras agrícolas, pode ajudar a garantir que insetos vitais ainda possam prosperar”.

O primeiro autor conjunto Peter McCann, que conduziu a pesquisa enquanto completava um mestrado no Centro de Pesquisa em Biodiversidade e Meio Ambiente da UCL, disse: “Precisamos reconhecer a importância dos insetos para o meio ambiente como um todo e para a saúde e o bem-estar humanos, em para lidar com as ameaças que representamos para eles antes que muitas espécies sejam perdidas para sempre.”

Os cientistas do Centro de Pesquisa em Biodiversidade e Meio Ambiente da UCL estão na vanguarda da pesquisa sobre os impactos humanos no planeta, como desenvolver a ciência que sustenta a Lista Vermelha da IUCN que quantifica o risco de extinção e descobrir que as mudanças no uso da terra podem estar aumentando os riscos de surtos de doenças como o Covid-19 que saltam de animais para humanos. O novo People and Nature Lab interdisciplinar do centro está desenvolvendo abordagens inovadoras, como programas de ciência cidadã e empregando inteligência artificial, para enfrentar esses desafios globais urgentes e promover uma relação mais sustentável entre as pessoas e a natureza.

A pesquisa foi apoiada pelo Natural Environment Research Council e pela Royal Society.

Mudanças médias globais em temperaturas absolutas e padronizadas, in 'Agriculture and climate change are reshaping insect biodiversity worldwide'
Mudanças médias globais em temperaturas absolutas e padronizadas, in ‘Agriculture and climate change are reshaping insect biodiversity worldwide’

Referência:

Outhwaite, C.L., McCann, P. & Newbold, T. Agriculture and climate change are reshaping insect biodiversity worldwide. Nature (2022). https://doi.org/10.1038/s41586-022-04644-x

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top