Fragmentação florestal na Amazônia aumenta os efeitos negativos do aquecimento nas árvores

 

Fragmentação florestal na Amazônia aumenta os efeitos negativos do aquecimento nas árvores

As árvores altas da Amazônia Central são impactadas por períodos de altas temperaturas máximas e depois perdem suas folhas e galhos. Com o aumento do desmatamento, as florestas remanescentes menores e fragmentadas têm temperaturas mais altas, o que, por sua vez, exacerba os efeitos negativos do aquecimento nas árvores altas.

University of Helsinki*

Um novo estudo publicado na Nature Communications liderado por pesquisadores da Universidade de Helsinque, em cooperação com cientistas de todo o mundo, detalha o impacto que o aumento das temperaturas tem na floresta amazônica. O estudo mostra que árvores altas na Amazônia Central são impactadas por temperaturas máximas do sub-bosque acima de 35 graus.

Se as emissões muito altas de gases de efeito estufa (GEE) e CO2 dobrarem em relação aos níveis atuais até 2050, as temperaturas máximas na Amazônia provavelmente ultrapassarão 35 graus Celsius pelo menos 150 dias por ano até o final do século, de acordo com o Sexto Relatório de Avaliação do IPCC.

As copas das florestas antigas e intactas geralmente amortecem as altas temperaturas observadas no sub-bosque até certo ponto. No entanto, quando as temperaturas nessas camadas subjacentes atingem 35 graus, como geralmente acontece em agosto e setembro em muitas regiões, as árvores altas perdem suas folhas e galhos.

– Se o número de dias registrando essas temperaturas muito altas dentro das florestas aumentar, poderemos ver que as árvores altas sofrerão consideravelmente, diz o pesquisador de pós-doutorado Matheus Nunes , principal autor do estudo.

A “respiração” da Terra está em fluxo

Nas florestas tropicais, ainda há muitas incertezas no momento e nas causas de eventos sazonais, como queda e explosão de folhas. Compreender esses padrões é crucial para entender como os ecossistemas tropicais responderão às mudanças climáticas.

– Projetamos um experimento usando pesquisas repetidas usando um moderno scanner a laser para investigar a dinâmica sazonal das florestas amazônicas, diz Eduardo Maeda , coordenador do projeto financiado pela Academia da Finlândia.

Nas últimas décadas, tem havido um debate se as plantas na Amazônia são mais limitadas pela luz ou pela água. Este estudo fornece evidências de que o problema é mais complexo, pois demonstrou uma alta variabilidade nas camadas verticais da floresta. Em outras palavras, as árvores que ocupam as camadas inferiores, ou estratos, foram mais limitadas à luz, enquanto as árvores altas que ocupam os estratos superiores foram mais afetadas pelas variações climáticas.

Fragmentação florestal

Para complicar ainda mais, o estudo mostra que o desmatamento na região exacerba os efeitos negativos do aquecimento.

– As pequenas e fragmentadas florestas remanescentes tendem a ter temperaturas mais quentes no sub-bosque, por causa da maior penetração de luz na floresta, diz José Luís Camargo , coautor do estudo e diretor do “Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais”, o estudo mais antigo da fragmentação de habitat na Amazônia Central.

As temperaturas mais quentes nesses fragmentos florestais remanescentes aumentam a pressão sobre as árvores altas, que fazem com que as árvores percam suas folhas e galhos por um tempo prolongado. Atualmente, estima-se que 176.555 km2 de florestas amazônicas estejam sob a influência de efeitos de borda. Se o desmatamento continuar e as florestas se tornarem mais fragmentadas, provavelmente veremos consequências graves e uma mudança em grande escala na forma como os ecossistemas tropicais respiram.

Fragmentação florestal na Amazônia aumenta os efeitos negativos do aquecimento nas árvores
Foto: Richard Bierregaard

História do estudo

Os cientistas há muito procuram entender se as florestas degradadas podem manter importantes funções do ecossistema, como capturar carbono da atmosfera para reduzir o aquecimento global, preservar o ciclo da água para manter as chuvas e temperaturas baixas e preservar a biodiversidade.

Um dos maiores e mais longos experimentos sobre os efeitos da fragmentação florestal foi iniciado em 1979 na Amazônia Central (perto de Manaus, Brasil) por uma equipe de cientistas liderada pelo pioneiro biólogo conservacionista Thomas Lovejoy , que faleceu em dezembro passado. Para o ‘Projeto Dinâmica Biológica de Fragmentos Florestais’ (BDFFP), Lovejoy e colegas trabalharam com agricultores locais – que estavam desmatando a floresta para a pecuária – para que uma série de fragmentos florestais ficasse intacta. Centenas de artigos científicos já foram publicados a partir do projeto, contribuindo para nossa compreensão dos efeitos da fragmentação do habitat nas florestas tropicais e sua capacidade de persistir e sustentar a biodiversidade.

Referência:

Nunes, M.H., Camargo, J.L.C., Vincent, G. et al. Forest fragmentation impacts the seasonality of Amazonian evergreen canopies. Nat Commun 13, 917 (2022). https://doi.org/10.1038/s41467-022-28490-7

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top