Dietas baseadas em vegetais estão associadas a menor risco de diabetes tipo 2

 

alimentação a base de vegetais
Foto: ABr/EBC

Dietas baseadas em vegetais estão associadas a menor risco de diabetes tipo 2

Uma nova pesquisa publicada no Diabetologia (o jornal da Associação Europeia para o Estudo do Diabetes [EASD]) descobriu que o consumo de alimentos saudáveis à base de plantas, incluindo frutas, legumes, nozes, café e legumes, está associado a um risco menor de desenvolver diabetes tipo 2 (T2D) em pessoas geralmente saudáveis.

Harvard T.H. Chan School of Public Health*

O estudo foi conduzido pelo professor Frank Hu e colegas do Departamento de Nutrição da Harvard TH Chan School of Public Health, Boston, MA, EUA, e teve como objetivo identificar os perfis de metabólitos relacionados a diferentes dietas à base de plantas e investigar possíveis associações entre eles. perfis e o risco de desenvolver DM2.

Um metabólito é uma substância usada ou produzida por processos químicos em um organismo vivo e inclui o grande número de compostos encontrados em diferentes alimentos, bem como a complexa variedade de moléculas criadas à medida que esses compostos são decompostos e transformados para uso pelo corpo.

As diferenças na composição química dos alimentos significam que a dieta de um indivíduo deve ser refletida em seu perfil metabólito. Recentes avanços tecnológicos no campo de perfis metabolômicos de alto rendimento deram início a uma nova era de pesquisa nutricional. Metabolômica é definida como a análise abrangente e identificação de todos os diferentes metabólitos presentes em uma amostra biológica.

Mais de 90% dos casos de diabetes são do tipo 2, e a condição representa uma grande ameaça à saúde em todo o mundo. A prevalência global da doença em adultos mais que triplicou em menos de duas décadas, com casos aumentando de cerca de 150 milhões em 2000 para mais de 450 milhões em 2019 e com projeção de aumentar para cerca de 700 milhões em 2045.

A carga de saúde global do DM2 é aumentada ainda mais pelas inúmeras complicações decorrentes da doença, tanto macrovasculares, como doenças cardiovasculares, quanto microvasculares, que danificam os rins, os olhos e o sistema nervoso. A epidemia de diabetes é causada principalmente por dietas pouco saudáveis, excesso de peso ou obesidade, predisposição genética e outros fatores de estilo de vida, como falta de exercício. As dietas à base de plantas, especialmente as saudáveis, ricas em alimentos de alta qualidade, como grãos integrais, frutas e vegetais, têm sido associadas a um menor risco de desenvolver DM2, mas os mecanismos subjacentes envolvidos não são totalmente compreendidos.

A equipe realizou uma análise de amostras de plasma sanguíneo e ingestão alimentar de 10.684 participantes de três coortes prospectivas (Estudo de Saúde de Enfermeiros, Estudo de Saúde de Enfermeiros II e Estudo de Acompanhamento de Profissionais de Saúde). Os participantes eram predominantemente brancos, de meia-idade (idade média de 54 anos) e com índice de massa corporal (IMC) médio de 25,6kg/m 2 .

Os participantes do estudo preencheram questionários de frequência alimentar (QFAs) que foram pontuados de acordo com sua adesão a três dietas à base de plantas: um índice geral de dieta à base de plantas (PDI), um índice de dieta saudável à base de plantas (hPDI) e um índice de dieta não saudável. Índice de dieta baseado (uPDI). Os índices de dieta foram baseados na ingestão desse indivíduo de 18 grupos de alimentos: alimentos vegetais saudáveis (grãos integrais, frutas, vegetais, nozes, legumes, óleos vegetais e chá/café); alimentos vegetais não saudáveis (grãos refinados, sucos de frutas, batatas, bebidas açucaradas e doces/sobremesas); e alimentos de origem animal (gorduras animais, laticínios, ovos, peixes/frutos do mar, carnes e diversos alimentos de origem animal). A equipe distinguiu entre alimentos vegetais saudáveis e não saudáveis de acordo com sua associação com DM2, doenças cardiovasculares, certos tipos de câncer e outras condições.

