Custos e benefícios da prevenção de pandemias zoonóticas

 

Mortes por ano de novos surtos zoonóticos virais desde 1912Mortes por ano de novos surtos zoonóticos virais desde 1912. Os números são codificados por cores pelo número de continentes pelos quais se espalham. O tamanho do símbolo mostra os custos econômicos, além daqueles baseados na perda de vidas, apenas para os cinco casos para os quais o Banco Mundial forneceu estimativas

 

Custos e benefícios da prevenção de pandemias zoonóticas

Pesquisa mostra que ações para prevenir pandemias custam 5% das vidas perdidas todos os anos por doenças infecciosas emergentes

Estudo fornece um plano para prevenir futuras pandemias no 2º aniversário do COVID-19 e exige melhor vigilância, manejo da vida selvagem e da caça e proteção florestal

Center for Climate, Health, and the Global Environment

Harvard T. H. Chan School of Public Health (Harvard Chan C-CHANGE)*

Dois anos após o surgimento do COVID-19, os pesquisadores forneceram três ações econômicas para ajudar os tomadores de decisão a prevenir futuras pandemias, interrompendo o “transbordamento” de doenças de animais para humanos: melhor vigilância de patógenos, melhor gerenciamento do comércio de animais selvagens e caça , e redução do desmatamento. Os custos anuais dessas ações de “prevenção primária de pandemia” (~ US$ 20 bilhões) são menos de 5% do menor valor estimado de vidas perdidas por doenças infecciosas emergentes a cada ano, menos de 10% dos custos econômicos e fornecem co- benefícios. A pesquisa de 20 especialistas, publicada na Science Advances, foi liderado pelo Dr. Aaron Bernstein, diretor do Centro de Clima, Saúde e Meio Ambiente Global da Harvard TH Chan School of Public Health.

“Se o COVID-19 nos ensinou alguma coisa, é que testes, tratamentos e vacinas podem prevenir mortes, mas não impedem a propagação de vírus em todo o mundo e podem nunca impedir o surgimento de novos patógenos. Ao olharmos para o futuro, não podemos confiar apenas nas estratégias pós-transbordamento para nos proteger”, disse o Dr. Bernstein de Harvard Chan C-CHANGE. “Gastar apenas cinco centavos de dólar pode ajudar a evitar o próximo tsunami de vidas perdidas por pandemias, tomando ações econômicas que impedem que a onda emerja, em vez de pagar trilhões para juntar os pedaços”.

Hoje, espera-se que 3,3 milhões de pessoas morram a cada ano de doenças zoonóticas virais. O valor estimado dessas vidas perdidas é – no mínimo – US$ 350 bilhões com um adicional de US$ 212 bilhões em perdas econômicas diretas. Esse valor é baseado em vidas perdidas de cada nova zoonose viral – doenças que “transbordam” para humanos – desde 1918 que mataram pelo menos 10 pessoas.

De acordo com os autores, a prevenção do transbordamento na fonte raramente é abordada quando os formuladores de políticas e as organizações multilaterais discutem os riscos pandêmicos – apesar do papel fundamental que os transbordamentos desempenham na disseminação de infecções emergentes. Para resolver isso, o documento recomenda a revisão das “fases de emergência de doenças infecciosas” da Organização Mundial da Saúde para incluir uma fase específica para transbordamento. Eles ainda cunham um novo paradigma – “prevenção primária de pandemia” – para definir ações que eliminam novas doenças antes que elas se espalhem, em vez de ações que abordam surtos de doenças após sua ocorrência.

“Os recursos destinados à redução do desmatamento são um investimento para prevenir futuras epidemias, mas também para mitigar ameaças atuais, como malária e doenças respiratórias associadas à queima da floresta”, disse Marcia Castro, professora de demografia da Andelot e presidente do Departamento de Saúde Global e População na Harvard Chan School. “Fazer esses investimentos em prevenção traz retornos à saúde humana, ao meio ambiente e ao desenvolvimento econômico.”

Além de prevenir pandemias ao suprimir o surgimento de novos e conhecidos patógenos, as ações incluídas no documento ajudam a evitar emissões de dióxido de carbono, conservar o abastecimento de água, proteger os direitos dos Povos Indígenas e conservar a biodiversidade. Eles também evitam danos indiretos não incluídos nas estimativas de custos, como danos psicológicos por perda de empregos, parentes perdidos ou isolamento social, tratamentos médicos atrasados e perda ou atrasos na educação.

As ações e recomendações de prevenção primária incluem:

* Melhor vigilância de patógenos que podem se espalhar de animais para pessoas

Um projeto global de descoberta viral deve ser desenvolvido para direcionar onde as atividades de prevenção devem ser focadas geograficamente. Essa biblioteca pode ajudar a identificar rapidamente os patógenos quando eles surgem e acelerar nossa capacidade de desenvolver testes e vacinas rapidamente e implantá-los amplamente.

Veterinários mais bem treinados são necessários, especialmente em hotspots de transbordamento, para monitorar doenças emergentes e evitar o transbordamento da vida selvagem ou do gado para as pessoas.

* Melhor gestão do comércio de vida selvagem e caça

O monitoramento e a vigilância inadequados do comércio de animais silvestres permitem o surgimento de doenças zoonóticas. Um maior orçamento e pessoal para a Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Selvagens (CITES), a Organização Mundial de Saúde Animal e agências nacionais encarregadas de monitorar a importação de animais para conduzir pesquisas, monitoramento e fiscalização é necessário para reduzir comércio arriscado.

* Redução do desmatamento

O desmatamento, particularmente nos trópicos, coloca as pessoas em contato com os animais quando entram nas florestas para desmatá-las para agricultura ou madeira, construir estradas ou trabalhar em minas. Cria bordas florestais que facilitam o contato entre pessoas e hospedeiros de reservatórios virais.

A mitigação do desmatamento na Amazônia é uma pedra angular da prevenção primária da pandemia. Florestas menores também são fontes importantes de patógenos emergentes devido à sua proximidade com assentamentos densamente povoados. Vincular medidas de conservação a investimentos no fortalecimento do sistema de saúde pode apoiar as comunidades que vivem dentro e ao redor das florestas.

A agricultura deve ser reformada para minimizar, ou idealmente reverter, a conversão da terra, e a demanda por alimentos menos sustentáveis também deve ser reduzida.

Em 2021, uma força-tarefa liderada pelo Dr. Bernstein descobriu que o transbordamento de patógenos com potencial para causar pandemias ocorre nas operações de gado; caça e comércio de animais selvagens; mudança no uso da terra e destruição de florestas tropicais; expansão de terras agrícolas, especialmente perto de assentamentos humanos; e urbanização rápida e não planejada.

As mudanças climáticas também estão diminuindo os habitats e empurrando os animais em terra e no mar para se mudarem para novos lugares, criando oportunidades para patógenos entrarem em novos hospedeiros. O relatório fornece recomendações para pesquisas e ações para prevenir novas pandemias que têm estado em grande parte ausentes das discussões de alto nível sobre prevenção, incluindo um novo apelo para integrar ações de conservação com o fortalecimento dos sistemas de saúde globalmente.

Fases de emergência de patógenos
Fases de emergência de patógenos, do local ao global.A Organização Mundial da Saúde identifica cinco fases às quais adicionamos uma sexta: transbordamento de patógenos (em vermelho).

Referência:

The costs and benefits of primary prevention of zoonotic pandemics
Science Advances • 4 Feb 2022 • Vol 8, Issue 5 • DOI: 10.1126/sciadv.abl4183
 

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top