Pesquisa identifica esgoto e combustível fóssil no ambiente da Antártica

 

Pesquisa identifica esgoto e combustível fóssil no ambiente da Antártica

Universidade Federal do Paraná (UFPR)

MesmoPesquisa identifica esgoto e combustível fóssil no ambiente da Antártica,ecodebate,ambiente da Antártica,poluição no ambiente da Antártica,impacto humano no ambiente da Antártica sendo um dos menores continentes da Terra — seus 14 milhões de km² representam menos de 3% da superfície terrestre —, a Antártica é um dos poucos ambientes ainda preservados do mundo e, por isso, serve como sentinela para as demais regiões do planeta.

Daí o alerta embutido em estudos recentes, publicados por um grupo de pesquisadores do Centro de Estudos do Mar (CEM) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que revelam o impacto da atividade humana na região da Baía do Almirantado, uma das mais movimentadas do continente antártico.

A consequência do aumento dessa interferência tem sido a ocorrência de elementos e substâncias associadas ao uso do petróleo e do descarte de esgoto.

A partir de amostras de sedimento marinho, coletadas pelos pesquisadores entre os anos 2000 e 2020, que refletem a variabilidade ambiental ao longo dos últimos 60 anos, os pesquisadores utilizaram três diferentes classes de biomarcadores químicos para evidenciar as possíveis mudanças ambientais que ocorreram naquele ambiente durante aquela escala de tempo. Os materiais foram estudados pela equipe do Laboratório de Geoquímica Orgânica e Poluição Marinha (LaGPoM), vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Sistemas Costeiros Oceânicos da UFPR.

Os resultados foram publicados nas revistas científicas Marine ChemistryScience of The Total Environment e Organic Geochemistry

Um dos elementos analisados foi o fósforo. O fósforo tem origem natural no ambiente antártico, estando relacionado às alterações físicas das rochas e aos solos — abundantes em material orgânico produzido por aves —, mas também está presente no esgoto. Quando há atividade humana, há descarte de esgoto no ambiente e, consequentemente, os níveis de fósforo devem ser maiores do que os encontrados em períodos mais antigos, anteriores à presença frequente do homem na Antártica.

Pesquisa identifica esgoto e combustível fóssil no ambiente da Antártica

Sedimentos foram recolhidos na Baía do Almirantado, onde está localizada a estação antártica brasileira. Fotos: LaGPoM-UFPR/Acervo

 

Conforme explica César de Castro Martins, coordenador da pesquisa, os cientistas levantaram os valores de base para o elemento fósforo em períodos pretéritos à presença humana na Baía do Almirantado e compararam esses níveis com dados atuais. Na península Keller, na baía, está localizada a Estação Antártica Comandante Ferraz, da Marinha Brasileira.

“Nossas amostras refletem períodos mais recentes e apontam valores mais altos de fósforo. Portanto, esse elemento pode ser usado para avaliar a transformação do ambiente marinho antártico nas condições de elevação de temperatura e de aumento de atividades humanas provenientes de pesquisa e de turismo”.

Os hidrocarbonetos alifáticos foram outra classe de biomarcadores investigada pela equipe. Essas substâncias podem ser encontradas em organismos marinhos e terrestres e também no petróleo.

“É um marcador orgânico capaz de refletir a utilização de combustíveis fósseis proveniente da atividade humana na Antártica”, afirma Martins. Novamente, as amostras de sedimento que refletem os últimos 60 anos foram utilizadas para análise.

A observação resultou em uma mistura de fontes que seriam a origem dos hidrocarbonetos alifáticos. Os pesquisadores entenderam que encontraram biomarcadores que retratam a variabilidade da produtividade marinha e o aporte continental, que pode ser resultado da mudança climática na região.

Aquecimento global parece contribuir para que resíduos do continente cheguem ao mar

Nessa avaliação, os pesquisadores notaram que, no período de 1975 a 1992, houve um aumento maior na concentração de alguns hidrocarbonetos, o que pode significar que a elevação da temperatura do planeta leva mais material continental para a região marinha da Antártica.

“Alguns organismos marinhos mais adaptados a essa condição de temperatura elevada tiveram maior abundância. Quando uma condição ambiental se altera, algumas espécies se adaptam e outras declinam, podendo chegar à extinção”, diz Martins.

Por último, em parceria com pesquisadores da Universidade de Bristol, do Reino Unido, os cientistas calibraram uma ferramenta geoquímica que permite o estudo da temperatura da superfície do mar em períodos anteriores aos contemplados por registros instrumentais. Segundo o professor, dados de estações meteorológicas na Antártica começaram a surgir a partir da década de 1940. Antes disso, não há como saber qual seria a temperatura da superfície do mar.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 16/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top