Os pesquisadores testaram amostras de sangue retiradas no final dos anos 1980 e 1990 na fase inicial dos três estudos mencionados acima para criar pontuações de perfil de metabólitos para os participantes, e quaisquer casos de DM2 incidentes durante o período de acompanhamento do estudo foram registrados. As análises desses dados, juntamente com as pontuações do índice de dieta, permitiram que a equipe encontrasse quaisquer correlações entre o perfil de metabólitos, o índice de dieta e o risco de DM2.

O estudo descobriu que, em comparação com os participantes que não desenvolveram DM2, aqueles que foram diagnosticados com a doença durante o acompanhamento tiveram uma ingestão menor de alimentos saudáveis à base de plantas, bem como pontuações mais baixas para PDI e hPDI. Além disso, eles tinham um IMC médio mais alto e eram mais propensos a ter níveis elevados de pressão arterial e colesterol, usar medicamentos para pressão arterial e colesterol, ter histórico familiar de diabetes e ser menos ativo fisicamente.

Os dados de metabolômica revelaram que as dietas baseadas em vegetais estavam associadas a perfis multimetabólitos únicos e que esses padrões diferiram significativamente entre as dietas saudáveis e não saudáveis à base de plantas. Além disso, as pontuações do perfil de metabólitos para a dieta baseada em vegetais em geral e a dieta baseada em vegetais saudável foram inversamente associadas com DM2 incidente em uma população geralmente saudável, independente do IMC e outros fatores de risco de diabetes, enquanto nenhuma associação foi observada para o dieta à base de plantas não saudável. Como resultado, pontuações mais altas no perfil de metabólitos para PDI e hPDI indicaram uma adesão mais próxima a essas dietas e menor risco de desenvolver DM2.

Análises posteriores revelaram que, após o ajuste dos níveis de trigonelina, hipurato, isoleucina, um pequeno conjunto de triacigliceróis (TAGs) e vários outros metabólitos intermediários, a associação entre dietas baseadas em vegetais e DM2 desapareceu, sugerindo que eles podem desempenhar um papel fundamental em vincular essas dietas ao diabetes incidente. A trigonelina, por exemplo, é encontrada no café e demonstrou efeitos benéficos na resistência à insulina em estudos com animais, enquanto níveis mais altos de hipurato estão associados a melhor controle glicêmico, aumento da secreção de insulina e menor risco de DM2. A equipe sugere que esses metabólitos podem ser mais investigados e podem fornecer explicações mecanicistas de como as dietas à base de plantas podem ter um efeito benéfico no risco de DM2.

O professor Hu explica: “Embora seja difícil deduzir as contribuições de alimentos individuais porque eles foram analisados juntos como um padrão, metabólitos individuais do consumo de alimentos vegetais ricos em polifenóis, como frutas, vegetais, café e legumes, estão todos intimamente ligados a dieta saudável à base de plantas e menor risco de diabetes”.

Os autores concluem: “Nossas descobertas apoiam o papel benéfico de dietas saudáveis à base de plantas na prevenção do diabetes e fornecem novos insights para futuras investigações… as associações de dietas à base de plantas e o risco de desenvolver diabetes tipo 2.”

Como eles coletaram apenas amostras de sangue em um ponto no tempo, os autores também acreditam que dados metabolômicos repetidos de longo prazo são necessários para entender como as mudanças na dieta se relacionam com as mudanças no metaboloma, influenciando assim o risco de DM2.

Referência:

Wang, F., Baden, M.Y., Guasch-Ferré, M. et al. Plasma metabolite profiles related to plant-based diets and the risk of type 2 diabetes. Diabetologia (2022). https://doi.org/10.1007/s00125-022-05692-8

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top