Grandes cidades não envolvem agências de saúde pública nos planos de adaptação ao clima

 
Agências de implementação comumente relatadas em planos climáticos de 22 grandes cidades altamente adaptáveis à saúde, por cinco áreas de atividades associadas à saúde
Agências de implementação comumente relatadas em planos climáticos de 22 grandes cidades altamente adaptáveis à saúde, por cinco áreas de atividades associadas à saúde. Crédito: Sheehan et al., 2022, PLOS Climate , CC-BY 4.0 (creativecommons.org/licenses/by/4.0/)

Grandes cidades não envolvem agências de saúde pública nos planos de adaptação ao clima

Uma revisão dos planos de adaptação ao clima de 22 grandes cidades descobriu que, embora a maioria inclua ações significativas para promover a saúde pública, menos cidades envolveram suas agências de saúde pública nesses planos.

Mary Sheehan, da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg em Baltimore, Maryland, e colegas apresentam essas descobertas na revista de acesso aberto PLOS Climate em 3 de março.

Public Library of Science*

Com as mudanças climáticas , as populações urbanas correm maior risco de uma série de perigos, incluindo calor, inundações e secas. Muitas cidades optaram por desenvolver planos de adaptação ao clima , que incluem um foco principal na saúde pública . No entanto, devido a pesquisas limitadas, até que ponto mesmo os planos de cidades altamente focadas em saúde incorporam ações de saúde pública e o envolvimento de agências de saúde pública não está claro.

Para melhorar a compreensão, Sheehan e colegas avaliaram os planos de adaptação ao clima de 22 grandes cidades que já eram conhecidas por serem focadas em adaptações que promovem a saúde pública. Eles analisaram até que ponto os planos dessas cidades incluem ações que se enquadram em cinco categorias consideradas promissoras para a promoção da saúde pública, como preparação para tempestades extremas ou sistemas de alerta precoce para doenças infecciosas.

A análise constatou que 90% dos planos incluem ações em pelo menos três das cinco categorias associadas à saúde. Entre esses planos, no entanto, apenas 73% incluem o envolvimento de uma agência de saúde pública. Cidades de países de baixa e média renda eram mais propensas a envolver agências de saúde pública em planos de adaptação às mudanças climáticas do que cidades de países de alta renda, embora cidades com envolvimento significativo de agências de saúde pública também incluíssem Barcelona, Baltimore e São Francisco. Os planos com maior envolvimento dos órgãos de saúde pública envolveram com maior frequência o alerta precoce de calor, seguido por ações de preparação para intempéries e mapeamento de perigos.

A análise também examinou várias abordagens aos planos de adaptação ao clima. Por exemplo, o plano de Baltimore é coordenado por seu Escritório de Sustentabilidade e inclui um foco principal na preparação para climas extremos, enquanto o de Londres é coordenado pelo gabinete do prefeito e inclui um foco mais amplo em estratégias ambientais. O plano de Barcelona demonstra a integração de várias agências da cidade ao abordar as adaptações para proteger a saúde pública.

Os pesquisadores dizem que suas descobertas apoiam os esforços para envolver mais profundamente as agências de saúde pública na adaptação às mudanças climáticas e delinear oportunidades adicionais para as grandes cidades incorporarem a saúde pública nos planos de adaptação.

Os autores acrescentam: “As localidades estão impulsionando a adaptação climática, e neste estudo descobrimos que o envolvimento da saúde pública local nos planos de adaptação climática pode fazer a diferença.agências de saúde estavam envolvidas em planos climáticos, vimos ações preventivas, como alertas de calor extremo, mais comumente relatados. A presença de saúde pública traz dados, por exemplo, sobre impactos e vulnerabilidade na saúde, que podem resultar em maior foco nas pessoas – e melhor proteção para aqueles que mais precisam. Olhando para o futuro, descobrimos que há oportunidade para mais envolvimento da saúde pública em áreas como preparação para climas extremos e mapeamento de vulnerabilidades, em parceria com gerenciamento de emergências, serviços meteorológicos e outras agências”.

Referência:

Sheehan MC, Khudairi F, Swaich GS, Hines W, Mehta S, Fox MA (2022) Urban climate-health governance: Charting the role of public health in large global city adaptation plans. PLOS Clim 1(3): e0000012.
https://doi.org/10.1371/journal.pclm.0000012

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/03/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top