Plantas do Reino Unido florescem um mês antes devido às mudanças climáticas

 

Plantas do Reino Unido florescem um mês antes devido às mudanças climáticas

Plantas do Reino Unido florescem um mês antes devido às mudanças climáticas

A mudança climática está fazendo com que as plantas no Reino Unido floresçam um mês antes, em média, o que pode ter consequências profundas para a vida selvagem, a agricultura e os jardineiros.

University of Cambridge*

Usando um banco de dados de ciência cidadã com registros que remontam a meados do século 18, uma equipe de pesquisa liderada pela Universidade de Cambridge descobriu que os efeitos das mudanças climáticas estão fazendo com que as plantas no Reino Unido floresçam um mês antes sob o recente aquecimento global.

Os pesquisadores basearam sua análise em mais de 400.000 observações de 406 espécies de plantas do Nature’s Calendar , mantido pelo Woodland Trust, e compararam as primeiras datas de floração com medições instrumentais de temperatura.

Eles descobriram que a data média da primeira floração de 1987 a 2019 é um mês inteiro antes da data média da primeira floração de 1753 a 1986. O mesmo período coincide com o aquecimento global acelerado causado pelas atividades humanas. Os resultados são relatados em Proceedings of the Royal Society B.

Embora as primeiras flores da primavera sejam sempre uma visão bem-vinda, essa floração precoce pode ter consequências para os ecossistemas e a agricultura do Reino Unido. Outras espécies que sincronizam sua migração ou hibernação podem ficar sem as flores e plantas das quais dependem – um fenômeno conhecido como incompatibilidade ecológica – o que pode levar à perda de biodiversidade se as populações não se adaptarem com rapidez suficiente.

A mudança também pode ter consequências para agricultores e jardineiros. Se as árvores frutíferas, por exemplo, florescerem cedo após um inverno ameno, colheitas inteiras podem ser mortas se as flores forem atingidas por uma geada tardia.

Embora possamos ver os efeitos das mudanças climáticas por meio de eventos climáticos extremos e aumento da variabilidade climática, os efeitos de longo prazo das mudanças climáticas nos ecossistemas são mais sutis e, portanto, difíceis de reconhecer e quantificar.

“Podemos usar uma ampla gama de conjuntos de dados ambientais para ver como as mudanças climáticas estão afetando diferentes espécies, mas a maioria dos registros que temos considera apenas uma ou algumas espécies em uma área relativamente pequena”, disse o professor Ulf Büntgen , do Departamento de Geografia de Cambridge, o principal autor do estudo. “Para realmente entender o que as mudanças climáticas estão fazendo com o nosso mundo, precisamos de conjuntos de dados muito maiores que analisem ecossistemas inteiros por um longo período de tempo.”

O Reino Unido possui esse conjunto de dados: desde o século XVIII, observações de mudanças sazonais foram registradas por cientistas, naturalistas, jardineiros amadores e profissionais, bem como por organizações como a Royal Meteorological Society. Em 2000, o Woodland Trust uniu-se ao Center for Ecology & Hydrology e coletou esses registros no Nature’s Calendar, que atualmente tem cerca de 3,5 milhões de registros desde 1736.

“Qualquer pessoa no Reino Unido pode enviar um registro ao Nature’s Calendar, registrando suas observações de plantas e vida selvagem”, disse Büntgen. “É uma fonte de dados incrivelmente rica e variada e, juntamente com os registros de temperatura, podemos usá-la para quantificar como as mudanças climáticas estão afetando o funcionamento de vários componentes do ecossistema em todo o Reino Unido.”

Para o estudo atual, os pesquisadores usaram mais de 400.000 registros do Nature’s Calendar para estudar mudanças em 406 espécies de plantas com flores no Reino Unido, entre 1753 e 2019. Eles usaram observações da primeira data de floração de árvores, arbustos, ervas e alpinistas, em locais das Ilhas do Canal para Shetland, e da Irlanda do Norte para Suffolk.

Os pesquisadores classificaram as observações de várias maneiras: por localização, elevação e se eram de áreas urbanas ou rurais. As primeiras datas de floração foram então comparadas com os registros climáticos mensais.

Para equilibrar melhor o número de observações, os pesquisadores dividiram todo o conjunto de dados em registros até 1986 e de 1987 em diante. A primeira floração média avançou um mês inteiro e está fortemente correlacionada com o aumento das temperaturas globais.

“Os resultados são realmente alarmantes, devido aos riscos ecológicos associados a épocas de floração precoces”, disse Büntgen. “Quando as plantas florescem muito cedo, uma geada tardia pode matá-las – um fenômeno que a maioria dos jardineiros já experimentou em algum momento. Mas o risco ainda maior é a incompatibilidade ecológica. Plantas, insetos, pássaros e outros animais selvagens co-evoluíram a ponto de estarem sincronizados em seus estágios de desenvolvimento. Uma certa planta floresce, atrai um determinado tipo de inseto, que atrai um determinado tipo de pássaro, e assim por diante. Mas se um componente responder mais rápido que os outros, existe o risco de que eles fiquem fora de sincronia, o que pode levar as espécies ao colapso se não puderem se adaptar com rapidez suficiente.”

Büntgen diz que, se as temperaturas globais continuarem a aumentar no ritmo atual, a primavera no Reino Unido poderá começar em fevereiro. No entanto, muitas das espécies das quais nossas florestas, jardins e fazendas dependem podem enfrentar sérios problemas devido ao ritmo acelerado das mudanças.

“O monitoramento contínuo é necessário para garantir que entendamos melhor as consequências de um clima em mudança”, disse o coautor Professor Tim Sparks, do Departamento de Zoologia de Cambridge. “Contribuir com registros para o Nature’s Calendar é uma atividade em que todos podem se envolver.”

A pesquisa foi apoiada em parte pelo Conselho Europeu de Pesquisa, a Fundação Fritz e Elisabeth Schweingruber e o Woodland Trust.

Referência:

Ulf Büntgen et al. ‘Plants in the UK flower a month earlier under recent warming.’ Proceedings of the Royal Society B (2022). DOI: 10.1098/rspb.2021.2456

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 04/02/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top